Jornal Mundo Espírita

Julho de 2019 Número 1620 Ano 87

Simplicidade

setembro/2015 - Por Antônio Moris Cury

Há diferentes definições e sentidos para a palavra simplicidade, a começar por ser a qualidade de simples (Dicionário Escolar da Língua Portuguesa da Academia Brasileira de Letras, 2ª edição da Companhia Editora Nacional, 2012, página 1182).

Como é bom tratar e se relacionar com pessoas simples, sem melindres, sem afetações, despretensiosas, descomplicadas, humildes.

A propósito, há quem ache que ser humilde é, por exemplo, andar de chinelo (geralmente utilizado para uso doméstico), roupa suja, cabelo desalinhado. Com o máximo respeito, isto não é ser humilde, mas relaxado, é não ter cuidado com a própria aparência. Entretanto, é importante que desde logo fique bem claro: não há qualquer problema em se usar sempre o mesmo calçado e a mesma roupa, mas com asseio.

A nosso juízo, a criatura verdadeiramente humilde revela, exatamente por esta razão, evidente sinal de sabedoria e inteligência. Por quê? Simplesmente porque, assim, estará sempre aberta a novos aprendizados em toda e qualquer área. Além disso, tem consciência de que sabe pouco, por mais que saiba, diante do enorme, do gigante conhecimento disponível na Terra nos campos das ciências, das filosofias, das religiões, das artes, das letras e, sobretudo, quando compara o seu com o conhecimento disponível no Universo, que não é cristalizado, uma vez que há notícias, informações e descobertas praticamente todos os dias.

Não foi por acaso que Sócrates, o grande filósofo grego [considerado por muitos o Pai da Filosofia e que, assim como Jesus, nada deixou escrito], disse: Só sei que nada sei.

Sócrates nada sabia? É claro que não. Sabia, e muito. Apenas tinha consciência, plena consciência, de que era pequeno o seu saber diante do conhecimento que o Universo oferecia àquela época, cerca de quinhentos anos antes de Jesus, o Cristo, diga-se de passagem.

Aliás, vale relembrar que foi Jesus, Modelo e Guia da Humanidade, nosso Mestre e Amigo de todas as horas, quem disse: Meu Pai trabalha até agora, e Eu trabalho também [Novo Testamento, João, capítulo 5º, versículo 17], significando, em outras palavras, que Deus e Seu filho Jesus trabalham sempre, de forma contínua, de tal modo que o conhecimento produzido é permanente, daí a importância da humildade para a obtenção de novos aprendizados.

Quem conhece um pouco, seja do que for, sendo verdadeiramente humilde, não usará esse conhecimento para humilhar ou constranger quem quer que seja, e muito menos para se exibir. Tampouco terá postura arrogante ou prepotente, porquanto tal comportamento é incompatível com quem sabe, ainda que pouco saiba.

Todos os seres sabem algo, sejam letrados ou iletrados. Com efeito, como bem o sabemos, vivemos na Terra em regime de interdependência, razão pela qual, e como o próprio vocábulo o indica, dependemos todos uns dos outros, com o que há equilíbrio nas relações humanas e sociais.

Por outro lado, a simplicidade pode ser conquistada. Como toda virtude, demanda algum tempo e depende de nós, de nossa vontade firme, de determinação, de esforço e de muita disciplina, até que passe a fazer parte integrante e inseparável de cada um de nós, consolidada, o que é perfeitamente factível.  A educação é o conjunto dos hábitos adquiridos, afirmou com precisão o professor Hippolyte Léon Denizard Rivail, o nosso Allan Kardec, em comentário pessoal lançado logo após a resposta dada à questão 685 de O Livro dos Espíritos, a obra fundamental do Espiritismo.

Também convém destacar que a estada de Jesus na Terra, durante todo o período em que aqui esteve, foi uma maravilhosa e verdadeira lição de simplicidade.

A veneranda Doutrina Espírita, em O Livro dos Espíritos, sua mais importante obra, informa que Deus ama a simplicidade em tudo. O homem que se atém às exterioridades e não ao coração é um Espírito de vistas acanhadas. Dizei, em consciência, se Deus deve atender mais à forma do que ao fundo (parte da resposta à questão 673).

Nesta mesma questão, na primeira linha de sua resposta, está dito com todas as letras: Deus abençoa sempre os que fazem o bem.

Assim sendo, é muitíssimo importante que nos perguntemos: se Deus abençoa sempre os que fazem o Bem e ama a simplicidade em tudo, como devemos agir e ser em nosso dia a dia?

Assine a versão impressa
Leia também