Jornal Mundo Espírita

Abril de 2021 Número 1641 Ano 89

Pesquisador italiano confirma texto de Emmanuel

novembro/2008

Ao longo de todo o século XX, as descobertas científicas, dos mais variados matizes, confirmam os ensinamentos espíritas em muitos dos seus aspectos. Agora, de maneira surpreendente, vemos a consagração do texto de Emmanuel, em “Há Dois Mil Anos”, que trata da destruição de Pompeia.

O jornal “O Globo”, do Rio de Janeiro, em sua coluna “Ciência e Vida”, aborda o livro “Mistérios de Uma Cidade Enterrada”, do pesquisador italiano Antônio Varone, diretor das escavações em Pompeia, que afirma, diferente do que se poderia imaginar, que a cidade de veraneio, vizinha de Herculanum, foi destruída por “tremores de terra” para depois ser coberta de lavas, cinzas e nuvens de gases tóxicos.

A conclusão do pesquisador autentica o capítulo “Nos Derradeiros Minutos de Pompeia” com que o benfeitor encerra a obra psicografada por Chico Xavier (em 1939), como podemos ver nos trechos a seguir, pinçados, em que há referência direta ao assunto:

“Em dado instante, porém, a atenção geral foi solicitada por um fato estranho e incompreensível. Do cimo do Vesúvio eleva-se grossa pirâmide de fumo, sem que ninguém atinasse com a causa do fenômeno insólito.”

“Mas, em breves instantes a terra lhes tremia sob os pés, em vibrações desconhecidas e sinistras. Algumas colunas tombavam ao solo, pesadamente, enquanto numerosas estátuas rolavam dos nichos improvisados, recamados de ouro e pedrarias.”

“Uma chuva de cinza, a princípio quase imperceptível, começou a cair, enquanto o solo continuava a tremer com ruídos surdos, aterradores.

De instante a instante, ouvia-se o estrondo pavoroso de colunas derribadas ou edifícios desmoronados pelos abalos sísmicos, ao mesmo tempo que o fumo do vulcão ia eclipsando a confortadora claridade solar.

Mergulhada em penumbra espessa e tomada de terror indizível, Pompeia assistia aos seus últimos instantes, numa aflição desesperada…”

“Mais um tremor do solo e as colunas que ainda restavam em pé se abateram sobre os três, roubando-lhes as últimas energias e fazendo-os cair assim, enlaçados para sempre, sob um montão de escombros…”

A destruição de Pompeia deu-se no ano 79 d.C., quando era imperador de Roma o general Tito Flávius Vespasiano.

Assine a versão impressa
Leia também