Jornal Mundo Espírita

Setembro de 2019 Número 1622 Ano 87

Os 45 anos da série evangélica Amélia Rodrigues

fevereiro/2015 - Por Enrique Eliseo Baldovino

Composta, até a presente data, por dez valiosos livros mediúnicos, destaca-se sobremaneira a Série Evangélica Amélia Rodrigues, ditada pelo Espírito Amélia Rodrigues, através das mãos abençoadas de Divaldo Pereira Franco.

A referida Série Evangélica tem nos transportado à época de Jesus, a cada leitura e releitura dos seus valiosos textos, com grande beleza histórica, poética e literária, como se estivéssemos in loco nos tempos da Boa Nova, trazida pelo Mestre Galileu, fazendo-nos palpitar a grandeza da mensagem imorredoura do Cristo, em cada uma das suas páginas.

Todos os volumes da Série ou Coleção foram lançados pela LEAL – Livraria Espírita Alvorada Editora, Salvador/BA:

  1. Primícias do Reino (1969);
  2. Luz do mundo (1971);
  3. Quando voltar a primavera (1977);
  4. Há flores no caminho (1982);
  5. Pelos caminhos de Jesus (1987);
  6. Trigo de Deus (1993);
  7. Dias venturosos (1997);
  8. …Até o fim dos tempos (2000);
  9. A Mensagem do Amor Imortal (2008);
  10. Vivendo com Jesus (2012).

Estes dez volumes contêm, somados, nada menos que 1.737 páginas de luz. Pela data do seu primeiro volume (1969), a Coleção completou, em 2014, os 45 anos do seu lançamento. Parafraseando o Espírito Amélia Rodrigues, em sua obra  …Até o fim dos tempos1,quando fala da revelação invulgar dos Evangelhos e seus ensinos, poderíamos dizer, a respeito das pérolas que colhemos nessa preciosa Série: Podem ser considerados pérolas que adornam a cultura humana carente de amor e de respeito pela vida, emoldurando o campo das possibilidades a descortinar e conquistar pelo esforço de cada qual.

Vejamos algumas dessas pérolas-joias, que aborda assuntos e passagens do Evangelho do Cristo com admirável riqueza de detalhes e ampla fonte de informações, algumas delas inéditas, reveladoras e históricas.

 

O discípulo disfarçado

O contexto é a dolorosa crucificação de Jesus no Gólgota, e a presença, no local, de outro discípulo Seu (além de João Evangelista) que encontrava-se no lugar, presença essa que não foi registrada pelos Evangelhos, mas que o Espírito Amélia Rodrigues revela quem é O discípulo disfarçado, cujo resumo transcrevemos, já havendo transcrito o texto in totum, oportunamente2, abordando também, noutro momento3, a grande importância da contribuição evangélico-doutrinária do referido Espírito, no contexto geral dos Evangelhos e dos Evangelistas:

 

(…) Disfarçado na turbamulta, para não ser identificado, Tiago, que era Seu discípulo, acompanhava com lágrimas o trágico acontecimento e se interrogava em silêncio:

– Onde o carinho de Deus para com Seu Filho?! Não era Ele o Messias?! Assim retribuía o Céu às atividades de amor que Ele realizara na Terra?

Tiago não podia entender, nas suas reflexões racionais, os desígnios de Deus, pensando conforme os padrões convencionais.

Nesse comenos, olhou em derredor, procurando um rosto conhecido, de alguém que O aplaudira em dias passados, quando da entrada triunfal em Jerusalém. Não havia ninguém. Nem sequer um dos que Lhe receberam a cura, as dádivas da Sua compaixão e misericórdia.

Ninguém que O houvesse acompanhado. Nem os amigos de ministério se faziam presentes, à exceção de João, que abraçava a Sua mãe, ao lado de outras mulheres, trêmulas e receosas.

Tiago não pôde dominar a aflição que o tomou por inteiro e pôs-se a chorar convulsivamente.

O Mestre olhou-o compassivo, e murmurou ternas palavras nos ouvidos do seu coração. (….)4

 

Tiago Maior ou Tiago Menor?

As seguintes palavras do Espírito Amélia Rodrigues, no seu livro Luz do Mundo5, elucidam definitivamente a questão de qual era o discípulo disfarçado, se era Tiago Maior (irmão de João Evangelista e filho de Zebedeu e Salomé) ou Tiago Menor, também chamado o Moço (irmão de Mateus Levi e de Judas Tadeu, e filho de Alfeu e Maria de Cleofas):

(…) João e Tiago – os “filhos do trovão”, como o Senhor os chamava – descendiam de Zebedeu e Salomé, que Lhe foram fiéis até o Gólgota; (…) Tiago, o Moço, Judas Tadeu, seu irmão e Mateus Levi, o ex-publicano, eram filhos de Alfeu e Maria de Cleofas, parenta de Maria, Sua mãe, nazarenos todos, eram primos afetuosos e passavam como “seus irmãos”; (…). [Grifos nossos.]

Mais uma reveladora informação de Amélia Rodrigues: que Maria de Cleofas era parenta de Maria de Nazareth, sendo que Jesus era primo dos três discípulos mencionados (Tiago, o Moço, Judas Tadeu e Mateus Levi).

 

Outros dados históricos que confirmam a Série Evangélica

Procuramos mais informações históricas, da nossa parte, no volumoso Dicionário Enciclopédico da Bíblia6, no verbete Maria, mãe de Tiago Menor, também chamada mulher de Cleófas (Cléofas ou Cleofas, este último sem acento), Dicionário que registra os seguintes dados, confirmando vários outros históricos e literários expostos na Obra do Espírito Amélia Rodrigues, a aquarelista do Evangelho:

 

Maria de Cléofas: mãe de Tiago (menor) e José ou Joses (Marcos 15:47). Maria estava com outras mulheres da Galileia sob a cruz de Jesus (Mateus 27:56); tomou parte no sepultamento (cf. Lucas 23:55); ficou perto do sepulcro (Mt. 27,61: “a outra Maria” refere-se certamente à mãe de Tiago); voltou ao sepulcro na madrugada da ressurreição e foi favorecida com a aparição de um anjo (Mt. 28:1 ss; cf. Lc. 24:10). […] Possivelmente essa Maria seja a mesma que Maria, a mulher de Cléofas, que segundo João 19:25 estava sob a cruz. Neste caso Cléofas é o mesmo que Alfeu, que nas listas dos apóstolos consta como pai de Tiago Menor.

 

Convite à leitura de toda a Coleção

A Autora espiritual acabou de transportar-nos, com a sua pena exímia, ao Monte da Caveira, à morte infamante do Mestre na cruz, como se fôssemos testemunhas ocultas do que aconteceu, à guisa de Tiago Maior.

Essas são somente algumas das tantas informações reveladoras e interessantíssimas que encontramos na prestigiosa Série Evangélica Amélia Rodrigues, composta, como já dissemos, de dez pérolas raras que, quanto mais as apreciamos, mais reluzem na coroa dos nobres e inconfundíveis ensinos de Jesus.

Convidamos a todos, portanto, a lerem ou a relerem o conjunto dessas joias que formam, em nossa opinião, o Quinto Evangelho, escrito com a sensibilidade e a nobreza de um Espírito de escol que soube captar sobremaneira a essência evangélico-doutrinária do venerando Espiritismo.

 

Pequena biografia de Amélia Augusta do Sacramento Rodrigues

Amélia Augusta do Sacramento Rodrigues foi, quando encarnada7, notável poetisa, professora emérita, tradutora, escritora consagrada, teatróloga, legítimo expoente cultural das Letras da Bahia. Era católica praticante. Nasceu na Fazenda Campos, Freguesia de Oliveira dos Campinhos, Município de Santo Amaro da Purificação, Estado da Bahia, em 26 de maio de 1861. Era filha de Félix Rodrigues e D. Maria Raquelina Rodrigues. Qualquer de seus conterrâneos, por mais jovem que seja, conhece a vida dessa extraordinária mulher e seu esforço a fim de atingir os seus ideais.

Tendo estudado com grandes expoentes da educação e da cultura de sua época e, percebendo sua vocação inata para o magistério, começou a lecionar no Arraial da Lapa. Posteriormente lecionou em Santo Amaro da Purificação por oito anos consecutivos, sendo transferida para Salvador, em 1891, lecionando na Escola Central do Bairro Santo Antônio.

Foi mestra admirável, que honra não apenas as letras baianas, mas ocidentais, conforme esclarece Pedro Calmon: (…) a lista dos dramaturgos ocidentais completar-se-á com Amélia Rodrigues, professora, inspirada poetisa, talvez a maior depois de Amélia de Castro Fonseca; estreou com o poemeto “Filenila”, em 1880, e escreveu dramas, livros de leitura infantil, poesia católica, numerosos versos esparsos pelas revistas religiosas e educativas. Carlos Chiacchio asseverou que  A beleza lhe estava no sangue das ideias.

Aposentada, fundou o Instituto Maternal Maria Auxiliadora, que mais tarde transformou-se na Ação dos Expostos. Dedicou-se ao jornalismo como colaboradora das publicações religiosas O Mensageiro da Fé, A Paladina e, mais tarde, A Voz. Escreveu, ainda, algumas peças teatrais, entre as quais se destacam Fausta e Natividade. É autora dos poemas Religiosa Clarisse e Bem me queres. Produziu ainda obras didáticas, literatura infantil e romances. Amélia Rodrigues desencarnou em Salvador, com 65 anos de idade, em 22 de agosto de 1926, deixando a sua marca de trabalho inigualável, tanto na Educação como na Literatura e na Assistência Social.

 

Amélia Rodrigues – Espírito de escol

O pensamento educacional de Amélia Rodrigues se identifica com o pensamento do Espírito Fénelon, contido em O Evangelho segundo o Espiritismo, do eminente Codificador Allan Kardec: Educar é formar homens de Bem, e não apenas instruí-los.

No Plano Maior, o Espírito Amélia Rodrigues continuou o seu trabalho esclarecedor e educativo, tendo como fonte inspiradora o Evangelho de Jesus. Na atualidade, participa da falange de Joanna de Ângelis, mentora do médium Divaldo Franco. Pela psicografia do abnegado médium baiano, vem apresentando páginas que conclamam à reflexão ao abordarem os mais variados assuntos sobre o Evangelho, seu tema predileto. São páginas que convidam ao aprendizado, ao mesmo tempo que consolam e fortalecem a alma para as lutas de todo o dia.

Várias obras ditadas a Divaldo por Espíritos Diversos, contêm mensagens avulsas do Espírito Amélia Rodrigues, como por exemplo Crestomatia da Imortalidade (1969), Depoimentos Vivos (1975), Sementes de Vida Eterna (1978), Sementeira da Fraternidade (1980), Roteiro de Libertação (1981), Sol de Esperança (1983), Terapêutica de Emergência (1983), Antologia Espiritual (1993), S. O. S. Família (1994), Sob a Proteção de Deus (1994), Compromissos de Amor (2014), entre outras.

Amélia Rodrigues também é Autora espiritual de dois notáveis livros infantis: O Semeador (1981) e O Vencedor (1994), também pela psicografia do médium baiano. Igualmente, é a criadora do célebre Poema da Gratidão, que Divaldo Franco recebeu em Buenos Aires, Argentina, em 21 de novembro de 1962 e que encanta em todos os países onde é declamado – geralmente no final das suas conferências – pela sua verve apaixonada pelo Cristo.

 

REFERÊNCIAS:

1 FRANCO, Divaldo Pereira. …Até o Fim dos Tempos. Pelo Espírito Amélia Rodrigues. Salvador: LEAL, 2000. p. 11.

2 REVISTA PRESENÇA ESPÍRITA. A comovente “Série Evangélica Amélia Rodrigues”. Artigo de Enrique Eliseo Baldovino. Ano XXXIV, nº 266. Bimestre maio/junho de 2008. Salvador: LEAL, 2008. pp. 23-27.

3 O EVANGELHO SEGUNDO O ESPIRITISMO: orientações para o estudo ______. Organizadores: Célia Maria Rey de Carvalho e Antonio Cesar Perri de Carvalho. Brasília/DF: FEB, 2014. Cap. 3: Algumas características dos Evangelhos de Mateus, Marcos, Lucas e João e o perfil dos seus Autores, de Enrique E. Baldovino. pp. 27 a 42.

4 FRANCO, Divaldo Pereira. …Até o Fim dos Tempos. Pelo Espírito Amélia Rodrigues. Salvador: LEAL, 2000. p. 151.

5 _____ Luz do Mundo. Pelo Espírito Amélia Rodrigues. Salvador: LEAL, 2003. pp. 35-36.

6 BORN, A. Van Den. _____ Dicionário Enciclopédico da Bíblia. Petrópolis: VOZES, 1992. pp. 952-953. Verbete: Maria, mãe de Tiago Menor.

7 FRANCO, Divaldo Pereira. Crestomatia da Imortalidade. Por Diversos Espíritos. Salvador: LEAL, 1989. p. 223.

—————

ILUSTRAÇÃO 1: Foto rara de Amélia Augusta do Sacramento Rodrigues.

ILUSTRAÇÃO 2: Alguns volumes da Série Evangélica Amélia Rodrigues.

ILUSTRAÇÃO 3: Outra foto rara de Amélia Rodrigues.

Assine a versão impressa
Leia também