Jornal Mundo Espírita

Setembro de 2019 Número 1622 Ano 87

Juventude e obsessão

novembro/2012

Obsessão é como teia na rota

Do invigilante, enquanto a mente embota,

Empurrando, sinistra, a alma p’ro lodo.

Há obsessão quando o Espírito tomba,

Por não ver o caminho envolto em sombra,

Por se haver permitido o horrendo engodo.

 

A obsessão começa na proposta

De uma mente que na tua mente encosta,

Testando o teu poder de vigilância.

Não deixes, pois, a cabeça vazia,

Conduze-te bem no teu dia a dia,

Vivendo em paz, em nobre militância.

 

Nenhum perturbador terá entrada

Se manténs a tua vida resguardada,

Nessa busca de Deus, tranquila e boa.

A obsessão mostra o consentimento

De quem não mais controla o pensamento,

Onde a sombra mais tormento amontoa.

 

Mantém-te sempre alerta, ó juventude,

P’ro fogo fátuo que no mundo ilude

Cada pessoa incauta pela trilha.

Guarda-te no trabalho e na oração,

Mais junto ao bem, atento em cada ação,

Pois é só assim que o ser interno brilha.

 

Trata com honestidade os compromissos,

Porque é triste encontrar seres omissos

Na Seara de trabalhos de Jesus.

Nunca percas o passo da justiça,

Enraizando equilíbrio em toda a liça

Onde buscas, ansiosa, a própria luz.

 

Resguarda-te no amor, sã juventude,

Tornando a sexualidade a virtude

Que te alcandore nos rumos de Deus.

Evita corromper as energias

Pelos bordéis, em doidas baixarias,

Que infelicitam os destinos teus.

 

Faze-te vigilante ante a bebida

P’ra que o álcool não te corroa a vida,

E te empurre p’ras valas da indigência.

Se caminhares com sobriedade,

Cantarás aos Céus tua felicidade,

Numa vida de honradez e decência.

 

Evita usar a droga que te anula,

Para que as sombras não te tornem mula,

Cavalgando-te em vias de amarguras.

Canta, feliz, as bênçãos da saúde,

Como quem tira sons de um alaúde,

Longe do mal, no seio das Alturas.

 

Ivan de Albuquerque
(Caminhos para o Amor e a Paz,
Raul Teixeira – ed. Fráter)

Assine a versão impressa
Leia também