Jornal Mundo Espírita

Maio de 2019 Número 1618 Ano 87
Sugestão de Leitura Envie para um amigo Imprimir

Para uma vida melhor na Terra

setembro/2007 - Por Carlos Augusto de São José

A obra contempla preciosa coletânea de entrevistas concedidas pelo médium, mensagens e versos psicografados.

Nas respostas aos entrevistadores, e sob a inspiração de seus mentores, Raul prima pela objetividade, fazendo valer a lucidez e a sinceridade que o notabilizam há 40 anos, desde que iniciou suas pregações em 1967. Sem preciosismos ou rodeios literários, trata de temas de suma relevância para a melhoria da qualidade das práticas doutrinárias. Dúvidas que polarizaram setores expressivos do nosso Movimento são aclaradas com precisão e respeito.

Dentre as mensagens, destacamos as de Gabriel Delanne, que cooperou com Allan Kardec, “abrindo a estrada científica”, na afirmação de Humberto de Campos em “Brasil, Coração do Mundo e Pátria do Evangelho” e de Sylvino Canuto Abreu, que tantos serviços prestou à cultura espírita, na edição de diversos livros sobre a Codificação, na publicação de artigos corajosos na revista “Metapsíquica”, na defesa irrefutável da verdade, e na formação de valioso arquivo de documentos raros relacionados aos iniciais movimentos históricos da Doutrina em França e no Brasil.

Ambos se manifestaram na sessão de encerramento do IV Congresso Espírita Mundial, que se deu de 3 a 5 de Outubro de 2004, em Paris – França.

O notável engenheiro francês exaltou a “Liberdade com o Espiritismo”, discorrendo: “O mundo seria mais leve e a vida humana mais fácil de ser vivida, se conseguíssemos entender e usufruir a sonhada liberdade”.

Já o intelectual brasileiro e historiólogo espírita, referindo-se a Allan Kardec, diz: “Este nome é um marco de um tempo novo. É uma legenda de luz e de força moral que edifica um período especial da regeneração humana (…)”.

Os versos, impregnados de ética cristã – espírita, esclarecem e consolam, como preces endereçadas aos nossos corações.

Impressionado, pude constatar a linha de humor espiritualizado e a capacidade poética de José Grosso, com quem tive o prazer de conviver, por horas fugazes, nas reuniões de materialização na FEB – Brasília, nos idos de 1968. Ao lado dos Espíritos Scheilla, Joseph Gleber e outras entidades, sob a enérgica e bondosa direção de Bezerra de Menezes e Emmanuel, José Grosso, carpinteiro nordestino, executado por Lampião, a todos distraía respondendo as perguntas mentais dos participantes e fazendo trovas de homenagem aos presentes, sempre convocando para o trabalho e o estudo direcionados pela luz espírita, sob a égide do Divino Pegureiro.

O poema “Abraço da Serpente” exprime o estilo depurado do mesmo vate. Os primeiros versos graciosamente dizem:

“Imagina o que seria

Algo, assim, bem diferente,

Se alguém ganhasse com susto

Um abraço de serpente”.

Ele traduz a serpente como o conjunto de males que assolam a sociedade contemporânea. Tóxico, violência, calúnia, conflitos íntimos, sexualidade desregrada… são o “abraço” do temível ofídio. Termina, advertindo:

“Viva bem, são, na alegria,

Com emoção, como gente,

Deixando bem longe o abraço

Peçonhento de serpente”.

Camilo e Ivan de Albuquerque são os Espíritos que orientaram a edição do livro, indispensável aos estudiosos espíritas.

Disponível na Livraria Mundo Espírita, na Praça Osório, 399, em Curitiba, tele-vendas (41) 3225-2739, também podendo ser adquirido através da Livraria Virtual www.livrariamundoespirita.com.br.

Autoria: Espíritos  diversos
Médium: Raul Teixeira
Editora: Fráter

Assine a versão impressa
Leia também