Jornal Mundo Espírita

Maio de 2019 Número 1618 Ano 87

Propriedades emergentes

agosto/2016

Classicamente, Sistema é uma entidade que mantém sua existência e funciona como um todo por meio da interação de suas partes.

O pensamento sistêmico considera o todo e as partes, e as ligações entre as partes, estudando o todo para compreendê-las.

Um sistema pode ser composto de muitos sistemas menores (subsistemas) ou fazer parte de um sistema maior. No corpo humano, por exemplo, há o sistema digestivo, o imunológico e outros. Podemos estudar qualquer um deles isoladamente e também a maneira como trabalham juntos, no sistema mais amplo do corpo humano.

Os sistemas menores funcionam em consonância com os maiores, fazendo com que apresentem propriedades acima e além das propriedades das partes que os formam. Conhecidas como propriedades emergentes, elas emergem do sistema quando está funcionando.

Um carro precisa de um conjunto de sistemas menores – subsistemas – como sistema de refrigeração, de freio, elétrico e outros mais. Coloquemos separadamente, desconectados uns dos outros, cada subsistema na estrada e vejamos até onde eles vão sozinhos. A lugar nenhum, não é mesmo? Juntos, funcionando harmonicamente, dão movimento ao carro, que é uma propriedade emergente, razão de ser do veículo.

Em resumo, os sistemas possuem propriedades emergentes que não são encontradas em suas partes. Elas só aparecem quando todo o sistema está funcionando.

Os Centros Espíritas e a Federação Espírita do Paraná – FEP, juntos, formam o que se pode denominar: sistema federativo, que tem como propriedade emergente o movimento espírita dinâmico, o qual, por sua vez, composto pelos espíritas e por suas Instituições, tem como propriedades emergentes principais: a divulgação e a prática da Doutrina Espírita.

Cada Centro Espírita é um sistema em si próprio, composto de seus setores de ação, dinamizados pelos espíritas que nele laboram, frequentam.

Quando integrado ao sistema federativo, além de manter as propriedades emergentes que lhe são próprias, se vê vitalizado nessas mesmas propriedades, com a expressão ativa de outra propriedade emergente, encontrada quando do funcionamento do todo federativo: a organização das ações sob o foco da união, que amplia os recursos e as forças de atuação e resistência contra adversidades, tanto para o sistema federativo como um todo, como para cada Instituição espírita, em separado.

Isso nos permite melhor entender a proposição do Venerando Benfeitor Espiritual Bezerra de Menezes, ao conclamar-nos:

Solidários, seremos união. Separados uns dos outros seremos pontos de vista.

Juntos, alcançaremos a realização de nossos propósitos.[1]

Unidos seremos resistência, fragmentados seremos vencidos em nossos objetivos essenciais.[2]

Naturalmente que esse pensamento sistêmico nos leva a entender que, como espíritas, fazemos parte também do sistema federativo nacional e do sistema internacional.

Como cristãos, nos integramos no sistema mundial, que é a grande Seara do Cristo, onde o trabalho é grande e os seareiros ainda são poucos.

Essa é a tônica do chamamento proferido pelo Espírito de Verdade:

Trabalhemos juntos e unamos os nossos esforços, a fim de que o Senhor, ao chegar, encontre acabada a obra…[3]

Desde sua constituição, há 114 anos, a FEP dedica seus melhores esforços no fortalecimento e na ampliação do movimento espírita, por reconhecer que a união de todos, em prol do bem maior, é o legítimo contributo para a renovação do mundo, a partir de cada um de nós.

A FEP sempre pautou suas práticas no Trabalho, na Solidariedade e na Tolerância, por serem os pilares do relacionamento humano, e orienta-nos que esses princípios devam estar sempre estampados em nossas consciências, como diretrizes de ação contínua e ininterrupta, que nos facultará alcançar a realização de nossos melhores propósitos. E, como família e como movimento espírita, mais ainda poderemos realizar, quando reunidos em forte feixe de varas homogêneas, que ensejará maior emergência da propriedade de resistência às investidas do mal e de nossas próprias fragilidades.

Ciente de que a caridade, que é o amor em ação, é a grande tecelã do sistema de amor entre nós e o próximo, a FEP não só enaltece e nos convida à sua prática, como, exemplarmente, age, como instituição, com esse espírito, como mantenedora de obras de benemerência social.

Sabedora de que o finalismo do Criador para com sua criatura é a felicidade plena, alcançável quando se vivencie integralmente o amor ao próximo, tanto quanto a si mesmo, e a Deus acima de todas as coisas, a FEP, juntamente com cada Centro Espírita e com cada um dos espíritas, anuncia, há 114 anos, o milenar roteiro Celeste para tal desiderato, trazido por Jesus, quando apresentou-se como o Caminho, a Verdade e a Vida, o Elo Misericordioso entre cada um de nós e o Pai, religando-nos, desde agora, ao Senhor da Vida.

Em seu jubiloso aniversário de 114 anos, a FEP conclama os espíritas a, cada vez mais, fortalecermos o sistema federativo, fortalecendo-se cada um de nós com a vivência incansável da moral cristã, revivida em suas bases pelo Espiritismo, para que, juntos, nos beneficiemos da excelente propriedade emergente do profícuo Sistema Divino, que a todos abriga: a paz duradoura.

Do mesmo modo que para a FEP, Deus, Cristo e Caridade seja o frontispício de nossa bandeira. Trabalho, Solidariedade e Tolerância, o nosso lema. A prática da Caridade, nosso exercício permanente.



[1] XAVIER, Francisco Cândido. Mensagem de União – “Unificação”. Pelo Espírito Bezerra de Menezes. Reformador, Rio de Janeiro, nov./dez. 1980.

[2] Mensagem psicofônica ditada pelo Espírito Bezerra de Menezes ao médium Divaldo Pereira Franco no encerramento da reunião ordinária do Conselho Federativo Nacional, realizada em Brasília, entre os dias 6 e 8 de novembro de 2015.

 [3] KARDEC, Allan. O Evangelho segundo o Espiritismo. Brasília: FEB, 2001. cap. XX, item 5.

Assine a versão impressa
Leia também