Jornal Mundo Espírita

Agosto de 2019 Número 1621 Ano 87

Lições para a vida

Espantando a solidão

janeiro/2018

Quantas vezes reclamamos de solidão. Quantas vezes, abraçados por ela, nos isolamos, dizendo não ter amigos, não ter quem nos ame, não ter com quem conversar.

Quase nunca lembramos que se estamos sozinhos, importante que busquemos alguém para compartilhar nossas experiências, que saiamos em busca de algo de útil a realizar, em benefício de outrem.

Keith Davison, de 94 anos, encontrou uma fórmula interessante.

A perda de um familiar nunca é fácil. Principalmente se for a sua parceira (ou parceiro) de um longo casamento. A solidão pode se tornar uma luta diária.

Foi isso que ele sentiu quando sua esposa, Evy Davison, de 66 anos morreu, em 2016, vitimada pelo câncer.

Keith diz que, após a morte da esposa, ficar sozinho em casa era muito difícil.

Como não poderia ser?

Décadas de um casamento estável e cheio de amor são a base para uma casa feliz.

Você não pode imaginar como é passar por isso, conta. Você chora muito porque ela não está mais aqui.

O juiz aposentado queria companhia, mas também queria retribuir isso de alguma forma.

Então, decidiu construir uma piscina no jardim de sua casa, em Morris (Minnesota, EUA), para convidar a vizinhança e diminuir a solidão de uma casa silenciosa.

A piscina mede 4,9m x 9,8m e foi instalada no início de 2017. Afinal, o simpático senhor queria tudo pronto para as férias da criançada durante o verão americano.

Apesar dos três filhos adultos, Keith não tem netos.

Mas agora, como disse um de seus vizinhos: Ele adotou todas as crianças do bairro, esses são seus netos.

Keith não se sente mais sozinho, embora ele também curta um mergulho quando está tudo calmo na piscina.

https://awebic.com/humanidade/piscina-vizinhanca/

Assine a versão impressa
Leia também