Jornal Mundo Espírita

Julho de 2019 Número 1620 Ano 87

Uma bela história sem fim

dezembro/2007

A notícia vinha da cidade de Belém, não se falava em outra coisa e corria rápida! Diziam que naquela noite, os animais estavam todos mais calmos, o céu era todo bordado de estrelas, e o perfume do ar era uma deliciosa mistura de fragrâncias. A brisa tocava de leve as pétalas das flores e os galhos das árvores. Não se ouvia nenhum barulhinho, estava tudo tão quieto…

E na cidade…

É uma noite especial! Diziam alguns.

Ele nasceu! Diziam outros.

É um lindo menino de olhos azuis! Anunciavam.

Vejam! Que grande brilho nos céus! Exclamavam.

E a história espalhou-se rapidamente, por todas os lugares:

Em Belém nasceu um menino, pobre e simples em uma estrebaria. Foi colocado numa manjedoura, assim que nasceu e teve por visitantes alguns animais que lhe aqueceram o frio estábulo, e ainda as lindas e brilhantes estrelas do céu que anunciavam Sua chegada.

Era impossível não saber. De boca a ouvido, todos falavam a respeito daquela humilde família.

É verdade! Seus pais, José e Maria, escolheram um belo nome para aquele bebê.

Jesus!

Em todos os cantos diziam que Ele seria o grande guerreiro que iria salvar o povo da escravidão, iria mostrar a todos a liberdade, e uma vida melhor.

Uma bela história contam da vida de Jesus!

Ele não foi assim um grande guerreiro como imaginavam, mas alguém que ensinou a paz. Um Homem que falava sobre coisas tão lindas! Que conviveu com tantas pessoas: pobres, doentes, pescadores. E a todos ensinava sobre Deus, um Pai bom e justo que ama a todos os Seus filhos. Dizia da fidelidade ao bem, e fazia o bem. Falava sobre sermos todos irmãos, e amava a todos igualmente.

Jesus contava tantas histórias, todos queriam estar com Ele, e ouvir o que tinha para dizer e ensinar. Muitos O seguiram. E era tão amoroso com todos: adultos, crianças, homens e mulheres, jovens e velhos.

Esta história foi contada a tantos e tantos anos atrás, e foi dita de um, para o outro e para o outro até que chegou aqui, e agora você vai contar para o outro e para o outro e para o outro…

Departamento de Infância e Juventude da FEP

Assine a versão impressa
Leia também