Jornal Mundo Espírita

Agosto de 2019 Número 1621 Ano 87

Perdoe-se

agosto/2019 - Por Cezar Braga Said

Tão importante quanto perdoar alguém é aprender a nos perdoarmos pelo que fizemos e por aquilo que deixamos de fazer. Portanto, perdoe-se pelo beijo que não deu; pela viagem que não fez; pela decisão que não tomou; pela lágrima que não derramou.

Pela declaração que não fez; pela coragem que não teve; pelo silêncio que rompeu; pelo concurso no qual não passou; pela batalha da qual fugiu; pelo grito que engoliu.

Pelo carinho que não deu; pelo saber que desprezou; pela ofensa que desferiu; pela mágoa que causou; pelo sofrimento que impôs; pelo mal que gerou.

Pelo desânimo que insuflou; pela crítica ferina que desferiu; pelo desprezo que deu.

Apesar disso tudo, olhe para o seu hoje e veja que ainda há tempo de mudar, fazer e desfazer, reconstruir, recomeçar… Nunca é tarde, sempre é hora e momento de uma nova semeadura visando novas colheitas.

Não despreze o poder de um pequeno gesto, uma boa palavra, um sorriso de apoio, um olhar de ternura. Valorizando tais iniciativas podemos chegar bem mais longe de onde estamos, dando um rumo novo para a nossa vida interior.

Deixe de se punir e se maldizer o tempo inteiro.

Pare de se maltratar e viver dentro de um inferno mental e emocional.

Saia do cárcere onde se prendeu, se perdeu e mire as estrelas.

Jesus recomendou a Pedro perdoar setenta vezes sete uma mesma ofensa (Mt, 18:21) e por que o mesmo não pode ser aplicado em nossa relação conosco?

Só não devemos usar tal argumento para seguir ferindo as pessoas, ferindo-nos também.

Perdoar-se é se dar uma nova chance, assumindo o compromisso de não voltar a fazer o mesmo. É tentar tornar-se alguém melhor, mesmo sujeito a falhas.

Quando conseguimos aceitar, entender e modificar nossas fragilidades, damos um passo a mais no aprender a aceitar, entender e perdoar os demais.

Jogue fora rancores, mágoas e todo ressentimento acumulado.

Perdoe e perdoe-se!

Assine a versão impressa
Leia também