Jornal Mundo Espírita

Setembro de 2020 Número 1634 Ano 88

O céu é de verdade

maio/2016 - Por Maria Helena Marcon

Os anjos cantaram para mim. Fui à igreja. Estava sozinho, mas não tinha medo. Sentei-me. Fiquei ouvindo o coro. Depois, eu perguntei se eles poderiam cantar We will rock you. Eles riram como você está rindo, agora, pai.

Aquele garotinho de quatro anos acabara de contar ao seu pai, o pastor da igreja Crossroads Wesleyan, em Nebraska, nos Estados Unidos, o que lhe acontecera enquanto estava sendo operado e fora declarado seu estado crítico.

Em verdade, os médicos não tinham muitas esperanças, considerando que ele tivera um diagnóstico inicial equivocado e chegara ao hospital, após quatro dias de febre alta e vômitos, com o apêndice supurado.

No entanto, Sonja, a mãe, numa demonstração inconteste de fé e do reconhecimento do poder da oração, telefonara aos amigos da Igreja pedindo que orassem pelo seu garotinho e todos se uniram. O milagre acontecera: Colton melhorara e voltara para casa.

Agora, de forma espontânea, vez ou outra, deixava escapar informações. Ele visitara o céu. Vira e conversara com Jesus. As pessoas no céu eram todas jovens, ninguém usava óculos.

Ele descreveu, também, animais. E a existência de crianças.

O filme, intitulado O céu é de verdade, lançado em 2014, retrata a experiência do menino Colton Burpo que, durante delicado procedimento cirúrgico, em que quase foi a óbito, disse ter visitado o céu, falado com Jesus e trazido de lá não somente a certeza inegável da Imortalidade, como conceitos a respeito da morte e do morrer.

O que ele descreve, com as tintas de um garotinho de quatro anos, encontra respaldo nas informações mediúnicas de Francisco Cândido Xavier (Nosso lar, pelo Espírito André Luiz).

Colton descreve o céu como um lugar com muitas pessoas, com nada de irrealidade, absolutamente palpável aos sentidos espirituais.

Suas informações, que brotavam espontaneamente, causaram grande impacto, abalando a convicção de seu pai. Na qualidade de pastor, ele falava do céu aos seus fiéis mas, segundo os seus conceitos, somente chegava ao céu quem morria.

Entretanto, seu filho não morrera. Então, como pudera ter estado no céu e visto tantas coisas? Coisas de que o menino não tinha conhecimento prévio.

Tanto que certas descrições tiveram que ser interpretadas pelo pai. O menino sequer sabia os nomes corretos para definir, por exemplo, o manto de Jesus, Sua barba. O que nos faz lembrar do Evangelista João, em suas revelações apocalípticas, tentando traduzir aos homens o que via e não encontrava parâmetros nos conhecimentos da época.

Por exemplo, a descrição em Apocalipse, 9:3-9, dos gafanhotos enormes, fazendo grande barulho, com rostos de homens, cabelos de mulher e cauda de escorpião. Como poderia ele ter ideia de aviões de combate, com seu grande ruído, hélices e homens pilotando?

Em O livro dos Espíritos, de Allan Kardec, aprendemos que as verdades espíritas, por pertencerem às leis naturais, se tornarão de domínio público.

Ou seja: todas as gentes as admitirão um dia. E, ali estava um garotinho que descrevia as suas experiências, naturalmente.

É mais um daqueles relatos que nos fala das coisas simples que Deus possibilita aos Seus filhos, mostrando como os mundos visível e invisível se interpenetram.

Ainda lembrando as anotações bíblicas, lemos, em Joel, 2:28: (…) derramarei o meu Espírito sobre toda carne, e vossos filhos e vossas filhas profetizarão (…)

Eis aí as verdades imortais sendo reveladas aos pequenos.

O relato de Colton é de que saiu do corpo, viu do alto os médicos operando-o. Nesse estado, descreveu sua mãe, em uma sala do hospital, falando ao telefone. Na capela, seu pai gritando com Deus.

E era verdade. O pastor, Todd Burpo, que, alguns meses antes, tivera uma fratura complicada na perna, depois problema com cálculos renais e, finalmente, um câncer de mama, estava revoltado. Em suas preces, ele dizia a Deus que aceitara a perna quebrada, a litíase renal, o câncer, com a consequência dos problemas financeiros, que se avolumavam. Que ele continuara a pregar na igreja porque sabia que havia pessoas que sofriam muito mais do que ele.

Mas, agora, Deus estava levando seu filho. Não, isso não!

O que estarreceu Todd foi, exatamente, descobrir, pelo relato do menino, que, enquanto ele se exasperava e gritava a Deus sua revolta, Jesus, o Filho de Deus, cuidava do seu pequeno. Eis exaltada a Providência Divina que age, de forma sutil mas eficaz. Deus, que envia Seus mensageiros, a fim de atender aos Seus filhos. Também evidenciada a ação espiritual que vai além do que percebemos.

Demonstrando que a vida espiritual é estuante, o pequeno, certo dia, perguntou ao pai a respeito do bisavô paterno, que jamais conhecera em sua curta existência infantil, mas com quem ele se encontrara. Soube dizer o apelido com o qual era conhecido e relatou o diálogo com ele mantido, naquele estado de quase morte.

Haveria ainda de surpreender a própria mãe lhe dizendo que onde estivera, e ele denominava, segundo sua crença religiosa, de céu, conhecera sua irmã.

Não a irmã com quem ele convivia no lar. Outra, que morrera na barriga da mãe.

Sonja teve um sobressalto. O abortamento, ocorrido alguns anos antes do nascimento de Colton, fora muito angustiante para sua alma.

Por isso, ela e o marido jamais o haviam comentado. Mesmo porque o nascimento de Colton, posterior a esse triste episódio, fora pelo casal entendido como uma recompensa divina. Uma dádiva celeste pela frustração da gestação anterior, tão aguardada e tão dolorosamente finda.

Contudo, agora ali estava um menino de quatro anos a afirmar que conhecera sua irmã, no mundo espiritual. E a dar detalhes: Ela tinha cabelos escuros, diferentemente dele próprio e da outra irmã.

Quando a esposa falou ao marido, ambos se emocionaram. O relato era por demais detalhado. A menina não tinha nome, frisara o menino.

Era verdade. Desde o início da gravidez e ainda não sabendo o sexo da criança, o casal não tinha cogitado de nomes.

E o fato de ter cabelos escuros era outro detalhe interessante. Esse era o grande desejo de Sonja, a mãe. Queria um filho de cabelos escuros, que se assemelhasse a ela.

Embora ainda haja quem duvide de que, além desta vida, existe outra vida, plena, rica; embora haja quem afirme que quem morre na carne, deixa de existir em definitivo, diariamente, Deus dá demonstrações das ricas dimensões espirituais.

A uma criança, sem ideias preconcebidas, permite o vislumbrar de realidades impensadas pelos próprios pais.

A pessoas que têm da vida espiritual conceitos muito bem definidos, rígidos, mostra a infinita realidade do Espírito que nunca morre.

E que se comunica com os amores que continuam no exílio da Terra. Seres que amam, cuidam e têm interesse no progresso e na felicidade dos que permanecem na retaguarda do mundo.

É tudo isso que o filme nos mostra. Também que o tempo é diferente na dimensão espiritual porque, naquele espaço em que Colton esteve em risco de morte, na mesa cirúrgica, ele fora  ao céu, conversara com Jesus, conhecera seu bisavô e até uma irmã que não chegara a nascer.

Se o filme não consegue retratar toda a experiência de Colton, o livro, escrito por seu pai e Lynn Vincent, autora de alguns Best Sellers da lista do New York Times, se estende em pormenores.

Bem afirmou Jesus: Graças te dou, ó Pai, Senhor do céu e da terra, que ocultaste estas coisas aos sábios e entendidos, e as revelaste aos pequeninos. (Mt, 11:25)

A descrição de Jesus, feita por Colton, é sui generis. Todas as gravuras que o pai lhe mostrou, e que O apresentavam, segundo conceitos bíblicos e artísticos, foram rejeitadas pelo menino. Jesus não era assim. Ele tinha olhos lindos.

Três anos depois das visões de Colton, o pastor, recebeu, por e-mail, um documentário a respeito de uma menina lituano-americana, chamada Akiane Kramari, que morava em Idaho.

Como o seu menino, aquela criança, aos quatro anos, começara a ter visões do céu. E as suas descrições eram notavelmente similares às de Colton. Aos seis anos, ela iniciara a pintar, dizendo que sua inspiração vinha do Alto.

As informações eram muito semelhantes: há muitas cores no céu, centenas de milhões que ainda não conhecemos.

Todd chamou o filho para ver os quadros de Akiane, que jamais ouvira falar a respeito de Deus, de Jesus, do céu. Sua mãe era ateia.

Ante um retrato do rosto de Cristo, Colton reconheceu: aquele era o rosto de Jesus. Era o Jesus que ele vira.

É assim que Deus se revela aos homens e revela as Suas Leis.

Mas, aquele garotinho de quatro anos era mesmo um ser especial. Quando começou a passar mal, seus pais o levaram ao médico. Os sintomas de vômito, febre e dor na barriga foram diagnosticados como gastroenterite.

O diagnóstico errado conduziu o pequenino a uma posterior cirurgia de emergência. O apêndice perfurado causara um grande estrago interno. De tal forma que o médico optou por deixar a incisão aberta, com dois drenos.

Todas as manhãs, o médico vinha fazer o curativo. O garotinho gritava feito louco durante essas visitas. E começou a associar o médico com tudo de ruim que lhe estava acontecendo.

Durante uma semana, os drenos deixaram escorrer o veneno de dentro do seu corpo de apenas dezoito quilos.

A melhora se instalou e pai, mãe e filho se dispuseram a deixar o hospital. Já no elevador, com as portas começando a fechar, eles viram o médico correr em sua direção.

Um exame de sangue de última hora havia detectado uma queda radical na contagem de glóbulos brancos.

O menino retornou para a cirurgia para limpeza de novas bolsas de infecção no seu abdômen.

Por fim, depois de vários dias de tratamento, muitos sustos para os pais, que viram a sombra da morte colocar suas cores no rosto do filho, eles foram para casa.

Agora, outro problema se apresentava: as contas a pagar. O pai ficara muito tempo afastado da atividade profissional, por conta das suas dificuldades de saúde e a enfermidade do filho.

Havia contas domésticas, da empresa e, acrescidas, ademais, por vultosas contas hospitalares. A primeira dessas era de trinta e quatro mil dólares.

Poderia ser um milhão, disse o pai. Tanto faz. Não tenho como levantar essa quantia.

Não podemos pagar isto agora, disse ele para a esposa.

Naquele exato momento, o filho veio da sala e surpreendeu o casal com uma estranha declaração. Ficou de pé na extremidade da mesa, colocou as mãos na cintura e falou:

Papai, Jesus usou o doutor para ajudar a me consertar. Você precisa pagar a ele.

Então, se virou e saiu. Marido e mulher se entreolharam. O que fora aquilo?

Ambos foram pegos de surpresa, de vez que o garoto entendera que o cirurgião era a fonte de todas as apalpadelas, cortes, espetadelas, drenagens e dores.

E o pai ficou a pensar como fora estranha aquela proclamação na cozinha.

Afinal, quantas crianças de quatro anos analisam as angústias financeiras da família e exigem o pagamento para um credor?

E, principalmente, um credor de quem ele nunca gostou particularmente…

Pensemos nisso, quando as muitas dores nos estiverem maltratando. Deus se serve dos homens para atender Seus filhos, na Terra.

Pensemos nisso e nos mantenhamos firmes, quando a tempestade se fizer mais intensa. Estejamos sempre com Deus.

Afinal, depois da noite escura sempre raia esplendorosa a madrugada.

 

Heaven is for real

Lançamento mundial: 10 de abril de 2014

DireçãoRandall Wallace

Duração1h40

Música: Nick Glennie-Smith

ProdutorasScreen Gems, Roth Films

Elenco:

Greg Kinnear……………….Todd Burpo

Kelly Reilly………………….Sonja Burpo

Connor Corum………………Colton Burpo

Thomas Haden Church…..Jay Wilkins

Margo Martindale………….Nancy Rawling

 

Assine a versão impressa
Leia também