Jornal Mundo Espírita

Janeiro de 2020 Número 1626 Ano 87

Rogativa do culpado

julho/2006

Desejo pedir-te perdão pelo mal que te fiz.

Infelizmente, naquela ocasião, eu me encontrava infeliz, inimizado comigo mesmo, sem a capacidade de discernir entre o bem e o mal, o que deveria e o que não me era lícito fazer.

Reconheço hoje que te magoei, com a minha insolência e desequilíbrio, proporcionando-te sofrimentos desnecessários.

Assine a versão impressa
Leia também