Jornal Mundo Espírita

Julho de 2019 Número 1620 Ano 87

Trabalhadores do DIJ em ação

janeiro/2011

Ângela Maria Marzullo Torres

1 – Como Diretora do DIJ da 9ª URE, qual a sua visão da tarefa de evangelização?

Orientar crianças e jovens com base no Evangelho de Jesus, para que se sintam seguros e confiantes no mundo atual.

2 – Em sua opinião, qual seria a tarefa principal de um diretor de DIJ?

Conscientizar os trabalhadores das Casas Espíritas sobre a importância das sementes lançadas pelo DIJ. Assim feito e conseguido, teremos novos palestrantes, novos evangelizadores e novos trabalhadores.

3 – Pode o DIJ trabalhar sem o auxílio dos pais?

Não. É necessária e importante esta união (evangelizadores e pais). Se falarem a mesma linguagem, com certeza conseguiremos, como resultado, pessoas melhores e confiantes no futuro.

4 – Como os Cursos/Treinamentos poderão auxiliar os evangelizadores e coordenadores de juventudes?

Dar continuidade aos trabalhos desenvolvidos nas reuniões, nos encontros, ou seja, otimizar o que já está sendo feito.

5 – A FEP vem cumprindo a tarefa de dinamizar os DIJs/UREs? Como?

Sim, principalmente com a oportunidade de levarmos nas reuniões trimestrais nossos companheiros multiplicadores. O convívio com companheiros de outras UREs é, também, bastante enriquecedor.

6 – Deixe aqui sua mensagem aos evangelizadores e coordenadores de juventudes.

Estar no DIJ, mesmo com os prós e os contras é ser privilegiada. Que possamos aproveitar, nessa Seara do Mestre, o compromisso que temos com essa tarefa tão gratificante e dignificante.

Assine a versão impressa
Leia também