Jornal Mundo Espírita

Junho de 2019 Número 1619 Ano 87

Movimento você e a paz

fevereiro/2018 - Por Paulo Salerno

A vigésima edição teve o início de sua culminância a 13 de dezembro de 2017, em Salvador, no Dique do Tororó, depois de haver percorrido outras cidades da Bahia e de diferentes Estados, com apresentações ainda em países das Américas e da Europa.

O público se fez presente em grande número, tomando todos os espaços para ouvir a mensagem de paz. Ruth Mesquita e Marcel Mariano ocuparam a tribuna. Divaldo discorreu sobre as ações pacifistas de Léon Tolstoi, Mahatma Gandhi e Martin Luther King Jr.

O Farol da Barra, tradicional ponto turístico de Salvador, foi o palco seguinte, no dia 15 e, como numa oração de louvor e paz, com a Banda da Polícia Militar do Estado da Bahia, o povo cantou os versos do Hino Nacional.

Com Divaldo, estiveram Coen Roshi, monja zen-budista; Roberto Crema, reitor da UNIPAZ; Demétrio Lisboa, presidente do Centro Espírita Caminho da Redenção e da Mansão do Caminho; Jonas Pinheiro, representando as caravanas nacionais; Sara Schlumpf, representando as internacionais; Padre Olavo Amarante; Marcel Mariano e Ruth Mesquita.

O discurso sempre presente é de que a paz seja o pábulo de amor, com vida exuberante. Paz que é Deus em nossos corações.

A área externa do Shopping da Bahia  recebeu o Movimento no dia 17, com um público participativo, reafirmando o desejo de uma construção segura de paz íntima. Todos reconhecem que é preciso desenvolver uma cultura de paz, começando pela família, levando-a para a escola e para as ruas, gerando gentileza, brandura e serenidade.

Este o objetivo do  Movimento: contribuir para a pacificação do ser humano, conjugando o verbo pazear.

Na manhã do dia 19, Divaldo foi recebido pelos funcionários e profissionais da área da comunicação social da Rede Bahia de Televisão. No programa Bahia Meio-Dia, destacou, com sua habitual concisão, que a paz interior construída na intimidade de cada indivíduo torna a criatura pacificada. Frisou a necessidade de os cidadãos compreenderem que os governantes saem do seio da sociedade, e, portanto, é o próprio cidadão o responsável pelo que acontece no campo político e social da nação.

Ao entardecer, a Praça Dois de Julho, no Campo Grande, foi tomada pelo público para assistir o evento Você e a Paz. Destaque seja feito ao ingente e perseverante, exaustivo e produtivo trabalho nos bastidores, realizado no silêncio e no anonimato, pelas mãos de inúmeros voluntários e funcionários, sob a coordenação segura e agregadora de Telma Sarraf, vice-presidente do Centro Espírita Caminho da Redenção e Mansão do Caminho.

Presentes o representante do Governador do Estado da Bahia, além de outras autoridades municipais e estaduais, líderes sociais e religiosos, que acolheram o convite para a participação nesse movimento ecumênico e apolítico.

Pronunciaram-se, estimulando a paz íntima e a convivência pacificada com os demais membros da sociedade humana, construindo a paz nas mentes e corações, a secretária Olívia Santana; o comandante-geral da Polícia Militar do Estado da Bahia, coronel Anselmo Alves Brandão; o sheik Abdul Ahmad, do Centro Cultural Islâmico da Bahia; Marcia Maria Ferreira de Brito, representando as religiões de matriz africana; o pastor Djalma Torres, representando os evangélicos; o monge budista Kelsang Tenchog e o padre católico Manoel Olavo Amarante.

Divaldo Franco, idealizador do Movimento, discorreu sobre as duas faces que o ser humano possui, se expressando através de uma ou de outra, conforme a situação em que vive e os sentimentos que são despertados nessas condições. Uma das faces pode espelhar serenidade, mansuetude e solidariedade quando tudo lhe é favorável e agradável, por exemplo; e outra, bem diversa, quando o indivíduo se deixa dominar pelo ódio, a ira, o rancor, desejos de vingança, chegando, inclusive, a cometer crimes. A face da bondade retrata os sentimentos nobres, já a face da maldade apresenta a aparência do sofrimento.

O homem moderno, tecnológico, deve aprender a servir. Deve se tornar um servidor do bem, desfrutando da felicidade relativa, com alegria, tendo a coragem de cantar a melodia da ternura. A paz do mundo começa em cada ser humano. Ela não está fora, pelo contrário, está dentro de cada um.

Encerrado o ato sob aplausos intensos, o hino do Movimento Você e a Paz – Paz pela Paz, de Nando Cordel -, foi entoado por todos com sentida emoção e felicidade pelo encontro pacífico e pacificador.

Fotos: Jorge Moehlecke

Assine a versão impressa
Leia também