Jornal Mundo Espírita

Junho de 2019 Número 1619 Ano 87

Lições para a vida

Casa do Zezinho

junho/2017

Dagmar Rivieri se interessou pela educação e pela favela ainda criança. Aos quatorze anos, realizou seu primeiro trabalho voluntário. Durante a ditadura militar, dedicou-se a atender filhos de exilados políticos. A Casa do Zezinho nasceu quando ela e o marido, o artista plástico Saulo Garroux, abrigaram meninos ameaçados de morte por grupos de extermínio.

Carinhosamente chamada Tia Dag, deu origem à Casa do Zezinho nos anos 70, em sua experiência voltada para crianças com traumas circunstanciais. Recebia filhos de refugiados políticos de zonas de conflito e de ditaduras na América Latina em bairros da zona sul da cidade de São Paulo. Expunha essas crianças àquelas que viviam um trauma permanente: o da miséria resultante de exclusão social e que viviam em lugares até então pouco falados, como a Favela do Fede, no Morro da Lua, zona Sul de São Paulo.

O imóvel de paredes coloridas, com três mil e duzentos metros quadrados, abriga dois mil moradores dos bairros Santo Antônio, Capão Redondo e Jardim Ângela, uma das regiões mais violentas do país, para receberem aulas de informática, línguas, música e esportes. Para concorrer a uma vaga, é necessário entrar numa lista de espera que, atualmente, tem mil nomes.

O projeto funciona como um complemento escolar e, para tornar-se um Zezinho é necessário estar matriculado e ter frequência regular na escola. Além do apoio educacional, os jovens recebem alimentação e participam de múltiplas  atividades relacionadas à arte, cultura, esportes e oficinas de capacitação profissional.

Tia Dag é educadora, mas seu projeto não se restringe à educação. No quarteirão vizinho à Casa do Zezinho funciona o Se Cuida, Zezinho, clínica de medicina integrativa que oferece consultas à população local.

Tem ainda o Maria Zezinho, que propõe a troca de conhecimentos entre netos e avós da comunidade. Os garotos ensinam informática às mulheres mais velhas e elas os instruem sobre ofícios como costura e culinária.

O Mãe Zezinho funciona onde antes havia um ponto de drogas. Ali, as adolescentes que cuidam de crianças enquanto os adultos trabalham, recebem instruções sobre saúde, educação, higiene e desenvolvimento infantil.

https://www.casadozezinho.org.br/

Um grande exemplo de que é possível mudar o mundo, alterar o cenário, transformar o caos em jardim. Quantas criaturas tiveram a história de suas vidas alterada. Quantas crianças e jovens se tornaram cidadãos que honram a sociedade em que se movimentam!

O Brasil melhor se constrói assim.

Assine a versão impressa
Leia também