Jornal Mundo Espírita

Setembro de 2017 Número 1598 Ano 85

XIII Conferência Estadual Espírita – Mediunidade com Jesus

abril/2011

A maior de todas as Conferências…

Desde 1999, a FEP promove e realiza este extraordinário evento, que reúne milhares de espíritas do Brasil e até do exterior em torno de temas momentosos e de relevante importância para a formação do conhecimento e da cultura dos adeptos do Espiritismo.

Desta feita, Mediunidade com Jesus foi o tema escolhido, em função, principalmente, de resgatarmos as bases kardequianas para um adequado intercâmbio com o mundo espiritual que nos cerca e influencia mais do que podemos supor os nossos pensamentos e ações. Além disso, um outro motivo, que nos impele ao aprofundamento, a fim de não nos tornarmos superficiais, em face da gravidade do assunto, é a crescente popularização da Doutrina Espírita em todos os canais da mídia. Esse crescimento exige que nos equipemos com todos os recursos doutrinários disponibilizados em O Livro dos Médiuns, que completou 150 anos de lançamento em 2011.

Vale destacar que a Conferência Estadual, como aconteceu nos 3 anos anteriores, teve seu início em diversas cidades do Estado. Em 2011, as atividades se iniciaram em Foz do Iguaçu, passando por Londrina e culminando em Curitiba, no Expotrade Pinhais.

Os números impressionantes da XIII CEE

Foram 28 palestras com Divaldo Franco, Raul Teixeira, Sandra Borba, Suely Caldas Schubert, Alberto Almeida e Haroldo Dutra Dias.

Mais de 20 mil pessoas passaram pelo Expotrade Pinhais.

Mais de 8 mil pessoas assistiram, presencialmente, às palestras do interior do estado

800 pessoas em Foz do Iguaçu, 1400 em Cascavel, 320 em Ivaiporã e 1000 em Mandaguari, com Raul Teixeira.

450 em Guarapuava e 300 em Cornélio Procópio, 200 em Apucarana e 200 em Campo Largo, com Suely Caldas Schubert; 2500 em Ponta Grossa, com Divaldo Franco.

400 pessoas em Londrina e 500 em Santo Antonio da Platina, com Sandra Borba.

Pela webradio Fraternidade, mais de 5 mil acessos.

Pela TVCEI, quase 12 mil visitas.

Estima-se que quase 100 mil pessoas assistiram a todas as palestras através de todos os canais disponibilizados.

O ranking das 10 cidades que mais acessaram a TVCEI.com

Curitiba com 3732 visitas; Rio de Janeiro com 628; Belo Horizonte com 549; Maringá com 488; Salvador com 468; São Paulo com 453; Brasília com 334; Cascavel com 312; Recife com 268; Goiânia com 212. Nesse sentido, vale ressaltar a performance de Cascavel, que se iguala a importantes capitais do Brasil e se destaca no próprio cenário paranaense.

O ranking dos 10 países que mais acessaram a TVCEI.com

Brasil com 11 visitas; EUA com 234; Portugal com 169; Japão com 68; Reino Unido com 58; Colômbia com 52; Espanha com 42; Alemanha com 39; Itália com 27; Paraguai com 23.

 

PALESTRAS DOS DIAS 14, 15, 16 E 17 MARÇO DE 2011

O grande desafio – Suely C. Schubert

Cornélio Procópio, 14 de março

Com muita serenidade, Suely Caldas Schubert leva-nos a meditar sobre qual seja nosso maior desafio existencial.

Os caminhos que empreendemos nesta busca, seus revezes e contradições, estão aqui dispostos para uma sincera reflexão, sobre a metodologia de Deus com relação a nossos equívocos. – Qual a dinâmica divina diante de nossos desacertos? Temos um consolador espiritual?

De forma bastante esclarecedora, recebemos nestas colocações e no exemplo maravilhoso do apóstolo Paulo e do amoroso legado do médium Chico Xavier, a claridade necessária à compreensão do que seja o Evangelho e qual seu real sentido em nossas vidas.

A mulher e a Mediunidade – Raul Teixeira

Foz do Iguaçu, 14 de março

Nesta palestra, Raul trouxe ao público, que lotou o salão de convenções do Hotel Foz do Iguaçu, a história de sacrifícios de muitas mulheres que se devotaram à mediunidade com Jesus. Falou, também, da importância da mulher no contexto do Movimento Espírita, do seu papel essencial dentro do lar e da sua importância para o desenvolvimento de uma sociedade mais equilibrada.

Mecanismos da lei de ação e reação – Suely Caldas Schubert

Apucarana, 15 de março

De forma altamente esclarecedora, a conferencista Suely Caldas Schubert vem, através desta mensagem, elucidar-nos sobre os complexos e precisos mecanismos da Lei de ação e reação.

Trazendo-nos questionamentos bastante pertinentes, leva-nos a refletir sobre as experiências dos Espíritos Camilo Castelo Branco e Mário Sobral, em suas escolas espirituais, após o suicídio. Norteando o embate entre ação e reação, expõe-nos este mecanismo complementar, num engenhoso movimento da sabedoria superior.

Desta forma, esta magnífica conferência oferta-nos o despertar de uma consciência libertadora e um caminho de paz, onde o homem é herdeiro de si mesmo, na busca da evolução espiritual e suas competências.

A pedagogia dos flagelos naturais – Raul Teixeira

Cascavel, 15 de março

Nesta espetacular conferência, Raul Teixeira conduziu os ouvintes, de forma inteligente e serena, a vislumbrar nosso planeta em todas as suas peculiaridades, trazendo-nos a compreensão das manifestações existenciais e da necessidade da aprendizagem no lar terrestre.

Na sucessão de catástrofes, somos tomados de sentimentos de perplexidade e impotência que nos levam a questionar: O que estariam a nos dizer episódios como os ocorridos recentemente no Japão? Qual a necessidade destas situações limite para a Humanidade? Como a Espiritualidade se utiliza destes momentos de dor para trabalhar em prol da evolução individual e coletiva?

Maravilhados com os ensinamentos ministrados num planeta ainda de provas e expiações, somos chamados a conhecer com profundidade as intenções do Pedagogo Maior, permitindo-nos uma sensível reflexão sobre a necessidade da dor em nossas vidas.

André Luiz e a vida no mundo espiritual – Suely Caldas Schubert

Guarapuava, 16 de março

Através de uma linguagem clara e dinâmica, Suely faz um agradável passeio pela obra primorosa Nosso Lar, onde poderemos compreender parte do plano espiritual e sua incessante atividade na vinha evolutiva.

Apoiada nas colocações do Espírito André Luiz e nos ensinamentos do Cristo, esta belíssima palestra orienta-nos, proporcionando maiores esclarecimentos sobre o que vem a ser este plano e seus mecanismos de ação e reação.

A continuidade da vida pressupõe um lugar, para que isto aconteça: – Como seria este ambiente? De que forma mantém intercâmbio com a Terra?

Estas maravilhosas questões, dentre outras, foram aclaradas com beleza e segurança pela eminente expositora e médium, a partir de sua larga experiência na Doutrina Espírita.

Enfrentando o sofrimento para crescer – Sandra Borba Pereira

Santo Antônio da Platina, 16 de março

Com profunda sensibilidade e propriedade, Sandra abordou os processos que o homem engendrou na destruição do meio ambiente, como forma natural de coexistir e habitar.

As calamidades que assolam a Humanidade e os meandros dos últimos acontecimentos mundiais são aqui contextualizados de forma a orientar-nos acerca dos infortúnios ocultos e suas razões mais profundas.

Através de narrativas de experiências de vida emocionantes, a conferencista conduziu o público a compreender o poder da superação pessoal diante do sofrimento e a força oriunda da fé segura no Criador que transforma a possível vítima em exemplo resiliente e edificante da força da ressignificação da vida e do amor.

Em torno das expiações coletivas – Raul Teixeira

Ivaiporã, 16 de março

Nesta esclarecedora conferência, Raul Teixeira chama nossa atenção para as diversas tragédias mundiais. Desde as catástrofes naturais e as desencarnações em massa, até as mais complicadas nuanças comportamentais do ser humano.

Estamos num mundo em transformação, e isto é notório, porém tanta dor causa-nos consternação. – Por que estaria Deus a permitir tais coisas? Qual é o objetivo, as razões reais para tudo isto? Pode a Inteligência Suprema do Universo cometer erros?

Com base no questionamento de Kardec acerca de como compreender toda essa dor, no livro Obras Póstumas, na equilibrada resposta do Espírito Clélia Duplantier, vamos obter uma verdadeira e maravilhosa aula sobre a Lei de causa e efeito e os porquês de sua necessidade.

PALESTRAS DO DIA 17 DE MARÇO DE 2011

A vitória da mediunidade, tsunami moral – Divaldo Franco

Ponta Grossa, 17 de março

Atendendo aos seus compromissos doutrinários no Paraná, Divaldo Franco esteve na noite de 17 de março de 2011 em Ponta Grossa. O evento marcou o Centenário do Espiritismo em Ponta Grossa. Várias autoridades do Movimento Espírita local e da Diretoria Executiva da Federação Espírita do Paraná compuseram a mesa diretiva.

Alcione do Carmo Madalosso Vieira, em nome da União Regional Espírita 2ª Região, promotora do evento, prestou uma homenagem aos espíritas que atuaram na região de Ponta Grossa, nominando os pioneiros e precursores do Espiritismo, relembrando fatos e fotos que marcaram as atividades do Espiritismo, desde o ano de 1908, quando da chegada em Ponta Grossa de Hugo Mendes de Borba Reis, um dos expoentes da Doutrina Espírita na Região dos Campos Gerais.

O Semeador de Estrelas Divaldo Pereira Franco apresentou ao público que lotou o Salão Social Arthur João de Maria Ribeiro, do Clube Verde, uma excelente conferência sobre a paranormalidade humana. Com seu verbo eloquente, esclarecedor e sobretudo consolador, o expositor discorreu sobre os diversos estudos realizados por inúmeros pesquisadores que visavam compreender as questões psicológicas e de personalidades múltiplas que algumas pessoas apresentavam.

Friedrich Nietzsche, filósofo alemão; Pierre Janet, psicólogo e neurologista francês; Jean-Martin Charcot, cientista francês; Sigmund Freud, médico neurologista austríaco e fundador da psicanálise; Carl Gustav Jung, psiquiatra suíço e fundador da psicologia analítica; Charles Richet, fisiologista francês, entre outros notáveis investigadores da mente humana, tiveram seus estudos e conclusões apresentados pelo nobre conferencista internacional, o que enriqueceu sobremaneira a abordagem do assunto.

Temas como as dificuldades enfrentadas pela Doutrina Espírita em sua fase inicial; os fenômenos mediúnicos; o automatismo psicológico; as personalidades múltiplas; o subconsciente; a fenomenologia mediúnica constante em O Livro dos Médiuns, de Allan Kardec; foram tratados judiciosamente pelo notável tribuno.

Finalizando sua excelente conferência em comemoração ao Centenário do Espiritismo em

Ponta Grossa/PR, Divaldo Pereira Franco afirmou: …a proposta do Espiritismo, nesta hora grave, é do equilíbrio moral, da nossa transformação para melhor, que nos tornemos melhores pais, melhores parceiros, melhores filhos, melhores amigos, que acalmemos o tsunami de nossas paixões, que realizemos a nossa transformação moral para melhor e que estendamos os braços. É uma inefável alegria, cantando as glórias da vida, bendizendo a honra de viver. Oh meu Deus! Que imensa alegria me infunde a tua mensagem.

Pela inigualável conferência, o público, que se manteve atento e participativo, aplaudiu demoradamente o intrépido tribuno baiano.

Jesus e os fenômenos mediúnicos no Monte Tabor – Suely Caldas Schubert

Campo Largo, 17 de março

Através de um breve trecho do Evangelho segundo Mateus, Suely nos propõe uma proveitosa reflexão a fim de conduzir-nos a compreender a mediunidade crística.

O intercâmbio entre o Mestre e Deus, numa relação vibracional íntima, mostra-nos a maravilhosa mediunidade do Cristo.

Explanando sobre o fenômeno mediúnico de transfiguração do médium, a conferencista nos envolve na cena no Monte Tabor, onde Jesus realiza uma interação mediúnica com Moisés e Elias, auxiliado por seus discípulos.

Na beleza dessa imagem, Suely Caldas Schubert nos orienta a compreender o fenômeno do Monte Tabor em consonância com os fenômenos na reunião mediúnica, dando-nos uma premissa para compreensão da estrutura mediúnica e suas nuanças mais profundas.

Refletindo sobre a intolerância religiosa – Sandra Borba Pereira

Londrina, 17 de março

Nesta sensível conferência, Sandra Borba nos posiciona diante da violência imposta pela intolerância. Aturdidos pela drogadição, prostituição, sequestros e outros flagelos físico-morais, Sandra pontua as aflições humanas e suas consequências.

De forma bastante clara e bem humorada, ela traz à tona as dificuldades do ser humano em aceitar o diferente, promovendo a intolerância de gênero e demais inadequações que dificultam a convivência humana e a paz mundial.

A perplexidade da intolerância, até mesmo entre os religiosos, e a dificuldade de renovação das criaturas para os beneméritos da caridade são aqui contextualizadas para apreciação e aprendizagem espiritual de todos nós.

Nossa relação com os Espíritos – Raul Teixeira

Mandaguari, 17 de março

De forma magistral, Raul Teixeira sensibiliza-nos nesta mensagem quando apresenta a monumental obra O Livro dos Médiuns. Manifestando a importância desse livro, o conferencista nos conduz à compreensão da dinâmica da mediunidade e suas consequências.

Analisando as manifestações mediúnicas através de todos os tempos, da mitologia aos nossos dias, expõe-nos a materialização dos seres espirituais por diversas culturas e povos, através dos inúmeros deuses reverenciados.

Apontando a influência profunda dos Espíritos e sua regência em diversos acontecimentos de nossas existências, esta mensagem renova os votos da responsabilidade mediúnica, perante um planeta em plena transformação, promovendo uma consciência apta à evolução.

ATIVIDADES DO DIA 18 DE MARÇO DE 2011

Expotrade Pinhais, Região Metropolitana de Curitiba

A XIII Conferência Estadual Espírita, promovida pela Federação Espírita do Paraná, com o título Mediunidade com Jesus, teve o seu ponto de culminância nos dias 18, 19 e 20 de março de 2011, nas dependências da Expotrade, localizada em Pinhais, região metropolitana de Curitiba/PR. No período de 14 a 17 de março, a XIII Conferência Estadual Espírita, com execução descentralizada, foi levada a algumas regiões do interior do Paraná, quando, então, expositores de renome apresentaram a proposta espírita dentro da temática Mediunidade com Jesus.

Em noite magnífica do dia 18 de março, a XIII Conferência Estadual Espírita foi aberta solenemente com a presença de todos os conferencistas e autoridades do Movimento Espírita Brasileiro e do Paraguai. Destaque para a presença do Presidente da Federação Espírita Brasileira e Secretário do Conselho Espírita Internacional, Nestor João Masotti; do Prefeito de Pinhais, Luiz Goularte Alves e do Presidente da Federação Espírita do Paraguai, Milciades Lescano.

Preparando o ambiente deste magnífico trabalho e a harmonia entre os assistentes, estimados em dez mil, o maestro e compositor Plínio Oliveira, com a sua Orquestra da Paz, apresentou um belíssimo momento musical. O Secretário da Comissão Regional Sul da Federação Espírita Brasileira e Presidente da Federação Espírita do Paraná, Francisco Ferraz Batista, apresentou suas boas-vindas, desejando uma feliz participação, confraternizando-se.

Nestor João Masotti proferiu breves palavras sobre o atual momento vivenciado no Planeta Terra e a contribuição da Doutrina Espírita para a sua transformação em mundo de regeneração. Destacou a profunda admiração da Federação Espírita Brasileira pelo trabalho que estava sendo desenvolvido, saudando todos os presentes e demais assistentes, tanto pelo rádio quanto pela televisão e pela internet.

Antes da conferência de abertura, proferida por Divaldo Pereira Franco, foi apresentado um vídeo institucional da Federação Espírita do Paraná enaltecendo as atividades desenvolvidas ao longo dos 108 anos de existência da Federativa.

ATIVIDADES DO DIA 18 DE MARÇO DE 2011

Conferência de Divaldo Franco

O nobre conferencista, natural de Feira de Santana/BA, apresentou o tema Mediunidade com Jesus. Inicialmente destacou que a História é a pedra de toque que desgasta o tempo e revela a verdade. Historiou a caminhada da Humanidade e o trabalho de notáveis pensadores, filósofos e profetas, realizada no transcurso dos milênios, catalogando as experiências psíquicas e de natureza mediúnica.

Destacou o trabalho realizado por Dante Alighieri, as experiências vivenciadas por Emanuel Swedenborg, pelo Papa Pio V, pelo Cardeal Eugênio Pacelli, entre outros. Relatando episódios anímicos e mediúnicos, Divaldo Franco ressaltou, conforme Allan Kardec, que a mediunidade é uma faculdade orgânica inerente a todas as criaturas humanas. Exaltou o trabalho do Codificador da Doutrina Espírita que examinou a mediunidade com apurado senso crítico, organizando e escrevendo O Livro dos Médiuns, salientando ser esse livro um verdadeiro tratado de ciência experimental.

Allan Kardec, continuou Divaldo, estabeleceu as bases com que a mediunidade deve ser exercida e os princípios éticos e morais que devem balizar a conduta dos medianeiros. O Livro dos Médiuns é a diretriz básica para a compreensão dos fenômenos mediúnicos, oferecendo sólidas bases para as atividades nas Sociedades Espíritas. É o guia seguro.

A mediunidade com Jesus é o trabalho de caridade. Neste momento de transição, a mediunidade está contribuindo, através de médiuns capazes, fornecendo importantes informações para a transformação da Humanidade e para a libertação do Espírito de seus atavismos, asseverou Divaldo Franco.

Exortou para que se coloque o amor acima de qualquer vicissitude e, se for possível, toda vez que se tenha uma grande problemática, que se ore a Deus, pedindo-lhe a inspiração necessária. A mediunidade com Jesus vai nos ensinar a carregar os que sofrem em nossos braços, a ter paciência, compaixão e misericórdia, pois aquele que encontra Jesus nunca mais será o mesmo, concluiu o expositor de renome internacional.

O público, reconhecendo a importância do trabalho e a relevância das informações apresentadas pelo nobre tribuno, aplaudiu-o de pé demoradamente.

ATIVIDADES DO DIA 19 DE MARÇO DE 2011

Seminário de Suely Caldas Schubert

Obsessão, Terapêutica e Prevenção com Jesus foi o tema desenvolvido pela expositora de Juiz de Fora/MG. Suely, com seu verbo inspirado e profundo, conhecedora da mediunidade e do tema que lhe foi proposto, trabalhou sua argumentação, inicialmente, com base em O Livro dos Médiuns e em A Gênese, Cap. XIV, ambos de Allan Kardec.

Discorreu sobre o texto de Marcos V, 9; sobre as informações de Manoel Philomeno de Miranda, contidas no prefácio do livro Obsessão/Desobsessão, de sua autoria. Afirmou Suely Schubert que a obsessão realmente grassa de forma epidêmica. Como premissa básica para a reflexão que é proposta, a expositora destacou a capacidade da mente humana, uma verdadeira estação transmissora e receptora, e que essa sintonia acontece de forma natural, sem que a criatura perceba. Tudo decorre dos pensamentos, seja qual for o seu teor.

Para elucidar o que predispõe às obsessões, Suely buscou informações em O Livro dos Espíritos, questão 459 e O Livro dos Médiuns, item 252, salientado que são as imperfeições morais que abrem campo para as influenciações de Espíritos que desejam assediar a criatura humana. O fator preponderante é o próprio Espírito e o fator predisponente são as circunstâncias da vida, as imperfeições morais.

Suely Caldas Schubert alicerçou seu raciocínio a respeito das predisposições obsessivas no Cap. XXVIII, item 81, de O Evangelho segundo o Espiritismo no Cap. XIV, item 45 de A Gênese e em Dias Gloriosos, de Joanna de Ângelis/Divaldo Franco.

Discorreu sobre os tipos de obsessão catalogados por Allan Kardec: simples, fascinação e subjugação, e sobre as informações de Bezerra de Menezes, encontradas no livro Dramas da Obsessão, de Yvonne do Amaral Pereira.

Como acontece o processo obsessivo; quais são os meios de combatê-lo e controle mental foram outros assuntos ricamente explanados com base em Marcos, Cap. 13, 33; em Reencontro com a Vida, de Manoel Philomeno de Miranda/Divaldo Franco; O Livro dos Espíritos, questão 621; e nas informações de Eurípides Barsanulfo encontradas nas pág. 253 e 254 do livro Tormentos da Obsessão, de autoria de Manoel Philomeno de Miranda/Divaldo Franco.

Enfatizou a estimada expositora de Juiz de Fora, que a mudança de pensamentos, a prece, o exercício da vontade, a transformação moral em todos os aspectos, a terapia da caridade, libertam a criatura dos grilhões da obsessão. O atendimento fraterno, a autodesobsessão, a fluidoterapia, o atendimento à família, quando ela admite, as reuniões de desobsessão, a participação nos estudos regulares, a prática da caridade, quando assim desejar o envolvido no processo obsessivo, e as reuniões públicas, são recursos espíritas para os casos de obsessões.

Suely Caldas Schubert, inspirada como sempre, encerrou seu magnífico trabalho recitando o texto de Joanna de Ângelis intitulado Amorterapia. Aplaudida com grande intensidade, agradeceu a oportunidade de trabalho.

Conferência de Alberto Almeida

Alberto Almeida, conferencista de Belém/PA, apresentou o tema Mediunidade nas Relações Interpessoais. O profitente espírita paraense explorou, com propriedade, a interação entre os dois mundos e a influência na vida das criaturas com base na questão 459 de O Livro dos Espíritos, de Allan Kardec.

Apresentou, para que o entendimento se ampliasse, a definição de médium, de acordo com o exposto por Allan Kardec no Cap. XIV de O Livro do Médiuns. Ressaltou que a mediunidade, de forma geral, se apresenta no cotidiano de cada criatura humana e que a influência dos Espíritos se faz presente diuturnamente na vida dos indivíduos.

A mediunidade favorece a percepção do mundo espiritual e esse mundo dos Espíritos é fulgurante. Consubstanciando essa afirmativa, Alberto Almeida narrou as experiências vivenciadas pela família Prado, em Belém/PA, a mediunidade de efeitos físicos de Ana Prado, as sessões de materializações.

O fenômeno mediúnico é a ponte, a possibilidade de crescimento, de caridade, de serviço em benefício dos carentes de toda ordem. Os médiuns podem estar sintonizados com os bons Espíritos, mas também ocorre a conexão com os Espíritos menos bons. É necessário estar muito vigilante, porquanto entre os dois mundos, o material e o espiritual, está o médium, que precisa saber identificar a índole do Espírito.

No cotidiano, o médium deve estar muito atento para não viabilizar a conexão com os Espíritos só porque eles queiram. Quando isso se estabelece, quase sempre surgem distúrbios na área da mediunidade, caminhando na direção das perturbações obsessivas e dos quadros psiquiátricos.

Afirmou o notável expositor que Allan Kardec e Jesus são os dois termos que compõem a equação que dá a solução para uma mediunidade vitoriosa. Em determinadas circunstâncias e afastados, os médiuns do Evangelho de Jesus podem experimentar situações desagradáveis, inclusive de ordem orgânica, entrando em processo de obsessão, sendo instrumentos de interferências inferiores no campo familiar ou profissional e podendo tornar-se, na Instituição Espírita, agente das sombras.

É a invigilância abrindo campo para as perturbações espirituais. Destacou Alberto Almeida a orientação do Evangelista Marcos: analisar, vigiar e orar. São três faces que estão interconectadas. É mister fazer um aprofundamento na apreciação, observando as orientações de Jesus, tão longe do homem hodierno.

Alberto Almeida encerrou sua conferência declamando um poema que a todos encantou. O público, agradecendo sua valiosa contribuição para o aclaramento das relações interpessoais através da mediunidade, aplaudiu-o de pé.

ATIVIDADES DO DIA 19 DE MARÇO DE 2011

Conferência de Haroldo Dutra Dias

O conferencista mineiro de Belo Horizonte, Haroldo Dutra Dias, apresentou o tema Mediunidade nos Evangelhos. Iniciou sua explanação pela proibição contida em Deuteronômio, afirmando que não se proíbe condutas impossíveis, ficando claro que a mediunidade, o intercâmbio com o mundo espiritual, era praticada pelos contemporâneos de Moisés. Salientou Haroldo que o direito só proíbe condutas reprováveis e recidivas. Este fato é o primeiro marco da imortalidade da alma.

Enriqueceu o entendimento apresentando a justificativa a essa proibição oferecida por Emmanuel na questão 274 de O Consolador, psicografado por Chico Xavier, ficando claros os seus motivos. Ampliando um pouco mais, apoiou-se, também, no livro Mediunidade e Sintonia, de Emmanuel/Chico Xavier, dizendo que cada estágio de evolução da Humanidade exige um missionário com características próprias.

O Profeta Joel, no Cap. 2: 28 a 32 profetiza que nos tempos finais a luz da espiritualidade alcançaria os encarnados.

Na questão 382 de O Consolador, Emmanuel apresenta a verdadeira definição de mediunidade: A mediunidade é uma fresta de luz que se abre, esta porta de esperança que se abre para toda a Humanidade, garantindo a certeza da imortalidade da alma.

Haroldo destacou que o Evangelho é uma riqueza de manifestação espiritual. O Evangelho é espírito puro, é a palavra eterna da Lei Divina, falando ao coração dos seres humanos.

Com relação à prudência de Jesus sobre a mediunidade, o orador buscou o esclarecimento em Mateus 17: 9 e Marcos 9: 9, elucidando que Jesus pediu discrição, notadamente com relação à transfiguração do monte Tabor, onde Moisés e Elias se manifestaram. Desse episódio destacou a lição importante legada a todos os médiuns, que mediunidade é algo sério, que exige seriedade, discrição e prudência.

Cada um é instrumento das forças que sintoniza. Mediunidade sem Jesus é um grande risco. Cada um possui relações afetivas com o mundo espiritual.

Destacou que a mediunidade, no Novo Testamento, no próprio Cristianismo, é a verdadeira mediunidade que torna a criatura livre, que conscientiza sobre a imortalidade, sobre os potenciais espirituais e que a coloca em contato com o Criador.

Os aplausos irromperam fortes e demorados, oferecendo ao jovem conferencista os agradecimentos pelo muito que soube transmitir.

Conferência de Sandra Borba Pereira

Natural do Rio Grande do Norte, Sandra Borba Pereira, oradora destacada, apresentou o tema Mediunidade na Perspectiva da Educação. Baseou a sua abordagem em quatro questões.

1. Por que a mediunidade deve ser educada?

2. Em que bases deve ser proposta a educação da mediunidade?

3. Que caminhos e estratégias podem fornecer essa educação?

4. Que resultados pode proporcionar uma educação da mediunidade?

Respondeu à primeira indagação apresentando as informações contidas no livro Ação e Reação, de André Luiz/Chico Xavier; em Estudos Espíritas, de Joanna de Ângelis/Divaldo Franco e em O Livro dos Médiuns, Cap. XVIII e XX, de Allan Kardec.

Para responder à segunda questão, a expositora buscou apoio no Cap. XX de O Livro dos Médiuns, em Seara dos Médiuns, Cap. 71, de Emmanuel/Chico Xavier; na questão 459 de O Livro dos Espíritos e no Cap. 5 de No Invisível, de Léon Denis.

A terceira questão norteadora foi respondida com base em Sementeira da Fraternidade, Cap. 25, de Manoel P. de Miranda/Divaldo Franco; na questão 919 de O Livro dos Espíritos; no Cap. 3 do livro Nos Domínios da Mediunidade, de André Luiz/Chico Xavier e na questão 387 de O Consolador, de Emmanuel/Chico Xavier.

A quarta proposição foi alicerçada pela brilhante expositora potiguar nas obras Desobsessão, Cap. 25, de André Luiz/Chico Xavier e Waldo Vieira; no Cap. XX de O Livro dos Médiuns e em Emmanuel, de Emmanuel/Chico Xavier.

Destacou a guisa de conclusão, a seguinte afirmação de Emmanuel: Não é a mediunidade que te distingue, é aquilo que fazes dela. Sandra Borba Pereira adiu, ainda, que ao fazer a luz brilhar diante dos homens, a criatura está no processo da educação que cada um pode realizar em si mesmo, construindo a harmonização consigo, com o próximo e com Deus.

O público, de pé e vivamente atento, aplaudiu calorosamente a expositora potiguar.

Seminário com Divaldo Pereira Franco

O arauto do Evangelho, Divaldo Pereira Franco, assomando novamente à tribuna, apresentou o tema Transtornos Mediúnicos. Expôs dados históricos, orientando os assistentes, ávidos de informações, para a compreensão da melancolia, ou transtorno maníaco-depressivo. Ilustrando, apresentou dados sobre algumas personalidades e o correspondente estudo do comportamento que apresentavam, sob a óptica dos estudiosos do comportamento humano.

Os episódios de mediunidade de proeminentes nomes da História Universal e da Bíblia foram expostos para ampliar o entendimento e compreensão dos transtornos mediúnicos. Em Jesus se dá o clímax da mediunidade, dos fenômenos mediúnicos, estabelecendo a necessidade de o indivíduo se vincular a Deus a fim de se tornar instrumento da Divindade na condução do mundo. Ressaltou o notável expositor, que nas atividades de Jesus, em seu Ministério de amor e perdão, esclarecendo e consolando tantos quantos lhe buscavam ajuda, sempre estava presente o aspecto mediúnico.

Enriquecendo sua mensagem, Divaldo falou sobre as perseguições e martírios dos médiuns durante a Idade Média; sobre as obsessões na mediunidade catalogadas por Allan Kardec; as obsessões coletivas; os transtornos de ordem mediúnica; o período típico de transição que a Humanidade experimenta na atualidade.

Chamou a atenção para o fato de que as obsessões possuem muitas sutilezas, valendo-se de ciladas bem urdidas. Como antídoto, devem os médiuns buscar a harmonia com entidades lúcidas, afastando-se das vilanias de que são portadores aquelas equivocadas, porém, sublinha o conferencista, o maior antídoto contra as obsessões é a prática do bem. O exercício da mediunidade deve se tornar uma história de renúncia, de trabalho no bem, de esforço em transformar-se intimamente, de elevação do padrão mental, com lucidez e equilíbrio.

A Doutrina Espírita, informou Divaldo, é a presença do Cristo Jesus na vida das criaturas, abrindo a possibilidade para a ampliação dos horizontes inefáveis do amor. Desenvolver a ação da solidariedade, da fraternidade, da caridade, do bem, é a única alternativa que encaminha a criatura para a plenitude. Diante das dificuldades de toda ordem, ensina o Professor Divaldo que a criatura não deve queixar-se, mas fazer um pacto com o amor, pedindo as bênçãos de Deus e buscando melhorar-se.

O público, tomado de emoção, dedicou-lhe uma vibrante salva de palmas.

ATIVIDADES DO DIA 19 DE MARÇO DE 2011

Homenagem Musical a Divaldo Franco

A homenagem a Divaldo Pereira Franco foi conduzida pelo coordenador do Setor de Artes da Federação Espírita do Paraná, o maestro e compositor Plínio Oliveira.

O espetáculo, intitulado Estrela Solitária, foi apresentado por Plínio Oliveira e Orquestra da Paz, com as seguintes canções: Será Melhor; O Amor; Onde Está Você?; Clara Estrela; Depois da Tempestade; Jequitibá; Semente de Amor; O Que é Que Eu Faço?; O Fim da Tarde; e Estrela Solitária.

Composto por essas belíssimas canções, o espetáculo falou ao coração e fez com que as emoções e sentimentos aflorassem, transfundindo energias que a todos beneficiaram, e, sobretudo estimulou o afloramento do amor, ágape inigualável.

Conferência de Raul Teixeira

Espiritismo e Mediunidade foi o tema desenvolvido pelo conferencista de Niterói/RJ, Professor José Raul Teixeira. Apresentando estudos de antropólogos, o conferencista elucidou que os Espíritos estão em toda parte, mesmo em grupos que não têm nada a ver com as crenças cristãs; que a mediunidade é conhecida e aceita por todos os povos, independente da conceituação filosófica/religiosa.

Os pesquisadores constataram a presença dos Espíritos em todas as partes do mundo e em todas as épocas, bem como a faculdade mediúnica daí decorrente. Graças à existência dos Espíritos e de criaturas encarnadas, há o intercâmbio entre os dois planos da vida. Discorreu, o brilhante expositor, sobre os fenômenos subjetivos e objetivos da mediunidade.

Segundo São Luís, em O Livro dos Médiuns, a figura do médium é de pouca importância para o mundo espiritual. O expositor alinhou algumas ideias, tais como: A mediunidade, segundo o Espiritismo, só existe após a codificação realizada por Allan Kardec. Jesus sempre cuidou dos doentes e necessitados, atendendo seu rebanho sem a necessidade de médiuns. São os médiuns que necessitam de Jesus Cristo. A reunião mediúnica é uma sala de aula onde os participantes aprendem com as experiências daqueles que se comunicam com os encarnados.

A faculdade mediúnica não depende da moralidade, pois o médium pode ser possuidor de excelente faculdade, mas dedicá-la ao mal. Há, porém, excelentes médiuns dedicados ao bem, auxiliares lídimos de Jesus Cristo. O Espiritismo faz compreender que o bom médium é, também, um bom indivíduo. Enfatizou Raul Teixeira que é importante o aprimoramento moral do médium, a fim de tornar-se uma criatura nobre, mais apta a sintonizar com as entidades esclarecidas.

A responsabilidade com a mediunidade, a comunhão de pensamentos, o silêncio mental, são fatores primordiais para se alcançar um bom resultado na reunião mediúnica. A mediunidade é uma escola para se aprimorar no bem. Dar oportunidade para Espíritos se comunicarem é um fato banal, porém, a mediunidade segundo o Espiritismo é um exercício de lucidez, de transformação moral ante as grandes revelações que nos transmitem os Espíritos incorpóreos.

A mediunidade com Jesus, com o Espiritismo, vai auxiliando o médium a superar, passo a passo, as suas dificuldades.

Finalizada a conferência, José Raul Teixeira recebeu o carinho do público que o aplaudiu de pé demoradamente.

ATIVIDADES DO DIA 20 DE MARÇO DE 2011

Conferência de Sandra Borba Pereira

Sandra Borba Pereira, desenvolvendo o seu segundo trabalho na XIII Conferência Estadual Espírita, apresentou o tema Fenômeno Mediúnico Através dos Tempos. Iniciou sua abordagem narrando alguns episódios da vida de Santa Tereza D’Ávila, contados por Chico Xavier.

O fenômeno da mediunidade não é exclusividade da Doutrina Espírita. A mediunidade é de todos os séculos e de todos os povos, segundo Léon Denis. Sobre esta assertiva, Sandra Borba disse que desde o mediunismo primitivo, o homem se encontra em relação com os Espíritos que participavam da vida dos encarnados. Eles se apresentavam em todos os tipos de cultos, imiscuindo-se em todas as atividades. Tudo alicerçado em dados históricos que a versátil expositora apresentou.

Sandra Borba, relembrando passagens evangélicas, demonstrou a presença dos Espíritos

nos Evangelhos, bem como as dificuldades enfrentadas pelos médiuns na Idade Média e início da Moderna, quando eram taxados de praticantes de atos demoníacos. Comentou, enriquecendo o entendimento, a mediunidade dos santos e a mediunidade investigativa da contemporaneidade. A partir das investigações de Allan Kardec, agora em novas bases de cunho moral e de conhecimento, a mediunidade saiu da condição em que havia sido colocada, isto é, escondida, estigmatizada, para a evidência no cotidiano, demonstrando a imortalidade da alma, frisou.

Graças ao trabalho de Allan Kardec, a mediunidade passou a ser objeto de estudo e pesquisa. Com a publicação de O Livro dos Médiuns, Kardec traça um roteiro seguro para o exercício da mediunidade. Na prática mediúnica responsável, em todas as áreas, passa o médium a dignificá-la, a praticá-la de forma orientada, pelo exercício do bem, da caridade, com cunho moral elevado e com zelo, de conformidade com a Doutrina Espírita. Assim finalizou o seu trabalho. Sandra Borba Pereira recebeu o afago do público que lhe chegou através dos calorosos e demorados aplausos.

ATIVIDADES DO DIA 20 DE MARÇO DE 2011

Conferência de Alberto Almeida

O conferencista paraense Alberto Almeida retornou ao palco para expor o tema Mediunidade e Saúde. Iniciou sua explanação comentando a questão 474 de O Livro dos Espíritos, dizendo ser uma questão emblemática, pois há, segundo Allan Kardec, epilépticos ou loucos que precisam mais de médico do que de exorcismos. Sobre esta afirmativa, Alberto Almeida informou que os Espíritas precisam resgatar o conteúdo kardequiano.

Em O Livro dos Médiuns, Cap. IV, há pelo menos treze explicações para o fenômeno mediúnico. Ao lado de posições menos sérias, a autenticidade do fenômeno mediúnico é incontestável.

Afirmou o lúcido conferencista que nós, os espiritistas, somos convidados, na atualidade, a sermos coerentes e nos mantermos sintônicos com o Codificador, a fim de não assumirmos um comportamento de cunho fanatizante, de fundamentalismo científico ou religioso, muito comum nos Centros Espíritas, bem como nos meios acadêmicos ou religiosos.

Há a necessidade de se discernir o verdadeiro fenômeno mediúnico daqueles de ordem psicopatológica; de diferenciar as questões da mediunidade autêntica daqueles de outra ordem.

É de fundamental importância identificar se o fenômeno tem origem obsessiva, de alucinação, de delírio histérico, de fundo psicopatológico, psiquiátrico ou de fraude, advertiu o conferencista.

Os dotados de psiquismo sensível precisam ser orientados para não se fatigarem emocionalmente, dando-se um trato adequado para cada caso. Há necessidade de se ter muita atenção para compreender, discernir. A proposta do Espiritismo não é de curar o corpo, mas de cuidar do Espírito. O Espiritismo não veio para disputar com a Medicina; não veio concorrer com a academia de Parapsicologia; não veio negar o conteúdo das ciências. Ele veio dar-nos as mãos, deixando que cada um se ocupe com o seu mister, afirmou.

Finalizou sua brilhante exposição dizendo que a mediunidade se nos afigura como uma bênção do Divino. Em vez de, enquanto religiosos sectários vê-la como algo demoníaco, temos que encará-la como uma bênção concedida àqueles que fracassaram desastradamente, oferecendo-lhes a possibilidade de se harmonizarem com a Lei Divina, concluiu o conferencista, encerrando sua participação na XIII Conferência Estadual Espírita.

Em agradecimento, o público aplaudiu-o demoradamente.

Conferência de Raul Teixeira

O notável conferencista de Niterói/RJ, Raul Teixeira, apresentou o Seminário intitulado Perigos e Inconvenientes da Mediunidade. Iniciou a sua abordagem com a passagem do profeta Joel, no Velho Testamento, Cap. 3: 1, discorrendo sobre o seu conteúdo, elucidando o entendimento.

Depois, no item 159 de O Livro dos Médiuns, apresentou e detalhou a definição de médium, adindo que as diversidades da mediunidade são tantas quantos são os indivíduos. Raul Teixeira abordou a questão do desenvolvimento da mediunidade, anotada por Allan Kardec no item 200 do mesmo livro acima. A faculdade mediúnica é para que a criatura se liberte, se emancipe e não para que se comprometa. Ela auxilia a entender por que sofremos, a compreender as causas das aflições e das dores.

Do item 222 da obra em tela, extraiu o conferencista as informações que judiciosamente comentou, elucidando as questões das tramas dos Espíritos enganadores, dos que iludem. Asseverou que a faculdade mediúnica não deve ser desenvolvida para resolver problemas. Ela, em si mesma, não retira o sofrimento de ninguém.

As questões envolvendo as pessoas frágeis, débeis, excêntricas, que apresentem fragilidade das faculdades mentais foi outro ponto importante abordado pelo notável expositor, que alertou para os cuidados que se deve ter para com essas pessoas sensíveis, não convindo excitá-las. Outro ponto importante foi o do desenvolvimento da mediunidade em crianças. Alertou para que os pais ajam com prudência quando envolvidos por processos mediúnicos em seus filhos.

Sobre a idade para o exercício regular da mediunidade, Raul Teixeira informou que não há idade precisa, porquanto isso depende do desenvolvimento físico, ético, moral, de sua necessária maturidade. Há a necessidade de o jovem renunciar, fazer opções positivas para o bem, servir à mediunidade. Tudo está submetido ao temperamento e o caráter do jovem.

A mediunidade com Jesus é uma expressão que indica mediunidade a serviço do bem, mediunidade a serviço do amor, a serviço da dignidade humana. Desta forma, Raul finalizou, de forma magistral, o seu trabalho nesta expressiva XIII Conferência Estadual Espírita.

Pelo excelente trabalho apresentado, Raul Teixeira recebeu caloroso e demorado aplauso dos participantes.

Assine a versão impressa
Leia também