Jornal Mundo Espírita

Setembro de 2019 Número 1622 Ano 87

Quem cuida de mim

outubro/2019

Uma escola no Estado de São Paulo teve uma ideia inusitada: substituir as tradicionais comemorações do Dia das mães e Dia dos pais, pelo que chamaram de Dia de quem cuida de mim.

A iniciativa é louvável, de acolhimento e respeito a todos, desde que muitas crianças não têm um dos pais e ficavam constrangidas, nesses dias.

Na prática, o colégio apenas trocou o nome da celebração usual e criou em seu calendário dois dias anuais especiais para homenagear os homens ou mulheres que cuidam das crianças, abraçando também as diferentes constituições familiares.

Percebíamos que com a chegada das tradicionais celebrações familiares, aqueles alunos que não têm mãe ou pai, ou que não podem conviver com eles, ficavam muito tristes por não ter nenhum deles na plateia.

Então, trocamos para o dia de quem cuida de mim. Todos se sentem integrados, as crianças estão mais confiantes – conta a vice-diretora da instituição.

A escola tem alunos com idade entre seis e dez anos.

O Dia de quem cuida de mim é uma festa aberta a todos, pais, mães, avós, tios, irmãos ou quem a criança deseje convidar e homenagear.

*   *   *

Quem cuidou de você? Busque em sua lembrança quais foram as principais pessoas que fizeram parte desse primeiro período de cuidados, que lhe deram atenção, carinho, amparo.

Lembre da pessoa ou das pessoas que se dedicaram para que você estivesse onde está hoje. Quem abdicou de sua vida ou de parte dela para que você pudesse crescer.

Alguns lembraremos da figura materna ou paterna. Mas outros, talvez, incluam alguns personagens diferentes.

Quem sabe alguém lembre de uma avó querida, que fez papel de mãe, ou de uma tia ou tio que o acolheu com profundo amor.

Outros podem recordar de alguém que trabalhava na casa, uma governanta, uma cuidadora, uma babá. Almas bondosas que criaram vínculo precioso nos primeiros momentos de vida na Terra. Vínculos inesquecíveis.

Quem sabe alguém recorde de um professor que foi apoio primordial em certos anos de sua existência. Alguém que o apadrinhou para o seu projeto de vida, que lhe custeou os estudos, o incentivou de forma especial.

Todos fomos cuidados por alguém. A fragilidade da nova existência corpórea nos faz completamente dependentes de outros. Alguém teve que assumir esse honrado labor.

Cuidar é estar presente, é conhecer a fundo, é participar da vida, dos momentos ruins e bons.

Cuidar é, por vezes, ter que suportar o outro, pois somos seres imperfeitos e nossas deficiências morais incomodam, machucam.

Cuidar é partilhar, é doar e doar-se sem exigir nada em troca.

Guardemos alguns momentos em nossa prece diária para homenagear quem cuidou ou cuida de nós.

Não deixemos de agradecer, não deixemos de ser reconhecidos. Nada pior que a ingratidão.

Cuidemos também de manter esse laço tão belo criado no tempo, que nos dá forças e coragem para continuar.

Quem cuidou de nós é parte do que hoje nos tornamos.

Quem cuidou de nós começou escrevendo nossa história junto conosco. Uma elaboração a quatro mãos.

Redação do Momento Espírita, com base em reportagem
 do site sonoticiaboa.com.br de 12 de maio de 2019.
Em 2.10.2019.

Assine a versão impressa
Leia também