Jornal Mundo Espírita

Maio de 2019 Número 1618 Ano 87
Notícias das URES Envie para um amigo Imprimir

Movimento Espírita do Paraná

Centro Espírita Paz, Amor, Verdade e Justiça

junho/2007 - Por Alan Kardec Moreira

Corria o século XX. Meados da década de 40. O casal Vitor Mendes Portela e Maria da Conceição Portela, egressos de Ponta Grossa (PR), chegaram a Faxinal. Nesta época, Faxinal ainda não havia conquistado sua emancipação política, fato que só viria a ocorrer no dia 14 de dezembro de 1951.

Cidadezinha extremamente pequena, com recursos escassos, poucas residências, distando 330 km da Capital paranaense, era de difícil acesso, pois a rodovia que a ligava aos centros maiores não era pavimentada.

Pelo significado do nome, “campos abertos de matos curtos” , pode-se imaginar o que era, então.

O casal já havia tomado contato com o Espiritismo, em Ponta Grossa, onde a Sra. Conceição, como era conhecida, chegara a frequentar grupos mediúnicos. Algum tempo depois de instalados em Faxinal, um dos filhos passou a apresentar alguns desequilíbrios, que foram creditados a questões de caráter mediúnico. Os pais passaram a levá-lo a Ponta Grossa, cidade mais próxima de que tinham conhecimento de Movimento Espírita.

Mas a dificuldade de locomoção era grande e então detectaram a necessidade de se realizar as reuniões em Faxinal.

O Senhor Vitor foi o grande idealizador da ideia, que começou com um grupo de pessoas se reunindo nas casas dos participantes, sob a direção de Manoel Bento Ozório, o único com experiência em trabalhos mediúnicos, diga-se, atividade exclusiva daquele grupo.

O passar do tempo assinalaria a necessidade de um local adequado e exclusivo para aquele tipo de atividade, pois grande era o número de pessoas em desequilíbrio que buscava o socorro naquele pequeno grupo nascente.

Alugou-se um pequeno cômodo para a realização dos trabalhos, que passaram a ser dirigidos por Luiz Shilato. Em meados dos anos 50, a direção passaria a Vitor Portela. Este, não se acreditando suficientemente preparado, buscou apoio nos amigos de Ponta Grossa. Começava ali o estudo das obras de Allan Kardec. E, logo se deu conta Vitor da necessidade de constituir uma Instituição organizada, com normas e objetivos definidos. Passou a defender a ideia junto aos demais companheiros e, no dia 12 de dezembro de 1958, o sonho se tornou realidade.

Vitor Portela, junto a um grupo de corações idealistas, fundou o Centro Espírita Paz, Amor, Verdade e Justiça. Assim, o Centro Espírita começou praticamente junto com a própria cidade, pois o município tinha apenas 7 anos. Como a própria localidade, o Centro Espírita passou a caminhar com passos firmes, contribuindo para o progresso da cidade.

Da primeira Diretoria fizeram parte, como Presidente: Vitor Mendes Portela; Vice-Presidente: Laura Teixeira Ozório; Secretário: Juvenal de Campos; Tesoureiro: Ivo Ferreira, tendo participado da fundação do Centro, ainda, Maria Conceição Portela, Maria Neuza Teixeira Ávila Ozório, Maria Siva Martins, Maria Eugênia Ferreira, Eugênia Bonfim, Dealcides Balhs, Carmélia Teixeira Osório, Violeta Balhs, Rolim Lisboa dos Santos, Gustavo José Moreira, Nilson Portela, Manoel Bento Ozório, Fernandes de Aladins Moreira.

Embora nascido em torno da prática mediúnica, o passar dos anos foi assinalando a necessidade do estudo da Doutrina e os trabalhos se foram multiplicando. As senhoras se organizaram para o serviço social espírita, iniciou-se a Evangelização Espírita Infantil e o Estudo da Doutrina Espírita.

As reuniões públicas foram instituídas no ano de 1977, por Carlos Magno Portela. Nessas reuniões, fazia-se a leitura e comentário de trechos de O Evangelho segundo o Espiritismo. O passe era transmitido com os médiuns em transe.

Esse ano é, também, o da desencarnação de Vitor Portela.

A Evangelização Espírita Infantil foi iniciada por Terezinha Edenir Ozório Moreira, com um grupo de crianças denominado Soldadinhos de Cristo.

Louve-se, além do pioneirismo de tantos corações devotados, a participação de Lannes Boljevac Csucsuly, sua esposa Abigair Ivone Csucsuly (hoje sediados em Maringá), de Jânio Dalla Costa e sua esposa Maria Dalla Costa (residentes em Apucarana) que, juntamente com Vitor Procópio Portela promoveram uma verdadeira revolução doutrinária no Centro Espírita.

Alguns fatos curiosos que merecem, ainda destaque, é de que, no princípio do Movimento Espírita de Faxinal, certamente por atavismo dos tantos emigrados do Catolicismo, foram realizados alguns “batismos”, à época entendidos como espíritas.

Também o de que ainda se encontra encarnado Fernandes de Aladins Moreira, o único a participar do Centro Espírita, de forma ininterrupta, desde sua fundação.

Foram presidentes, ao longo desses 56 anos: Vitor Mendes Portela (1958 – 1976), José Taborda, Carlos Magno Portela, Antonio Pinheiro, José Lineu Portela, Fernandes de Aladins Moreira, Oriel Lisboa dos Santos, Vitor Procópio Portela, Inácio Theodósio, Alan Kardec Moreira e Paulo Geremias Irmani (atual).

O Centro Espírita Paz, Amor, Verdade e Justiça pertenceu à 5ª. URE até o ano de 1995, quando foi instalada a 6ª. URE, com sede em Apucarana.

Foto: Juvenal da Silva Campos

 

 

6ª União Regional Espírita

 

A 6ª União Regional Espírita – URE, embora tenha sido criada, conforme ata que se extrai da 7ª URE, em 1º de outubro de 1972, com eleição, inclusive de Presidente: Luiz Picinin, de Rolândia e Vice-Presidente, Pedro Garcia, de Arapongas, somente foi verdadeiramente instalada, como desmembramento da 5ª URE (Sede Londrina), em 12 de novembro de 1995, com sede em Apucarana.

 

Foram seus Presidentes:

Jânio Dalla Costa 1995 a 2000 sede Apucarana
Hermes Silva Leão 2000 a 2002 sede Apucarana
Ana Lúcia Moreira de Oliveira 2002 a 2006 sede Apucarana
Alan Kardec Moreira 2006 a 2008 sede Faxinal

 

Assine a versão impressa
Leia também