Jornal Mundo Espírita

Agosto de 2019 Número 1621 Ano 87

Membro da Galeria dos Notáveis

março/2016

As descobertas e invenções médicas transformaram a vida de várias civilizações, tornando-a possível com menos sofrimento e por mais tempo. Mas, nada seria possível ou suportável se não fosse descoberta uma forma de vencer a dor, desafio que sempre se impôs como um objetivo para os estudiosos da ciência médica, desde Hipócrates.

Por isso, não é possível falar das grandes invenções da medicina sem um capítulo generoso dedicado àquele que descobriu como era possível fazer uma cirurgia com anestesia geral. Isso aconteceu em 1846, na cidade de Boston, nos Estados Unidos, quando o dentista americano Thomas Green Morton, pela primeira vez, usou o éter para realizar uma cirurgia. A anestesia com clorofórmio foi introduzida no Reino Unido em 1847.

Com a ameaça da paralisia infantil crescendo, após a Segunda Guerra Mundial, Albert Sabin e outros pesquisadores, notadamente Jonas Salk, em Pittsburgh, iniciaram a busca por uma vacina para prevenir ou amenizar a doença. Em 1961, Sabin apresentou seu produto, preparado com o vírus atenuado da pólio, que poderia ser tomada oralmente, e prevenia a contração da moléstia. Essa é a vacina que eliminou efetivamente a pólio em quase todo o mundo (exceto em alguns países, na África e Ásia).

Timothy John Berners-Lee é um físico britânico, cientista da computação e professor do MIT. É o criador da World Wide Web (a Internet), tendo feito a primeira proposta para sua criação a 25 de março de 1989. Revolucionou conceitos de comunicação e de divulgação em todo o mundo.

Esses homens e muitos outros estão inscritos no panteão dos modernos benfeitores da Humanidade.

No entanto, há que se registrar o trabalho de um outro homem, que ousou corajosamente uma incursão nas profundezas da alma, desbravando o continente da Imortalidade.

Foi Allan Kardec, o insigne Codificador da Doutrina Espírita.

Travou uma batalha silenciosa e árdua, dirigido pelo pensamento de Jesus e dos Seus ministros, para preparar o advento da Era Nova do Espírito imortal, quando novos conceitos poderiam ser apresentados ao mundo, dando lugar a outros comportamentos ético-morais, políticos, sociais e humanistas…

(…)Não descansava, não desanimava, prosseguindo na busca dos diamantes da verdade, qual garimpeiro indômito que avança, caverna adentro, seguindo o veio denunciador das gemas preciosas…

Aplicando contínuos dias e noites na limpeza da ganga jungida aos metais de incomparável beleza, reuniu-os em um diadema de valor inestimável, formando a obra que ficou imortalizada após a sua publicação, no dia 18 de abril de 1857, na Paris das glórias mundanas e culturais, das conquistas incomuns do pensamento e da razão.

O Livro dos Espíritos surgiu como um diamante estelar no zimbório do pensamento terrestre e projetou claridade incomparável nos intrincados problemas que diziam respeito ao ser humano, à vida e à realidade existencial. [1]

O livro-luz desdobrou-se, posteriormente, em mais quatro obras, formando a denominada Codificação Espírita: O livro dos médiuns, O Evangelho segundo o Espiritismo, O céu e o inferno e A gênese.

A mensagem espírita ganhou territórios e pessoas, reescrevendo a vida e o modo de viver, como o alfabeto da Nova Era sobre o qual se erguerá o templo da paz, quando a mensagem da Terceira Revelação atingir todas as criaturas do orbe, realizando o fanal da imensa revolução social que modificará as estruturas do Planeta. [2]

Antídoto para as problemáticas afligentes da atualidade é o Espiritismo abrindo o pórtico da esperança revigorada, mediante a proposição do Cristianismo restaurado.

O Espiritismo traz Jesus de volta, agora vivo e descido da cruz, atuante e presente em todos os dias da nossa vida.

Green Morton bloqueou a dor física. O Espiritismo, diante das dores d’alma, traz o anestésico do consolo e reveste-nos o coração com o amálgama do amor, a mais pulsante força do Universo, impulsionando-nos aos atos nobres, os quais nos auxiliarão a superação definitiva de todas as dores espirituais, por mais superlativas que sejam.

Sabin preveniu a paralisia do corpo, com sua aplaudida vacina. O Espiritismo vacina-nos contra a paralisia espiritual, convocando-nos para o progresso contínuo, rompendo as correntes dos atavismos comportamentais que nos retêm nas sombras do ontem, caminhando em direção da Grande Luz, em definitiva religação com Deus.

Berners-Lee criou o mecanismo da comunicação global entre as pessoas. O Espiritismo abre-nos as portas da comunicação muito além do global, nos integrando aos vivos de sempre, que julgávamos mortos, fazendo de nós, cidadãos do continente da Imortalidade.

Jesus e Kardec. Mestre e discípulo. Caminho e porta diante de nós!

Doutrina reeducativa e orientativa, por excelência, com ensinos para sempre, revela-nos um novo modo de pensar e de ser.

Indispensável, portanto, estudar Kardec para melhor compreender Jesus.

Quando seu corpo tombou em 31 de março de 1869, vitimado pela desencarnação, Allan Kardec sabia ter deixado pronta e consolidada a incomparável tarefa de que se fizera apóstolo.

Podemos afirmar que Allan Kardec insere-se no contexto dos homens e mulheres mais sábios do século XIX, fazendo parte da galeria dos notáveis de toda a História da Humanidade.



[1] FRANCO, Divaldo Pereira. Espiritismo e vida. Pelo Espírito Vianna de Carvalho. Salvador: LEAL. cap. 17.

[2] ______. Compromissos iluminativos. Pelo Espírito Bezerra de Menezes. Salvador: LEAL. cap. 29.

 

Assine a versão impressa
Leia também