Jornal Mundo Espírita

Janeiro de 2021 Número 1638 Ano 88

Repensando o natal

novembro/2009

Despede-se a primavera com os cálidos beijos de um sol abrasador, anunciando a chegada do verão.

Dezembro!

A euforia se apossa dos corações!

Uma alegria incontida, contagiante, invade lares, clubes, ruas, shoppings, sob o embalo de melodias natalinas insistentemente tocadas pelos meios televisivos e radiofônicos.

Férias escolares, descanso profissional, 13º salário abarrotam lojas enfeitadas com arranjos de cores vibrantes e vendedores animados.

Promessas e abraços fraternais se renovam, deixando para trás recordações indesejáveis.

Nada tão verdadeiro! Se possível, todos gostariam de eternizar esses momentos.

Mas, há um lado sombrio! A ingestão de bebidas alcoólicas atinge níveis alarmantes. Multiplicam-se, assustadores, acidentes e agressões de trânsito. Mesas, excessivamente fartas, raiam pelo desperdício. O consumismo incontrolável faz-se forja geradora de stress e perturbação…

Árvores de Natal lampejam na intimidade dos lares, guardando, sob seus galhos artificiais, os presentes carinhosamente escolhidos para os que se amam, entregues com o espocar do champanhe e imenso alarido, sem limites. O coma alcoólico ganha números preocupantes. A ausência do Sublime Homenageado, Nosso Senhor Jesus Cristo, faz-se sentir.

A grande maioria da população não promove culto evangélico, não ora, não medita, não aprofunda conhecimentos, não busca reduzir os abusos que as estatísticas denunciam.

Diante desses fatos, cabe-nos repensar o Natal, antes que se consolidem absurdos, em nome daquele que é símbolo máximo de equilíbrio e sobriedade.

Ele, o Divino Amigo, ceava costumeiramente com apóstolos e discípulos, em ambiente de alegria construtiva e simplicidade comovente.

Que a memória do Senhor, com a lembrança de suas propostas éticas de renovação humana, possa conduzir-nos, sempre, para a verdadeira felicidade, na busca da comunhão com Deus.

Assine a versão impressa
Leia também