Jornal Mundo Espírita

Julho de 2019 Número 1620 Ano 87

Lições para a vida

Médico opera brinquedo para que criança se sinta mais tranquila

março/2017

Com uma mão, o médico faz os pontos necessários para fechar um ferimento. Com a outra pressiona o corpo do paciente para que nem um pouco de enchimento fique de fora. Nesta mesa de operação, quem está sendo atendido não é uma pessoa, mas um bichinho de pelúcia que pertence a outro paciente.

A história ganhou destaque após o Hospital Infantil de Wisconsin compartilhar a foto do Doutor Groth cuidando de Mike Wazowski, personagem de Monstros S.A. Segundo a instituição, médicos, enfermeiros e outros funcionários do local fazem de tudo para que as crianças se sintam confortáveis e seguras. Tratar os brinquedos é uma estratégia frequente.

Em entrevista, Dr. Groth contou que o garotinho Ryan Jasen levou o brinquedo para a sala de operação. Observando que o boneco estava bastante gasto, ele teve certeza de que se tratava do seu favorito, e aproveitou a ocasião para consertar um rasgo.

O pai de Ryan, Tony, contou que, quando o filho despertou do efeito anestésico, logo viu Mike enfaixado e percebeu que os dois estavam numa situação parecida, amenizando suas reclamações. Tanto o garoto quanto seu brinquedo já receberam alta e seguem se recuperando em casa.

http://www.hypeness.com.br/2017/01/medico-opera-brinquedo-
para-que-crianca-se-sinta-mais-tranquila/

 

Empatia é derivada do grego empatheia, que significa afeto ou paixão, ou ainda entrar no sentimento.

Também tem sido definida como a projeção de sua própria personalidade na personalidade de outra pessoa, a fim de entendê-la melhor.

Alguns terapeutas abraçam uma definição mais ampla. Dizem que somos empáticos quando respondemos à necessidade do paciente, quando lhe oferecemos o que ele precisa para melhorar.

Sem empatia nos isolamos em nossos próprios sentimentos, sem troca, sem alimentação.
Sem empatia nossas trocas de energia encontram barreiras, linhas imaginárias por onde o sentir não consegue passar.

Sem dúvida alguma, a empatia é um novo estágio nos relacionamentos humanos, fundamental para que cresçamos e nos entendamos em níveis mais profundos. Ter empatia é ouvir com o coração.

Precisamos, como pais, educadores, mergulhar com mais frequência, no mundo dos sentimentos das crianças. Só assim eles se sentirão amados e amparados. Bom exemplo nos apresentam o corpo médico, de enfermagem e funcionários do Hospital Infantil de Wisconsin.

 

Assine a versão impressa
Leia também