Jornal Mundo Espírita

Setembro de 2020 Número 1634 Ano 88

O Centro Espírita pós-pandemia – Divaldo Franco responde

agosto/2020

Como devem os Centros Espíritas balancear as atividades presenciais com as atividades virtuais no momento em que pudermos voltar às atividades presenciais?

 

R.: Nós vamos viver uma era diferente. Os instrumentos, os valores, serão um pouco diferentes. Iremos manter, naturalmente, comunicação virtual para as nossas atividades. Mas, não olvidemos das presenciais. O calor humano, o toque de mão, o olho no olho, o sorriso leal. Porque através da comunicação virtual podemos jogar a imagem que não corresponde à realidade do que somos. O nosso magnetismo intervivos é muito mais fácil quando estamos próximos.

Estabeleceremos as atividades com o público, com os sofredores, com as pessoas. E aqueloutras, de maior propaganda, de propriedade mais profunda, através dos recursos de natureza virtual e outros mais avançados que, certamente, no próximo ano, em dois anos, teremos.

Neste momento, usemos com parcimônia a comunicação virtual. Tenhamos muito cuidado para não baratear o significado profundo da Doutrina Espírita. Procuremos eleger pessoas conhecedoras da Doutrina para não corrermos o risco do fato da pessoa dizer-se espírita e ter a máxima facilidade da comunicação virtual apresentar ideias conflitantes, extravagantes, colocar apêndice na Doutrina: O meu guia espiritual pediu para que eu falasse ao grande público. – Nenhum guia espiritual faz pedido desta natureza.

Porfiemos, estimulando as pessoas para que não se utilizem da crise para se apresentar, mas que se apresentem para diminuir a crise; que não se utilizem da fama momentânea para as vaidades pessoais, – todos somos muito frágeis – mas que as nossas fragilidades sejam resguardadas. Se a pessoa não tiver facilidade de improvisar, temos dois mil títulos de obras excelentes para divulgar, ao invés de fazer improvisações que são menos eloquentes para a boa apresentação da Doutrina.

Como é natural, tudo tem seu lado positivo, também o lado oculto, o outro lado do espelho. As comunicações virtuais – tenho acompanhado algumas – são excelentes, outras nem tanto e outras sem nenhum compromisso com o Espiritismo, levando dúvidas a pessoas ainda não preparadas e demonstrando que não é tão bela a Doutrina conforme anunciamos. Precisamos conversar com os amigos para que convidem ou formem um grupo, elejam pessoas bem equipadas para falar a respeito da Doutrina. Dessa forma, devagar, escolhermos os novos Paulos de Tarso porque nem todos têm a mesma facilidade do antigo rabino.

Foto: Jorge Moehlecke

Assine a versão impressa
Leia também