Jornal Mundo Espírita

Setembro de 2019 Número 1622 Ano 87
Notícias das URES Envie para um amigo Imprimir

Trabalhadores em ação

abril/2009

Cesar Luiz Kloss

1)      Em que ano você se tornou espírita?

Minha encarnação ocorreu numa família espírita, portanto sou espírita desde 1951.

 2)      O que o levou ao Espiritismo?

Desde quando estava no ventre materno já era conduzido às atividades espíritas. Meus pais foram uns dos pioneiros na estruturação e manutenção do C.E. Antônio de Pádua conduziram-me naturalmente a evangelização infanto-juvenil e hoje, agradeço a Deus e a Eles por conhecer a Doutrina Espírita e estar participando do Movimento Espírita Federativo do Paraná.

3)      Que cidades integram a sua Regional e quantos centros espíritas existem nela?

A União Regional Espírita Metropolitana Norte abrange a região norte de Curitiba e cidades circunvizinhas. A URE/Norte atende bairros como:- Bacacheri, Bairro Alto, Ahú, Mercês,Santa Felicidade, Alto da XV, São Braz, Bigorrilho, Centro, entre outros.

Cidades da região metropolitana como:- Colombo, Almirante Tamandaré, Bocaiúva do Sul, Campina Grande do Sul, Tunas do Paraná, Cerro Azul, Dr. Ulisses e Adrianópolis.

Possui 27 casas filiadas e 4 não filiadas.

4)      Como você avalia a importância das Uniões Regionais, como instrumento de Unificação em nosso Estado?

As Uniões Regionais são de fundamental importância para o trabalho de Unificação.

Unificar significa reunir num só todo, fazendo convergir para um só fim. O trabalho que as UREs realizam como braços auxiliares da Federativa facilita a reunião de valores para a melhor difusão e propagação do pensamento dos Espíritos, pensamentos coletados e comentados pelo insuperável Mestre lionês, definindo os rumos seguros e elevados de cada um, no campo de serviço onde foi situado.

5)      Em sua opinião, o sistema federativo atende plenamente às necessidades do Movimento no Brasil e nos Estados?

Acredito que o Sistema Federativo em nível nacional e estadual atende as necessidades do Movimento Espírita. Pelo menos observo o esforço dos dirigentes da FEB e da FEP em desenvolver atividades no sentido de realizar e manter, permanentemente, o trabalho de unificação do Movimento Espírita, através da união das Casa Espíritas e dos próprios espíritas, para que, cada vez mais fortalecidos, coloquem ao alcance e a serviço de todos a mensagem que consola, esclarece e orienta oferecida pela Doutrina Espírita. No entanto, temos que cuidar para que o personalismo e o interesse próprio venham atrapalhar a Unificação do Movimento Espírita.

6)      O que mais falta, em seu conceito, ao melhor funcionamento das casas espíritas?

A conscientização dos trabalhadores e dirigentes das Casas Espíritas da necessidade de participarem de treinamentos, seminários e outras atividades oferecidas pela FEP ou outra Federativa objetivando melhorar o desempenho de nossas atividades na Casa Espírita. A participação em eventos faz com que as pessoas se conheçam melhor, se confraternizem e possam reflexionar sobre a proposta da nossa veneranda “Joanna de Ângelis” que propõem HUMANIZAR, QUALIFICAR e ESPIRITIZAR para melhor funcionamento das Casas Espíritas.

7)      O “Amai-vos e instruí-vos” está sendo devidamente considerado?

Do ponto de vista da organização federativa, há um excelente trabalho no sentido de fomentar este princípio. É claro, que uma virtude de tal magnitude e um objetivo de tamanha grandeza, se alcance ao longo dos tempos. O atual estágio de nossa encarnação exige-nos ainda um esforço de enfrentamento íntimo muito amplo, nossa sociedade é formada por homens que temos muito a nos aprimorar. Portanto, a consolidação deste postulado, está sendo construída, no tempo devido de cada ser e de cada instituição.

8)      É importante a integral fidelidade aos princípios doutrinários, como se depreende das obras básicas de Allan Kardec?

A unificação que depende essencialmente da união das criaturas, daquele verbo AMAR, daquela colocação estribada na tolerância, isto ainda não foi logrado pelos motivos óbvios, as nossas imperfeições, que dificultam a marcha da nossa união e as conseqüências em nossa unificação doutrinária.

O trabalho da nossa Federativa e de abnegados irmãos que se dedicam exaustivamente em divulgar a Doutrina Espírita tem alcançado os objetivos do “Instruí-vos”, vai depender exclusivamente de nós participarmos, atendendo ao chamado.

9)      Você vê avanços significativos em nosso Movimento?

Com certeza! Se olharmos para o passado veremos o trabalho louvável e de grande esforço deixado pelos antigos trabalhadores de nossa Federativa. Eles nos deixaram os alicerces e algumas alvenarias deste grande edifício que é o Movimento Federativo Estadual, cumpre-nos continuar construindo. Percebemos que está se procurando dinamizar e fortalecer o Movimento Espírita.

10)   Dê sugestões para eventuais melhoras de nossas atividades.

Penso que cultivarmos os laços de união que já nos envolve e trabalharmos para fortalecê-lo cada vez mais. Para isso é necessário incrementar programas de aproximação entre as Casas Espíritas e a Federativa.

O trabalho que a nossa Federação Espírita do Paraná realiza é muito louvável (inter-regionais, treinamentos, conferências, seminários, encontros e outros), temos que nos engajar participando com afinco dessas atividades, convivendo com as diferenças do Espírito Encarnado sem desvirtuar a Doutrina Espírita.

 

professor aposentado da Universidade Tecnológica Federal do Paraná,
na área de Construção Civil. Atualmente responde pela vice-presidente do
Centro Espírita Antônio de Pádua e é presidente de URE Metropolitana Norte.

Assine a versão impressa
Leia também