Jornal Mundo Espírita

Setembro de 2019 Número 1622 Ano 87

Viver e não ter vergonha de ser feliz!

setembro/2017

Desde o seu lançamento, a música O que é, o que é [1982], do cantor e compositor Gonzaguinha, que contém a afirmativa de que a vida é bonita e é bonita, tem sido expressão artística que cumpre o seu papel de expressar ao mundo o bem e o belo.

Da mesma forma que essa música nos instiga a refletir e celebrar a vida, a Doutrina Espírita deve ser levada como alegre canção aos ouvidos e corações dos nossos jovens, revelando-lhes a beleza da sabedoria, da bondade e da justiça divina, auxiliando-os a encontrar respostas para perguntas que, muito provavelmente, ressoem em seu íntimo questionador, como a que é proposta pelo compositor: E a vida? E a vida o que é, diga lá, meu irmão?

O Espiritismo é revelação divina aos homens; um presente que nos é ofertado para nos auxiliar a decifrarmos o enigma da vida, para melhor compreendermos seu sentido, para nos fortalecermos ante as adversidades, para promover o ser humano na sua condição de Espírito imortal, filho de Deus. Deve, portanto, cumprindo seu papel de Consolador Prometido por Jesus, auxiliar na compreensão da vida como dádiva divina, sopro do Criador, numa atitude repleta de amor, segundo a própria canção.

Com o conhecimento espírita fica muito mais leve para o jovem cantar a beleza de ser um eterno aprendiz, pois passa a compreender a existência no corpo físico como parte de um processo de aprendizado na grande escola da vida, onde somos todos alunos sujeitos a erros e acertos, sob o amparo constante do Grande Mestre que é Jesus e que estará sempre conosco, auxiliando e retomando a lição a cada vez que se faça necessária.

Com essa visão, o jovem poderá vivenciar em maior plenitude não a tristeza ou frustração do erro ou do não saber, mas a alegria da possibilidade do aprendizado, da conquista e da realização.

Muito provavelmente também o jovem pense que a vida devia ser bem melhor e a Doutrina Espírita o auxiliará a ter certeza de que realmente será. Conhecendo e compreendendo a Lei de Progresso perceberá que as dificuldades são transitórias, que tudo caminha para a melhoria, que tudo progride incessantemente e que, neste momento evolutivo da Humanidade, que habita o planeta Terra, a alternância entre alegria e lamento é natural; que estamos expiando um passado de equívocos e que temos de provar as nossas conquistas evolutivas através do esforço e da resignação ante os percalços do caminho e dos desafios que se nos apresentem.

A vida é maravilha em que o sofrimento é bênção divina para o despertamento de Espíritos adormecidos que ainda somos ante as verdades espirituais.

Sob a perspectiva da imortalidade da alma, por mais que momentos de dificuldade pareçam intermináveis, que tenha a momentânea sensação de que realizações pareçam quase impossíveis de serem alcançadas, terá também a plena noção de que a vida é uma gota, é um tempo, que nem dá um segundo e, portanto, deve ser muito bem aproveitada. Cada segundo, cada minuto, cada hora, é oportunidade preciosa de conquista e realização na caminhada evolutiva, que precisa ser valorizada, através de escolhas mais conscientes sobre o que realmente é importante ser vivido.

Da mesma forma, toda dúvida, dor,  crise, serão breves e oportunos momentos de crescimento e aprendizado para o Espírito imortal.

Com o conhecimento das leis divinas perceberá, ainda, a responsabilidade perante a sua vida e também daqueles que convivem no mesmo meio onde esteja inserido, sejam sua família, sua escola, sua cidade, seu país. Verá a si mesmo como agente transformador, capaz de ser melhor a cada dia e, por consequência, com a capacidade de melhorar o ambiente onde vive, responsável pela construção de um futuro mais ditoso ou infeliz, segundo as suas ações atuais, colhendo segundo a sua semeadura, conforme a lei de causa e efeito, percebendo que somos nós que fazemos a vida, como der, ou puder, ou quiser, de acordo com a nossa vontade.

Através dessas e de muitas outras reflexões que a Doutrina Espírita nos proporciona, temos de acolher e envolver os nossos jovens de forma a lhes permitir cada vez mais descobrir a imensa alegria de viver e não ter a vergonha de ser feliz. Não ter a vergonha de se expressar, de questionar, de expor suas dúvidas, seu pensamento; de ser diferente, de ousar ser feliz respeitando a si mesmo e o seu próximo, respeitando suas limitações, seus equívocos, como também valorizando suas conquistas.

A Doutrina Espírita é poderoso recurso para que os jovens possam valorizar ao máximo as suas vidas e, mesmo ante toda a desigualdade ainda existente, ante a aparente injustiça prevalente no mundo, ter a certeza e a coragem de viver cada dia reafirmando para si mesmos que esta é a vida! E que é bonita e é bonita!

Assine a versão impressa
Leia também