Jornal Mundo Espírita

Abril de 2020 Número 1629 Ano 88
Notícias das URES Envie para um amigo Imprimir

Vila Esperança

Maio/2010

Histórico:

O Centro Espírita Amor e Caridade, através de seu Departamento Assistencial, formou uma equipe para visitas a comunidades carentes. Durante aproximadamente 10 anos, esse grupo visitou famílias que moravam na Vila Entre-Rios, chamada popularmente

Vila Miséria, devido à preocupante condição socioeconômica e cultural daquele grupo de pessoas, objetivando sua reintegração social, vivência familiar digna e abandono da vida marginal que levavam.

As casas, se assim se poderia chamar, eram toscas, feitas de lascas de madeira, cobertas com pedaços de lonas e plásticos. Os moradores faziam uso, para tudo, da água do braço do rio que ladeava a vila, sem a menor condição higiênico-sanitária. A situação se agravava sobremaneira com as enchentes periódicas.

O Grupo Espírita, ciente das necessidades daquela população, se mobilizou para remanejar as famílias daquele local, e lançou o projeto de construção da Vila Esperança, consistindo na construção de 28 casas, com infraestrutura sanitária e organização social. As casas são compostas de três peças e banheiro, com quintal e cerca de madeira delimitando a área de cada família. Há também uma Casa Transitória, onde se desenvolvem trabalhos sociais, religiosos e oficinas de diversos trabalhos educativos.

A pedra fundamental do projeto foi lançada em maio de 1995, e com doações oriundas de diversos segmentos da sociedade local, inclusive do terreno, as casas foram construídas e no dia 08 de agosto de 1998 foi inaugurada a Vila Esperança e entregue aos moradores, em regime de comodato, obedecendo a critérios estabelecidos pelo Centro Espírita Amor e Caridade.

A união dos trabalhadores, da Sociedade e colaboradores em geral em torno deste ato fraterno foi a grande marca da construção da Vila Esperança.

Objetivos Gerais e Específicos dos trabalhos desenvolvidos na Vila Esperança

Valores morais e religiosos são a meta de trabalho naquele local. As famílias são trabalhadas incessantemente para sua reintegração social. A educação das crianças, calcada nos valores da família, é a meta primordial.

Desenvolve-se também uma horta comunitária e os moradores dispõem de uma quadra de areia devidamente cercada. Espíritas voluntários ministram cursos de trabalhos manuais e prestam atendimento médico e odontológico aos moradores da vila.

Em conjunto com a comunidade em geral, são ministradas aulas de alfabetização para adultos e reforço escolar para as crianças. Na Casa Transitória também se faz a sopa semanal, em parceria com a Prefeitura, almoços e confraternizações, visando sempre o aprendizado social.

A meta primordial é a reintegração social, através da educação básica, social e moral. Os recursos materiais para esse trabalho são oriundos de donativos da comunidade, bem como de almoços e outras promoções de voluntários. Nossa comunidade sempre nos honra com sua valiosa cooperação.

Hoje vivem na Vila Esperança 70 crianças e 60 adultos.

 

Atividades doutrinárias, sociais e outras, realizadas na Vila Esperança

Evangelização

As crianças são divididas em quatros faixas etárias e o DIJ do CEAC ministra evangelização às crianças e jovens à tarde, após o horário da escola.

Coral

O Coral Vozes da Esperança é integrado pelas crianças da Vila.

Atividades Esportivas

Vôlei das meninas e futebol dos meninos, todos os sábados, coordenados pelo José Carlos e Ari, ambos da 15ª URE, incentivando a cooperação e participação em grupos.

Artesanato

Ministrado por voluntárias não espíritas e coordenado pela Eliane, nas segundas-feiras à tarde, com exposição anual e realização de bazar para venda dos trabalhos. A renda é revertida em favor das próprias mulheres da vila e na manutenção dos próprios trabalhos.

Passe

Pelo grupo do CEAC, todas as terças-feiras, às 19h30 horas, com exposição doutrinária de fácil entendimento, devido à pouca vivência espírita dos moradores. Aconselhamento moral como: viver em harmonia, boas relações sociais, educação dos filhos, cooperação, etc…

Evangelho no Lar

Realizado nas terças-feiras pelos voluntários espíritas, nas casas visitadas. Essas visitas também incentivam o hábito da oração e bons hábitos no lar.

Caravana Bezerra de Menezes

Sopa semanal, com legumes e verduras doados por voluntários e em parceria com a Prefeitura. Visa as boas relações sociais, aprender a repartir e respeito aos vizinhos.

Horta comunitária

Ensina a cultivar a horta doméstica, como fonte de alimentação e ocupação do tempo livre das pessoas, revertendo em benefício da própria família.

Outras atividades, normas e benefícios

Divisão dos trabalhos de manutenção dos jardins e das ruas, pelos moradores, com escala de voluntários.

As casas são cedidas em sistema de comodato. Os moradores não podem ter animais; devem cuidar do imóvel e não podem acomodar pessoas que não sejam da família. Devem pagar a conta de energia elétrica e de água, se tiverem possibilidade; caso contrário, o CEAC arca com essa despesa.

São acolhidas preferencialmente famílias com crianças, pois a recondução moral e valores educacionais visam a construção de futuras famílias estruturadas moralmente, retirando-as da marginalidade, do uso de drogas e da prostituição.

Regulamento interno para manter a ordem social: som alto, festas, bebidas alcoólicas são restritos.

Realização do Natal da Vila Esperança, com doação de cesta básica de Natal, com frango, panetone, ovos e produtos para alimentação e higiene.

Distribuição de brinquedos para crianças, de acordo com a faixa etária. Nesse dia são apresentadas atividades pelas crianças, monitoradas pelas doutrinadoras e a casa é enfeitada para o Natal, com a presença do Papai Noel.

Assistência médica e odontológica realizada por voluntários, espíritas ou não, em consultório dentro da casa transitória Bezerra de Menezes.

Assine a versão impressa
Leia também