Jornal Mundo Espírita

Julho de 2021 Número 1644 Ano 89

150 anos do Auto de Fé de Barcelona

Lançamento e queima de livros há 150 anos

novembro/2011 - Por Antonio Cesar Perri de Carvalho

No início de 1861, Allan Kardec lançava O Livro dos Médiuns – guia dos médiuns e dos evocadores. No dia 9/10/1861, em Barcelona, foram queimados centenas de livros espíritas, a maioria de autoria do Codificador, inclusive O Livro dos Médiuns.

Um dos últimos Autos de Fé de nossa história, ao queimar os livros espíritas, não conseguiu destruir as ideias e o ideal. Ao contrário, o fogo resultou a fumaça que subiu alto e se esparziu… As ideias, o ideal e a difusão se fortificaram com o ato inquisitorial.

Da mesma forma, as perseguições e incompreensões perpetradas contra médiuns e líderes espíritas ao longo dos tempos, tão somente contribuíram para consolidar registros notáveis de exemplos e de dedicação.

Na atualidade, devemos cultivar o direito de manifestação e o da compreensão da diversidade religiosa, mas também é o momento adequado para se disseminar os princípios espíritas.

O fogo não deve ser empregado para a destruição, mas principalmente para a iluminação, à semelhança da candeia que deve ser colocada “sobre o candeeiro, a fim de que ilumine a todos os que estão na casa” (Mateus, 5:15).

 (do Boletim Informativo CEI, no. 41, p.1, 3º. trimestre de 2011).

Assine a versão impressa
Leia também