Jornal Mundo Espírita

Junho de 2021 Número 1643 Ano 89
Genialidade e mediunidade Envie para um amigo Imprimir

Johann Wolfgang von Goethe

setembro/2020

Abundantes foram os fenômenos mediúnicos, na vida de Goethe (1749 – 1832). Registra-se-lhe a mediunidade exuberante, na segunda parte do seu poema trágico, Fausto, concluído 24 anos após a publicação da primeira parte, em 1808.

Ele se iniciou no ocultismo, através de Johann Kaspar Lavater (1741 – 1801) e da Sra. De Klettenberg. Lembremos que ele desencarnou 25 anos antes do nascimento da Doutrina Espírita (1857).

Goethe acreditava nas vidas sucessivas. Em poesia dirigida a sua amiga, Sra. von Stein escreveu: Dize-me o que nos reserva o destino? Por que nos ligou ele tão estreitamente um ao outro? Ah! Tu deves ter sido em tempos longínquos minha irmã ou minha esposa… e de todo este passado só resta uma reminiscência de antiga verdade sempre presente em mim!

Ele tinha visões, premonições. Certa noite, em Messina, na Itália, viu certos sinais no céu, o que o levou a predizer que um tremor de terra, de imediato, ou logo mais aconteceria. Na mesma noite, a cidade foi abalada por tremores.

Outro aviso espiritual, noticiado pela Sociedade Espírita do Território de Sarre (Alemanha) ocorreu quando ele escrevia o epílogo de Essex. Ao escrever: Que seja o que quer, cada um conhece seu crepúsculo e seu fim, um enorme retrato de Napoleão, preso à parede, caiu ao chão.

Goethe estremeceu. No dia seguinte, chegavam em Weimar (Alemanha) as notícias da derrota napoleônica, em Leipzig (Saxônia), para surpresa da população.

Evocado, na Sociedade Parisiense de Estudos Espíritas, em 25 de março de 18561, a respeito de Fausto, disse: É uma obra que tinha por objetivo mostrar a vaidade e o vazio da ciência humana e, por outro lado, naquilo que havia de belo e de puro, exaltar o sentimento do amor, castigando-o no que encerrava de desregrado e mau.

Afirmou ainda que tinha, em vida, a recordação de uma pré-existência, que, contudo, não se passara na Terra.

 

Referências:

1 KARDEC, Allan. Revista Espírita: Jornal de Estudos Psicológicos. Ano 1859, v. VI. São Paulo: EDICEL, 1999. Palestras familiares de Além-túmulo: Goethe.

2 RIZZINI, Jorge. Escritores e fantasmas. São Bernardo do Campo: Correio Fraterno do ABC, 1992. pt. Os estrangeiros, cap. Goethe e sua mediunidade.

 

Assine a versão impressa
Leia também