Jornal Mundo Espírita

Fevereiro de 2021 Número 1639 Ano 88

Lições para a vida

A música rompe o cárcere da enfermidade

fevereiro/2021

Ela desencarnou em março de 2020, no lar de idosos, onde morava, desde setembro de 2014,  na província de Alicante, na Espanha.

Marta González Saldaña, que usava o nome artístico Marta Cinta, era natural da capital espanhola, onde viveu seus primeiros anos de vida, até o pai, engenheiro, ter sido enviado para Cuba, para construir a nova linha ferroviária do país.

Ela viveu e dançou em Nova Iorque, entre 1966 e 1978, para onde se mudou depois de abandonar Cuba, onde era conhecida como virtuose da dança clássica e destacada coreógrafa.

Aplaudida nos palcos, jamais imaginou que idosa, presa a uma cadeira de rodas, mesmo depois de sua morte, outra extraordinária performance, inusitada, viralizaria na internet.

Em junho de 2019, a Instituição que a hospedava, recebeu a visita da Associação Música para Despertar.

O diretor, Pepe Olmedo, disse em entrevista a um site espanhol que se surpreendeu com a reação de Marta: Foi algo absolutamente impressionante.

Bastou lhe ser colocado o fone ao ouvido, com a música de Tchaikovski e ela pede para aumentar o volume.

Então, de algum lugar do seu cérebro, as memórias despertam e se organizam. Os movimentos da princesa encantada de O lago dos cisnes, que ela protagonizou, transportam a bailarina ao palco.

Gestos vigorosos, treinados durante anos, são liberados da prisão do mal de Alzheimer.

Marta mostra como a música reacendeu seu cérebro adoecido:

Nesta hora, diz ela, é preciso tocar as pontas, referindo-se ao movimento da coreografia.

Agora é o coro. Diz que é a hora de usar as pernas e voltam os movimentos das asas dos cisnes.

A expressão da face reproduz exatamente o que ela interpretava no seu solo e os gestos correspondem aos originais, da sua juventude.

A música desperta a antiga bailarina.

O Espírito é livre e, embora sem poder usar as pernas, os braços e a face falam das recordações dos dias de glória do passado, da técnica, da dança, da interpretação.

A música lhe fala ao Espírito e ela responde.

A música é a voz dos céus profundos.

A música desperta na alma impressões de arte e de beleza (…).1

Impossível não se emocionar assistindo às imagens.2

 

Referências:

1 DENIS, Léon. O Espiritismo na Arte. Rio de Janeiro: Arte e Cultura, 1990. cap. VI e VII.

2 https://www.youtube.com/watch?v=sXNOloPxIH0

Assine a versão impressa
Leia também