Jornal Mundo Espírita

Junho de 2019 Número 1619 Ano 87
Momento Espírita Envie para um amigo Imprimir

O homem de Nazaré

dezembro/2009

Vinte séculos já se escoaram no tempo. Ao finalizar-se o último milênio, a figura de Jesus foi muito lembrada. Ao mesmo tempo, contestada.

Ainda existem pessoas que afirmam que Ele jamais existiu. E procuram algumas anotações distorcidas da História, para justificar a sua tese.

Contudo, quem, na História do mundo, realizou o que Ele fez, em tão pouco tempo e com tão pouco?

Ao nascer, não tinha sequer um berço e Lhe foi improvisada uma manjedoura, onde os animais buscavam o alimento.

Os primeiros momentos da Sua vida passou em um estábulo, entre o calor dos animais e o amor dos pais. O teto não Lhe pertencia.

Na infância, esteve no Egito, na qualidade de estrangeiro, submetendo-Se às leis dos homens.

Depois, de retorno a Nazaré, viveu no lar humilde de um carpinteiro, moldando com Suas mãos a madeira para a transformar em mesas, bancos, utensílios vários.

Ao iniciar o Seu Messianato, entre os homens, escolheu doze trabalhadores do povo. À exceção de um deles, Mateus, todos os demais, homens rudes, acostumados à lide com redes e comércio.

Não dispunha de recursos amoedados. Pregava à beira do lago, nas praças, nos vilarejos. Utilizava-Se das oportunidades nas sinagogas e no templo.

Os exemplos, para a pregação do reino que vinha implantar no coração dos homens, colhia das coisas simples, mas expressivas, da natureza.

Um grão de mostarda para lecionar o tamanho da fé que remove montanhas. Uma figueira que se negava a dar frutos, desatendendo a sua missão, para dizer da necessidade de se produzir sempre.

Flores do campo e aves do céu para ensinar a lição inigualável da Providência Divina, que por todos vela.

Ovelhas para falar de mansidão e da preocupação do pastor para com cada uma delas.

Pérolas para dizer da preciosidade das lições que Ele trazia do Pai para a Terra.

Sementes, campos férteis e terras áridas para Se referir ao próprio coração humano ao qual Se dirigia.

Falou de justiça numa Terra cansada de injustiças sociais. Trouxe a lição da não violência, num mundo envolvido em muitas guerras.

Ensinou que o Divino Criador é Pai de todos, sem diferença de nacionalidade ou condição social.

Ninguém disse o que Ele disse e da forma que O fez.

E, até hoje, ninguém teve o Seu aniversário comemorado, todos os anos, pelo mundo todo, durante mais de dois mil anos.

*   *   *

Jesus é o mais notável ser da História da Humanidade. A Sua vida e a Sua obra são as mais comentadas e discutidas dentre todas as que já passaram pela cultura e pela civilização, através dos tempos.

O Seu testamento, o Evangelho, é o mais belo poema de esperanças e consolações de que se tem notícia.

Ainda hoje, a Sua voz alcança os ouvidos de todos aqueles que sofrem ou que aspiram pelos ideais de beleza e de felicidade, os que aguardam por melhores dias.

O Seu convite é para o prosseguimento da autossuperação, na rota da perfeição.

 

Redação do Momento Espírita, com pensamentos finais colhidos na apresentação
do livro
Jesus e o evangelho à luz da psicologia profunda, pelo Espírito Joanna de Ângelis,
psicografia de Divaldo Pereira Franco, ed. Leal.

Assine a versão impressa
Leia também