Jornal Mundo Espírita

Setembro de 2019 Número 1622 Ano 87
Sugestão de Leitura Envie para um amigo Imprimir

Todos precisam de paz na alma

maio/2015 - Por Marco Antonio Negrão

O livro, psicografado por Raul Teixeira, pelo Espírito Benedita Maria, foi lançado durante a XVII Conferência Estadual Espírita – CEE, no Expotrade, em Pinhais, no dia 13 de março de 2015.

A obra ocasionou intensa movimentação no estande da Editora Fráter, montado na área de livrarias da CEE, marcante evento do movimento espírita paranaense e nacional.

As mensagens desse livro foram psicografadas pelo médium, em período anterior ao do Acidente Vascular Cerebral – AVC, que o acometeu em novembro de 2011. Os originais ficaram guardados, no aguardo de conclusão, que se deu com as comunicações do Espírito Camilo Todos precisam de paz na alma e do Espírito Benedita Maria Obrigada, Senhor!, que abrem as páginas dessa obra. Essas mensagens foram recepcionadas em 22 de setembro e 1º de outubro de 2014, respectivamente.

Numa linguagem simples e objetiva, a Benfeitora Benedita Maria oferta-nos inspiradas meditações para que possamos bem compreender temas como nosso papel no mundo, nossas relação com os outros, nossa busca pela maturidade, nossas crenças e suas consequências, temas para os quais o ser humano vem buscando respostas que nem sempre são encontradas a contento.

Todos precisamos de paz  para podermos trabalhar nossas dificuldades íntimas, nossas imperfeições pois, como dizem os Irmãos da Luz, estamos fadados à perfeição. Nossa caminhada nos levará a atingirmos a perfeição moral e para que isso ocorra temos que dominar as tendências que nos afastam da Luz.

A obra nos leva a refletir sobre o Nosso papel no mundo. Benedita Maria, de maneira muito própria, aborda temas como À procura de si mesmo; Nada nem ninguém nos pertence; Papéis que assumimos na vida e Trabalhe sem exageros.

Ao tratar da Nossa relação com os outros, conduz à meditação sobre a necessidade de nos mantermos equilibrados e como nos tornarmos pessoas de bem.

São quarenta capítulos palpitantes, todos com uma característica definida: não foram escritos para os outros, incluem-nos nas reflexões. Ou seja, conduz-nos  a pensar no que precisamos fazer para termos um mundo melhor e  não o que os outros precisam realizar para esse mesmo objetivo.

Isso faz toda a diferença, pois todos fazemos parte do problema e também parte da solução.

No capítulo Nossas tarefas inadiáveis, no tema A nossa transformação, a Benfeitora Espiritual argumenta:

Não há o que se discutir com relação ao bem-estar que nos oferece a zona de conforto em que nos situamos, nos diversos setores da vida terrena.

Existe em cada um de nós uma taxa de comodismo que nos leva a crer que “está bom do jeito que está”, seja o que for, até que comecemos a sofrer com o jeito velho…

A grande verdade, no entanto, é que nenhuma pessoa vem ao mundo para manter todas as coisas como estão ou como sempre foram. Viemos empreender mudanças que nos permitam dar passos à frente no caminho do aperfeiçoamento para Deus.

Todos temos compromissos com a renovação de nós próprios e do mundo em nosso redor. Basta que o nosso olhar procure alcançar a saga dos humanos, desde a gruta à oca, à palafita, às tendas, até aos gigantescos condomínios residenciais, verticais ou não, testemunhando a sede de transformação que temos.

Cabe-nos, pois, procurar a própria transformação para melhor, fazendo esforços para superar limites, para ascender sempre mais alto, em todas as esferas da nossa atuação, sem nenhum interesse em prejudicar ou em diminuir os nossos semelhantes.

A nossa missão maior no mundo tem a ver com a evolução que temos que alcançar, buscando ser perfeitos como perfeito é o nosso Pai Celestial, como ensinou Jesus ao falar-nos sobre o poder transformador que tem o tempo submetido à vontade, em cada um de nós.

Ao lermos este importante alerta da veneranda Benfeitora, nos lembramos do comentário que está inscrito em O Evangelho segundo o Espiritismo, capítulo IX, Bem-Aventurados os que são brandos e pacíficos, no item 10, no qual  o Espírito Hahnemann faz exposição belíssima, que mostra a necessidade de nos modificarmos:

Todas as virtudes e todos os vícios são inerentes ao Espírito. A não ser assim, onde estariam o mérito e a responsabilidade? O homem deformado não pode tornar-se direito, porque o Espírito nisso não pode atuar; mas, pode modificar o que é do Espírito, quando o quer com vontade firme. Não vos mostra a experiência, a vós espíritas, até onde é capaz de ir o poder da vontade, pelas transformações verdadeiramente miraculosas que se operam sob as vossas vistas? Compenetrai- vos, pois, de que o homem não se conserva vicioso, senão porque quer permanecer vicioso; de que aquele que queira corrigir-se sempre o pode. De outro modo, não existiria para o homem a lei do progresso.

Por fim, tenhamos em mente que toda a renda obtida na venda do livro é revertida para a obra social Remanso Fraterno, departamento da Sociedade Espírita Fraternidade, em Niterói, RJ, que atende crianças em situação de vulnerabilidade ou risco social, oferecendo educação formal de qualidade e desenvolvendo ações socioassistenciais e grupos socioseducativos, visando ao fortalecimento dos vínculos familiares e comunitários.

 

Assine a versão impressa
Leia também