Jornal Mundo Espírita

Setembro de 2019 Número 1622 Ano 87

Qualificação do trabalhador espírita

abril/2016

E quanto fizerdes, por palavras ou por obras, fazei tudo em nome do Senhor Jesus, dando por Ele graças a Deus e Pai. – Paulo (Colossenses, 3:17)

Saberes institucionais históricos e curriculares foi o tema dos dois módulos que deram início ao Curso de Qualificação, em 2015. No primeiro, foi realizado um nivelamento de conhecimentos, retomando os participantes alguns conteúdos trabalhados nas Uniões Regionais Espíritas – UREs, na Fase 2 desse grandioso Projeto, abordando: histórico da Evangelização Espírita no Brasil; Movimento Espírita e suas diretrizes; Pacto Áureo; importância do Movimento Federativo e documentos, currículos DIJ-FEB e DIJ-FEP.

No segundo módulo, foram estudados e debatidos:  Organização e funcionamento da evangelização espírita infantojuvenil no Centro Espírita; Funcionamento no Setor da Infância e Juventude; Atribuições do Diretor do DIJ e dos coordenadores da Infância e da Juventude; Organização das informações e as Diretrizes do Plano de Trabalho para o Movimento Espírita Brasileiro na Área da Infância e Juventude 2012-2017, na tentativa de nivelar o conhecimento dos participantes.

Nos dias 20 e 21 de fevereiro do ano em curso, os multiplicadores dos DIJs das UREs estiveram, no Recanto Lins de Vasconcellos, para o terceiro módulo, no qual  as atividades foram distribuídas em três grandes eixos: Saberes ético-morais; Saberes contextuais e Saberes didático-pedagógicos.

Organizados em tópicos, abordaram:

O evangelizador. Partindo do pressuposto de que o evangelizador é um servidor de Jesus, o conteúdo foi apresentado diante do que se compreende como seu trabalho, como pode e deve desenvolver as atividades para acolher o evangelizando e organizar as ações, a partir de uma metodologia que vise manter, pelo amor, todos aqueles que são encaminhados para a evangelização.

O evangelizador se torna, direta ou indiretamente, referência aos evangelizandos. Para tanto, há necessidade de aplicar a pedagogia do Mestre e ensinar, evidentemente, pelo exemplo, como um tarefeiro fiel, criando vínculos afetivos com evangelizandos e suas famílias, para que o processo ensino-aprendizagem flua com amor fraternal e responsabilidade doutrinária.

Tratadas, ainda, suas obrigações como trabalhador da instituição espírita, realizando registros das atividades, para organizar e documentar o seu desenvolvimento, identificando, de forma mais ampla, o evangelizando e sua família, a fim de facilitar a organização pedagógica.

O evangelizando. Exposição das suas peculiaridades de desenvolvimento físico/cognitivo, possibilitando a compreensão de respeito por cada fase etária e a consequente necessidade de que o evangelizador disponha de materiais/documentos sobre ele, sua família, a fim de que o possa conhecer.

Trabalhados elementos para o maior despertamento do interesse dos evangelizadores pelo conhecimento, a partir dos estudos, que não ficam circunscritos à Doutrina, mas buscam complemento em outras áreas, para atender às necessidades multifacetadas que batem à porta do Centro Espírita, em todos os setores. No DIJ, isso se mostra nos seres mais vulneráveis e com maior carência de orientação: as crianças e os jovens.

A família. Ressaltada a sua importância,  esclarecendo a urgência da atualização sobre novas composições familiares para que o Centro Espírita passe a acolher a todos que chegam, sem tabus, preconceitos/ou discriminação. Para isso, a dimensão familiar foi discutida e argumentada, a partir de dramatizações e ações de fatos do cotidiano, direcionando-se num debate sobre o que o Centro Espírita deve fazer com toda essa demanda que lhe chega às portas.

Encerrou-se o módulo, com abordagem da melhor maneira pedagógica e andragógica de agir dos educadores Pestalozzi, Rivail – Kardec, Paulo Freire e Jesus.

Evangelizar é preciso, enquanto trabalhadores da última hora, buscando desenvolver a sublime tarefa com amor e compromisso assumido, não com o Centro Espírita, mas com Ele, Jesus – o pedagogo e governador do Orbe.

O quarto e último módulo do Curso está programado para os dias 9 e 10 de abril.

Assine a versão impressa
Leia também