Jornal Mundo Espírita

Julho de 2019 Número 1620 Ano 87

Um homem de bem

dezembro/2015

Nilson de Souza Pereira nasceu em Salvador, BA, em 26 de outubro de 1924 e desencarnou em 21 de novembro de 2013, na mesma cidade, aos 89 anos. Tio Nilson, como era carinhosamente chamado, fundou juntamente com o médium Divaldo Pereira Franco, no dia 7 de setembro de 1947, o Centro Espírita Caminho da Redenção e, em 15 de agosto de 1952, o braço social da instituição, a Mansão do Caminho.

A respeito de Nilson, em entrevista ao Jornal de Espiritismo, de Portugal (edição março/abril 2014), falou Divaldo:

Nilson foi, na Terra, um homem jovial e encantador, dedicado ao trabalho do bem desde que travou contato com o Espiritismo, no ano de 1945. Na ocasião era marinheiro, posteriormente telegrafista dos Correios e, por fim, bancário, em cujo labor aposentou-se.
Portador de uma dedicação incomum, era considerado o homem dos sete instrumentos, pela sua capacidade de exercer as mais variadas funções em nossa Instituição [Mansão do Caminho], consertando tudo quanto lhe chegava às mãos. Responsável pela edificação de todo o conjunto de casas, departamentos e residências da comunidade Mansão do Caminho, instalações elétricas, água e serviços gerais. Antes de tornar-se espírita, aos vinte e três anos de idade, teve namoradas e quase ficou noivo. Posteriormente entregou-se totalmente à obra de amor e quase não dispôs de tempo para materializar outras aspirações. Era alegre e jovial, mas sério e responsável, sendo muito respeitado e amado.

Em razão do seu caráter de homem de bem, jamais se apresentava, mantendo-se sempre discreto em todas as situações, em Salvador ou viajando pelo mundo. Era-me, no entanto, o grande apoio, a solidariedade, o concurso amigo para quaisquer situações. Embora de formação cultural primária, escrevia muito bem e falava com correção de linguagem. Era um verdadeiro espírita, conforme o conceito apresentado por Allan Kardec.

Havíamos combinado que, ao ocorrer qualquer problema com um de nós, o outro continuaria no trabalho. Desse modo, durante toda a sua enfermidade final, eu mantive a programação de viagens e os compromissos firmados, indo ao Hospital para acompanhá-lo nas demais horas. Quando ele desencarnou, eu me encontrava em viagem e prossegui, não havendo participado do seu sepultamento. Ao concluir o labor e retornar, fui diretamente ao cemitério orar junto à sua tumba, sem extravasar a imensa dor que me dominava e ainda permanece mais suavizada. Nesse ínterim, após a desencarnação, tive uma visão dele, quando do nosso Movimento Você e a Paz: ele apareceu-me amparado pela Benfeitora Joanna de Ângelis e acenou-me sorrindo. Posteriormente, num momento de profunda reflexão e dor, ouvi-lhe a voz, que me disse: Di, não quero você triste nem deprimido. A sua alegria é importante para auxiliar outras pessoas…
Em 19 de agosto de 2015, na reunião mediúnica do Centro Espírita Caminho da Redenção, pela psicofonia de Divaldo, manifestou-se o homem de bem, nos seguintes termos:

 

Que a paz de Jesus permaneça conosco!

Estes são dias próprios para a evolução da criatura humana.

Aproveito de uma pausa entre as comunicações dos sofredores para abraçar os companheiros de luta que se encontram em nossa Casa com abnegação e devotamento.

Falar de saudade seria demonstrar insensibilidade ao amor de Deus que me faculta carinhoso apoio, dos benfeitores queridos, dos familiares devotados e dos amigos que me antecederam na volta ao Grande Lar.

Nada obstante, quanta saudade!…

Uma longa existência carnal impõe ao Espírito hábitos que se prolongam além do corpo, na Erraticidade. As recordações avolumam-se e as lágrimas teimam em descer pela comporta dos olhos porque são também feitas de gratidão.

Gratidão à fidelidade dos seus corações, segurando a charrua e trabalhando o solo das existências despedaçadas.

Estamos convidados para implantar o Reino de Deus na Terra.
Neste momento, forças satânicas estão ceifando vidas cristãs nas cidades conquistadas. Através da degola repetem os dantescos espetáculos do passado.
Jesus prossegue odiado por uns, desconhecido por outros e negligenciado por aqueles que O conhecem.

Não por nós, que O amamos, porque Ele nos arrancou do cativeiro das paixões inferiores e acenou-nos com plenitude.

Sigamos pacientes, confiantes!

Momento de crise é período que anuncia mudança.

Toda mudança produz estranheza e faz-se desafio. Não façamos parte dos grupos que gritam, que blasfemam, que promovem anarquia…

Sejamos servidores de Jesus onde e quando se nos faça necessário.
Seja a Casa que Ele nos confiou um recanto seguro de paz para aqueles que a sociedade excluiu do seu grupo e nos acostumamos com a miséria em que se encontram.

Mantenhamos aceso o ideal da fraternidade e nunca nos arrependeremos de havermos sido gentis, cordatos, pacíficos e pacificadores.

Os dias sucedem-se, mas o Mestre é o mesmo. Ainda estamos em Cafarnaum escutando-Lhe a voz e preparando-nos para os grandes caminhos que nos cumpre percorrer…

Irmãos queridos, exoro as bênçãos divinas para todos, a fim de que tenham coragem, a coragem do amor, que nunca titubeia e jamais fracassa.

Abraçando os corações queridos, o velho amigo e companheiro de lutas entre os sofredores,

Nilson

Assine a versão impressa
Leia também