Jornal Mundo Espírita

Julho de 2019 Número 1620 Ano 87
Sugestão de Leitura Envie para um amigo Imprimir

Minha família, o mundo e eu

novembro/2012

Esta obra é de autoria do Espírito Camilo, que no-la brindou graças à abençoada psicografia de Raul Teixeira. O livro veio a lume em 2011, apresentando trinta e um capítulos.

Por que um livro abordando a família, quando já temos tantos que falam a respeito da educação dos filhos, do relacionamento conjugal, da demissão de pais?

O Codificador da Doutrina Espírita, ao inquirir os Benfeitores espirituais a respeito das consequências do relaxamento dos laços de família, recebeu a resposta de que haveria uma recrudescência do egoísmo. (O livro dos Espíritos, item 775).

E alertam eles: Os laços sociais são necessários ao progresso e os de família mais apertados tornam os primeiros. Eis porque os segundos constituem uma lei da Natureza. Quis Deus que, por essa forma, os homens aprendessem a amar-se como irmãos. (O livro dos Espíritos, item 774)

Ao justificar o porquê da obra, escreve o Espírito Camilo: Diante dos planos de entidades infelizes, sombrias, que de longa data se empenham em desmontar onde e como puderem a constituição dos lares, a formação da família, e perante os continuados pedidos de orientação, de amparo e de sustentação, que nos chegam de inumeráveis corações no planeta, é que nos animamos a entretecer algumas considerações que possam auxiliá-los nos esforços para a compreensão dos laços familiares e para o melhor relacionamento possível do grupo doméstico.

O livro aborda os mais diversos assuntos dentro da temática família, desde o consórcio matrimonial, o casal e a sua sexualidade, as separações conjugais, o planejamento familiar, as responsabilidades dos pais perante os filhos que lhes são confiados pelo Criador a detalhes como heranças para os filhos e a questão da adoção.

Qual será a melhor herança a deixar para os nossos filhos? Será importante lhes deixar polpudas somas em dinheiro, propriedades, vasto patrimônio, a fim de que não necessitem se preocupar com ganhar a própria vida?

E o que legam os pais é fruto do trabalho duro e honesto ou resultado de fontes espúrias, a custo de lágrimas e dores alheias?

Adentra-se o Benfeitor Camilo, com a postura ora de moderno e amadurecido pensador, de psicólogo social e de sociólogo, ora de um pai e de experiente pensador, trazendo às reflexões ângulos importantes sobre a nossa relação familiar, enfocando os filhos em expiação, com dificuldades morais, filhos homossexuais.

As orientações do lúcido Espírito se pautam no conceito de que o filho, antes de tudo, é filho de Deus, colocado sob os cuidados dos pais com o sentido de evoluir para o Pai Comum.

Evoca os eventuais sentimentos dos pais ao descobrirem a homossexualidade do filho, as inquietudes que tomam de assalto a muitos e, por fim, em claro convite à reflexão e à responsabilidade, exorta para que ofertemos as mais lúcidas orientações, continuando a amá-los, entendê-los e a envolvê-los nas orações enternecidas.

O livro busca abarcar toda a grave problemática que adentra os lares, nos tempos atuais. Os hábitos infelizes do isolamento, portas adentro do lar, as mágoas intermináveis, os silêncios que maceram as almas, mais agredindo do que palavras expressas, os processos obsessivos intrincados, tudo é lembrado, e para cada situação, uma orientação pautada na Lei do Amor.

Afinal, todos nascemos para nos tornarmos melhores, para resgatarmos velhos compromissos mas, sobretudo, para transformar nossas famílias por laços materiais em famílias por laços espirituais, alongando os reencontros, através dos tempos vindouros.

Viver em família é exercitar o amor, em todas as suas graduações, vivendo as experiências de pais, filhos, irmãos, avós, estendendo-se aos demais componentes que se vão agregando: genros, noras, cunhados.

Em cada  capítulo, em cada item, uma mensagem de esperança, que remete ao mundo novo que todos anelamos e que podemos respirar desde o hoje.

Por isso, frisa: Será abençoado o tempo em que os casais, libertados de suas posturas machistas e feministas costumeiras, possam se abraçar e se olhar, olhos nos olhos, cheios de ternura; quando puderem dizer, reciprocamente, coisas bonitas e verdadeiras.

Grandioso será o dia em que os genitores, após os enfrentamentos complexos da educação dos rebentos, ao vê-los risonhos a pedir entendimento e direção, com olhos brilhantes e gestos vibrantes, a eles pudessem dizer: “Filhos abençoados, presentes de Deus em nossa existência, que seria de nós sem a sua presença a conferir valor e sentido ao nosso lar?

Que venturosa será a ocasião em que cada filho conseguir avaliar a bendita significação dos seus pais em sua vida, conseguindo externar-lhes: “Pai, mãe, amigos amados de meu caminho, de que honra se reveste a minha vida por tê-los ao meu lado!”

No todo, o livro conclama a resolvermos nossas situações familiares, nem sempre felizes, por vezes complicadas, não esquecendo de dedicar um tempo maior aos nossos amores.

Nesses dias de tanta correria, de tantos afazeres, de tantos compromissos sociais, em que se delega a terceiros a guarda dos nossos rebentos, em repetidas e reiteradas vezes, é bom ler a obra e refletir a respeito: Onde estaremos falhando? O que podemos fazer para melhorar, ainda hoje, a situação tal ou qual em que nos sentimos e vemos inseridos?

A obra foi publicada pela Editora Fráter, e o produto das vendas é destinado à manutenção do Remanso Fraterno, departamento social da Sociedade Espírita Fraternidade, em Niterói, Rio de Janeiro.

Assine a versão impressa
Leia também