Jornal Mundo Espírita

Setembro de 2019 Número 1622 Ano 87

Obra psicográfica de Divaldo Franco completa cinquenta anos

junho/2014 - Por Maria Helena Marcon

No mês de maio, completaram-se cinquenta anos do lançamento da primeira obra psicografada por Divaldo Pereira Franco: Messe de Amor.

Anteriormente, pois a psicografia se apresentara desde o ano de 1949, como mais uma de suas tarefas, Divaldo publicara algumas mensagens, que vinham assinadas com o pseudônimo de Um Espírito Amigo, confirmando-se mais tarde ser Joanna de Ângelis, em um jornal de Belo Horizonte, denominado O Poder. Também no jornal Síntese Espírita, que tinha à frente Rubens Romanelli, igualmente em Belo Horizonte-MG.

Foi graças ao estímulo do Professor Carlos Juliano Torres Pastorino, com quem Divaldo travou contato em 1951 e que se lhe tornaria um grande amigo, que surgiu a ideia, em 1962, de enfeixar as mensagens em um livro e dá-las a público.

Foi o mesmo Pastorino quem se dispôs a editar o livro. A benfeitora espiritual Joanna de Ângelis selecionou as mensagens e organizou a obra, que teve seu lançamento no Ministério da Fazenda, no Rio de Janeiro, no dia 5 de maio de 1964, aniversário de Divaldo Pereira Franco.

A publicação se deu pela Editora Sabedoria, sob a égide de Entidade fundada pelo professor Pastorino, Grupo de Estudos SPIRITVS e o livro foi apresentado, no Ministério da Fazenda.

Naquela noite, ao chegar à casa de sua anfitriã, Divaldo colocou o livro de pé, encostado em um abajur, ainda emocionado, pois jamais cogitara de escrever uma página, quanto mais ser o intermediário de um livro.

O fenômeno que se passou foi deveras interessante. A Benfeitora Joanna chegou com um botão de rosa de haste muito longa e o colocou no sentido transversal do livro.

O botão começou a desabrochar, tornando-se uma bela rosa que, depois foi murchando e, na medida em que caíam as pétalas, elas pareciam sangue e iam manchando o livro de capa verde.

Joanna explicou ao médium que estava em sua missão, junto à divulgação pela palavra, o livro, e lhe perguntou se ele estaria disposto a aceitar o sofrimento que essa tarefa lhe traria.

Falou-lhe das críticas, das calúnias, da perversidade que o atingiria e, como ele afirmasse aceitar, ela lhe assegurou que traria outros Espíritos Amigos que pretendiam colaborar nesse labor com ele.

Mais tarde, foi publicado Espírito e Vida, depois, Dimensões da Verdade. Logo viria o primeiro de Marco Prisco, Glossário Espírita-Cristão. Então, Amélia Rodrigues se propôs a colocar no papel as descrições de atos do Mestre Jesus, com o peculiar colorido das suas descrições minuciosas de Israel e surgiu Primícias do Reino.

Na atualidade, somam mais de duzentos Espíritos que atuaram pela psicografia abençoada do médium baiano.

Fonte: O semeador de estrelas, de Suely Caldas Schubert, ed. LEAL, cap. 8.

Assine a versão impressa
Leia também