Jornal Mundo Espírita

Agosto de 2019 Número 1621 Ano 87

Movimento Nacional da Cidadania pela vida

outubro/2013

A Rede Globo levou ao ar na novela Amor à vida, uma cena com forte propaganda abortista. Os diálogos utilizados entre os personagens da trama se deram com base em informações erradas sobre o aborto, visivelmente com intenção de formar mentalidade favorável a essa prática no país, o que motivou que o Movimento Brasil sem Aborto dirigisse a seguinte nota:

Carta Aberta à TV Globo a respeito da abordagem sobre aborto provocado na novela Amor à Vida.

Ilustríssimo senhor Carlos Henrique Schroder, diretor-geral da TV Globo.

Em cena da novela “Amor à vida”, no capítulo 82, que foi ao ar no dia 23 de agosto, a Rede Globo entrou com extrema superficialidade e com inúmeros equívocos em debate que merece ser abordado com seriedade e fundamentação. Em evento desconectado do enredo, entra em debate o aborto provocado. O personagem de um médico, chefe da residência médica, afirma que “o aborto ilegal está entre as maiores causas de mortes de mulheres no Brasil”. E afirma também que “infelizmente o aborto ilegal se tornou caso de saúde pública”.

Vamos aos dados oficiais, disponíveis no Datasus: faleceram no Brasil, em 2011 (último ano a ter os dados totalmente disponíveis), 504.415 mulheres. O número máximo de mortes maternas por aborto provocado, incluindo os casos não especificados, corresponde a 69, sendo uma delas aborto dito legal. Portanto, apenas 0,013% das mortes de mulheres devem-se a aborto ilegal. Comparando, 31,7% das mulheres morreram de doenças do aparelho circulatório e 17,03% de tumores. Estes, sim, constituem problemas de saúde pública.

Houve também clara confusão entre os conceitos de “omissão de socorro” e “objeção de consciência”, com laivos de intolerância à liberdade religiosa. Desconhecemos que alguma religião impeça seus membros de prestar socorro a “pecadores”. Se assim fosse, inúmeros assaltantes e assassinos que chegam baleados aos hospitais ficariam sem atendimento. Se até um bandido assassino que foi ferido no embate tem direito a atendimento médico, como caberia negá-lo em situações de sequelas do aborto? A cena foi preconceituosa para com as crenças do outro personagem médico, distorcendo-as. Ela parece mesmo pretender trazer confusão para a questão da objeção de consciência, situação em que o profissional de saúde se recusa licitamente a realizar ou participar do abortamento, uma vez que ele se forma para proteger a vida e não para tirá-la.

Sabedores da influência que as novelas possuem na mentalidade do povo, demandamos que haja uma retratação das falsas impressões apresentadas, pois uma emissora deve ter compromisso com a realidade dos fatos. Se a Rede Globo deseja problematizar o debate, que o faça a partir de dados e situações verazes e não apenas reproduza determinados jargões propagandísticos pela legalização do aborto em nosso país.

 Brasília, 23 de agosto de 2013.

 Lenise Garcia -Presidente nacional do Movimento Nacional da Cidadania
pela Vida (Brasil sem Aborto) –
 Jaime Ferreira Lopes – Vice-presidente
nacional executivo –
Damares Alves – Secretária-geral

Assine a versão impressa
Leia também