Jornal Mundo Espírita

Outubro de 2019 Número 1623 Ano 87

Plano de desenvolvimento da Federação Espírita do Paraná 2014 – 2023

setembro/2013

Com o intuito de pensar e trabalhar juntos, o Presidente da FEP convocou reunião extraordinária do Conselho Federativo Estadual – CFE, no dia 27 de julho passado.

A reunião teve lugar no Recanto Lins de Vasconcellos, das 9h às 17h30, sob a coordenação do Grupo de Trabalho de Gestão Estratégica – GTGE, integrado por Adriano Lino Greca, 2º vice-presidente; Márcio Freitas Monson, diretor administrativo; Nélio Aguirre de Castro, conselheiro e coordenador geral do Hospital Espírita de Psiquiatria Bom Retiro; Alcione Andrade, consultora em Desenvolvimento Organizacional e Nickolas Preto Grzebielucka, colaborador no Apoio e Consolidação.

O trabalho todo se deu em clima fraterno e de real vontade de se planejar o destino da FEP, para os próximos dez anos. A divisão em grupos se processou por escolha de cores e tudo foi discutido, de forma democrática, ensejando os melhores resultados para o alcance dos objetivos apontados:

  • Alinhar conhecimentos e entendimentos sobre conceitos, planos e objetivos da FEP.
  • Construir uma missão e uma visão de futuro para a FEP, levando-a a multiplicar seu papel perante a Doutrina Espírita no Paraná.
  • Delinear e implementar medidas de adequação da FEP para o exercício da missão e o alcance da visão.

Para a sensibilização inicial, foi utilizada mensagem de Lins de Vasconcellos, recepcionada mediunicamente por Alexandre Sech, em Paranavaí, PR, em 29 de junho de 1975:

 

Unir para sobreviver

Na conjuntura atual, em que a Humanidade vive momentos cruciantes, em busca de caminhos que a aliviem das torturas angustiosas que a envolvem; no instante em que o homem de posse de tantos conhecimentos que lhe chegam às mãos após pesquisas ingentes; na hora em que a criatura vislumbra o seu destino grandioso em face das conquistas tecnológicas, convém analisar que está havendo a necessidade urgente de rumos definitivos para que o esforço comum não se venha a perder.

Deixemos de lado posições pessoais, opiniões particulares e modos individualistas de ser, renunciando ao endeusamento do nosso eu para mergulharmos de corpo e alma na tarefa abençoada para a qual todos temos o que fazer.

Que ninguém subestime a tarefa alheia, nem procure engrandecer-se porque, no fundo, funcionamos como vasto mecanismo que, às vezes, não desenvolve sua ação adequadamente por falta de simples implemento, como um pequeno parafuso.

Vede com alegria o que já conseguistes realizar, mas não vos acomodeis porque ainda há muito a fazer.

A Casa Espírita é o corpo que a Bondade Divina nos permitiu erguer.

Que a façamos habitada pelo espírito do Cristo a transparecer de nossos gestos e ações.

Honremo-la com nossa presença frequente, iluminemo-la com o nosso estudo doutrinário constante; fortaleçamo-la com nosso testemunho de trabalho permanente.

Não foi por mero acaso que o insigne Codificador – inspirado pelo Espírito de Verdade – escolheu como epíteto doutrinário Trabalho, Solidariedade e Tolerância.

A união é palavra de ordem, nem que para tanto tenhamos que renunciar a nossas posições pessoais.

Lembremo-nos de que a Doutrina deve estar acima de tudo.

Saibamos, por fim, que sem união das partes o todo perece.

A força e vitalidade do todo estão na razão direta da articulação harmoniosa e amorosa de todos os componentes.

Lutai e vigiai.

Estudai e amai.

Fazendo a vossa parte, tende certeza de que faremos a nossa, e unindo os nossos esforços faremos nascer mais depressa o Sol da Felicidade Espiritual sobre a Terra.

 Cuidadosamente pensadas as ações para o trabalho, o GTGE propôs, na sequência, que o grupo elegesse as premissas que deveriam orientar a atividade proposta, sendo definidas:

  • A Doutrina Espírita é maior do que o Movimento Espírita.
  • O institucional é maior que o pessoal.
  • A atuação no coletivo é mais importante do que a atuação no individual.
  • A busca da solução, norteada pela ética e a moral, é mais importante do que o problema.
  • A divulgação e a difusão da doutrina é o fim, a gestão é o meio.
  • A decisão colegiada (maioria simples) gera o comprometimento de todos.
  • Comunicação gera transparência.
  • A transparência é soberana.
  • Considerar o futuro nas ações do presente e seus efeitos a médio e longo prazos.
  • Agir no presente e vislumbrar o futuro. Sonhar.
  • A qualidade deve ser elemento natural de todas as perspectivas do desenvolvimento.
  • Fraternidade e respeito devem nortear as conversações.

A partir das atividades em grupo, foram criados quatro slogans, vencendo, por votação individual:

 

Unidos para construir o futuro.

Nessa reunião, foram trabalhadas a Missão e os aspectos teóricos da Visão de Futuro da FEP, que deverão ser mais elaborados, a partir das ideias colhidas nos grupos, em reunião posterior, com representantes de cada grupo, definidos na oportunidade pelos participantes.

Ficaram previamente agendadas mais duas reuniões extraordinárias para a continuidade do trabalho: 28.9.2013 e 7.12.2013, previamente convocados os presentes.

Assine a versão impressa
Leia também