Jornal Mundo Espírita

Julho de 2019 Número 1620 Ano 87
Sugestão de Leitura Envie para um amigo Imprimir

O Evangelho Segundo o Espiritismo

abril/2013

No dia 29 de abril de 1864, Paris foi palco de mais um extraordinário lançamento. Vinha a lume, naquele dia, anunciado na Revista Espírita daquele mês e ano, Imitação do Evangelho segundo o Espiritismo.

Em Bibliografia – à venda – anuncia Kardec que a obra contém a explicação das máximas morais do Cristo em concordância com o Espiritismo e sua aplicação às diversas circunstâncias da vida.

Destaca ainda a epígrafe: Fé inabalável só o é a que pode encarar frente a frente a razão, em todas as épocas da Humanidade.3

Em 9 de agosto de 1863, enquanto trabalhava nessa obra, Kardec indagou aos Espíritos, através do médium Sr. d´A…, sobre o que pensava a Espiritualidade a respeito dela, recebendo a resposta de que: Esse livro de doutrina terá considerável influência, pois que explanas questões capitais, e não só o mundo religioso encontrará nele as máximas que lhe são necessárias, como também a vida prática das nações haurirá dele instruções excelentes.(…)

Aproxima-se a hora em que te será necessário apresentar o Espiritismo qual ele é, mostrando a todos onde se encontra a verdadeira doutrina ensinada pelo Cristo. Aproxima-se a hora em que, à face do céu e da Terra, terás de proclamar que o Espiritismo é a única tradição verdadeiramente cristã e a única instituição verdadeiramente divina e humana.(…) 1

A 20 de outubro do mesmo ano,  tendo retornado Kardec de Sainte-Adresse e se retirado para  Ségur, a fim de, com mais tranquilidade, trabalhar na obra sobre o Evangelho, a  médium Senhorita V…, natural de Lyon, estando em Paris, o desejou visitar. Somente encontrou na Rua Sainte-Anne a Amélie, sua esposa.

Por sabê-la dotada de notável segunda vista, a Sra. Kardec sugere que a médium se transporte até onde ele se encontra, a fim de vê-lo. Ela descreve o que vê: Kardec se encontra em um aposento muito iluminado, no andar térreo. Descreve os jardins, árvores e flores que circundam o imóvel.

Melhor que tudo, diz: Está cercado [Kardec] por uma multidão de Espíritos que lhe conservam a boa saúde… alguns há que parecem muito elevados, e o inspiram; um deles especialmente parece ser superior a todos os demais, sendo-lhes objeto de deferências.

E adiante: Um momento… Vejo um Espírito que segura um livro de grandes proporções… abre-o e mostra-me o que se acha escrito… leio: Evangelho.2

Segundo Kardec, ele trabalhava no livro sobre os Evangelhos, mas o título ainda era segredo para todos. Descrevendo tudo com tantos detalhes, afirma ele que essa manifestação lhe constituiu numa prova do interesse que os Espíritos tinham por esse trabalho, bem como da assistência que a mim dispensam e a minhas atividades.2

Na Revista Espírita, desse novembro de 1865, Kardec, em Notas bibliográficas anuncia que se encontra no prelo, para aparecer em alguns dias: O Evangelho segundo o Espiritismo, por Allan Kardec, 3ª edição, revista, corrigida e modificada.  Esta edição foi objeto de um remanejamento completo da obra. Além de algumas adições, as principais alterações consistem numa classificação mais metódica, mais clara e mais cômoda das matérias, o que torna sua leitura e as buscas mais fáceis.4

A tradução para nosso idioma foi feita a partir dessa terceira edição e se encarregou dela Guillon Ribeiro, que foi Presidente da Federação Espírita Brasileira – FEB, por duas vezes, entre os anos de 1920 e 1943, engenheiro civil, poliglota e vernaculista.

Aos vinte e sete anos de idade, recebeu elogio de Ruy Barbosa, em sessão do Senado Federal de 14 de outubro de 1903 que, referindo-se ao seu trabalho de revisão do Projeto do Código Civil, disse desempenhar-se de um dever de consciência registrar e agradecer da tribuna do Senado a colaboração preciosa do Sr. Dr. Guillon Ribeiro, que me acompanhou nesse trabalho com a maior inteligência, não limitando os seus serviços à parte material do comum dos revisores, mas, muitas vezes, suprindo até a desatenções e negligências minhas.

Ao se avizinhar o Sesquicentenário da publicação da preciosa obra, a FEB, em consonância com o Conselho Federativo Nacional, entrega ao público edição especial, na primorosa tradução de Guillon. Nada menos de duzentos mil exemplares, dos quais trinta mil foram adquiridos pela Federação Espírita do Paraná – FEP e estarão disponíveis na Livraria Mundo Espírita.

Gotas de luz que se espalham pela Terra. Justa homenagem a uma data tão importante. Enfocando especialmente o ensino moral contido em Os Evangelhos, a obra se constitui em roteiro infalível para a felicidade vindoura, o levantamento de uma ponta do véu que nos oculta a vida futura.

Esta obra é para uso de todos. Dela podem todos haurir os meios de conformar com a moral do Cristo o respectivo proceder. Aos espíritas oferece aplicações que lhes concernem de modo especial. Graças às relações estabelecidas, doravante e permanentemente, entre os homens e o mundo invisível, a lei evangélica, que os próprios Espíritos ensinaram a todas as nações, já não será letra morta, porque cada um a compreenderá e se verá incessantemente impelido a pô-la em prática, a conselho de seus guias espirituais. As instruções que promanam dos Espíritos são verdadeiramente as vozes do céu que vêm esclarecer os homens e convidá-los à imitação do Evangelho.3

Na Introdução da preciosa obra, o Codificador informa que acrescentou algumas instruções escolhidas, dentre as que os Espíritos ditaram em vários países e por diferentes médiuns.

E quanto aos médiuns, escreve que se absteve de nomeá-los. Na maioria dos casos, não os designamos a pedido deles próprios e, assim sendo, não convinha fazer exceções. Ademais, os nomes dos médiuns nenhum valor teriam acrescentado à obra dos Espíritos. Mencioná-los mais não fora, então, do que satisfazer ao amor-próprio, coisa a que os médiuns verdadeiramente nenhuma importância ligam.

Bibliografia:

1.Kardec, Allan. Imitação do Evangelho. Ségur, 9 de agosto de 1863. In.:___.Obras póstumas. 39. ed. Rio de Janeiro:FEB, 2006.

2.______.Um caso de segunda vista. Op. cit. Apêndice.

3.______.Bibliografia. In.:___. Revista Espírita. Rio de Janeiro: FEB, 2004, v. VII. Abril de 1864.

4.______.O evangelho segundo o Espiritismo – 3ª edição. Op. cit. v. VIII.  Novembro de 1865.

Assine a versão impressa
Leia também