Jornal Mundo Espírita

Agosto de 2019 Número 1621 Ano 87
Notícias das URES Envie para um amigo Imprimir

Inter Regional Norte

março/2011

Mais um ano de Inter-regional começou. Um evento sempre marcado pela alegria do reencontro, pela oportunidade da revitalização dos laços de fraternidade que devem sustentar a relação dos espíritas que trabalham na difusão do Espiritismo no Paraná.

A delegação da Diretoria Executiva deixou Curitiba, no dia 19 de fevereiro, às 9h30, a partir da sede administrativa da FEP, em um ônibus fretado, como já se habituou a fazer nesses últimos 2 anos, e chegou por volta de 15h30 em Londrina, no hotel Golden Blue.

Compunham essa delegação: Francisco F. Batista e Eleonor C. Batista, Luiz Henrique da Silva e Marize C. da Silva, Daniel Dallagnol, José V. Góes, Cesar Kloss, Danilo Arruda, Marcelo G. Kolling, Marcio da Cruz, Marco Negrão, Paulo David e Elisabeth M. Choinski, Maria Helena Marcon, Mari Ishiyama, Maria da Graça Rozetti e Valdecir Rozetti, Tatyanna Braga de Moraes, Elisângela Dias Toledo.

Antes do encontro de domingo, como de costume, reunimo-nos DIREX FEP e Diretoria das Casas Espíritas. Esse encontro se deu no sábado, entre 19 e 22h, para a prestação de contas e para o intercâmbio de experiências locais, com característica de uma reunião informal.

O presidente Francisco Ferraz começa lembrando que a proposta é a de confraternização. Reforça que os seminários de domingo não são terminativos ou conclusivos, como se fossem uma imposição. Antes, contudo, serve para ouvirmo-nos e buscar o apoio mútuo, procurando sensibilizar os agentes multiplicadores da divulgação em seus vários setores de atuação.

Fez um panorama do Movimento Espírita no Mundo e da forte organização que o caracteriza nesses dias de grandes desafios para a Unificação.

Logo após, o diretor do departamento de Unificação, José V. Góes, relembrando o Benfeitor Bezerra de Menezes e tantos outros divulgadores, como Divaldo Franco e Raul Teixeira, além dos esforços de Lins de Vasconcellos, entre tantos outros, busca concitar todas a esta desafiadora tarefa, que é a de aproximarmo-nos fraternalmente, respeitando as diferenças, as peculiaridades de cada cidade, de cada cultura, de cada região. Abraçando a todos, ele encerra sua breve exposição, enfatizando que é uma grande alegria estarmos reunidos em torno do ideal espírita.

Cerca de 70 pessoas, entre dirigentes e representantes das Casas Espíritas da região, estiveram presente.

Luiz Henrique apresenta notícias a respeito do Centro de Treinamentos Lins de Vasconcellos, em fase de conclusão. Enfatiza que se trata de um local destinado a encontros, treinamentos e reflexões para os trabalhadores espíritas, não se restringindo, a rigor, apenas aos trabalhadores do Paraná.

Daniel Dallagnol apresentou, por sua vez, as principais ações empreendidas nas unidades sociais da FEP: Hospital Bom Retiro; 3 Centros de Educação Infantil (Josefina Rocha, Mariinha e Bezerra de Menezes); Escola Profissional Maria Ruth Junqueira, que qualificou tecnicamente mais de 15 mil alunos durante 2010 . Lembrou que todas as atividades são realizadas em imóvel próprio da FEP. São cerca de 400 funcionários em todas as unidades, além da livraria e sede, que demanda, sem dúvida, permanente atenção e austeridade administrativa.

Palavra da URE.

4ª URE (Maria de Lourdes, de Santo Antonio da Platina): noticia o aniversário de 80 anos de existência da União Espírita Jesus Nazareno. São 29 Municípios, sendo 11 Casas em 10 Cidades contempladas. Público instável, variável. As lideranças envelhecem e não há continuidade por conta da ausência dos jovens. Aproveitou o ensejo para divulgar a realização de palestra com Sandra Borba, em 16 de março. Lourdinha entende que um caminho, de fato, como já vem acontecendo, é a intensificação de seminários e treinamentos da região.

5ª URE (Maria Aparecida ou Cidinha, de Cornélio Procópio): até 2010, pertencia à URE de Londrina. Neste ano, com o deslocamento da sede para Cornélio Procópio, a diretoria passou a empreender visitas nos pequenos Centros da região e está buscando conhecer e levar a palavra de motivação e estímulo para esses lidadores, a fim de que se mantenham entusiasmados. Então, é um período de aproximação maior. No dia 14 de março, Suely Caldas Schubert estará em Cornélio Procópio para a pré Conferência Estadual.

6ª URE (Maria Aparecida, de Apucarana): neste ano, o Conselho Regional já se reuniu para definir as atividades envolvendo das 11 Casas, Suely no dia 15 em Apucarana e Raul no dia 16 de março, em Ivaiporã. Disse, entusiasmada, que mobilizou 2 lotações para o encontro deste final de semana, além de dizer que fará o mesmo em relação à Conferência Estadual de 18 a 20 de março. (FOTO 008 – as presidentes da 5ª, 4ª, e 6ª. URE)

URE Metropolitana de Londrina (Luiz Claudio): contempla as cidades de Londrina, Cambé e Ibiporã. Criada em Outubro de 2010, em função da extensão territorial e da consequente necessidade de aproximação, dificultada pela distância geográfica. Assim que criada a URE, foi estruturada uma equipe de trabalho para que as atividades não tivessem solução de continuidade. São, hoje, cerca de 16 pessoas integrando esse grupo de trabalho. Ele considera que a presença do secretário inter-regional, Fernando, é um privilégio, por conta da proximidade. Lembra que a criação da URE Metropolitana partiu de uma proposição do confrade Astolfo Olegário, levada para apreciação do Conselho Federativo Estadual- FEP. Apresentou, ainda, os eventos programados para 2011 na região. 17 de março, palestra com Sandra Borba, no C. E. Nosso Lar. Fará um encontro entre 5 a 8 de março, sem pernoite, no Lar Anália Franco, para os jovens que não puderem participar do Encontro Confraternativo de Juventudes Espíritas do Paraná, em Curitiba. Noticiou palestra com Haroldo Dutra Dias, em 24 de maio. Luiz Claudio diz que a URE procurou focar, neste primeiro semestre, nos desafios que envolvem a família. Serão, da fato, várias atividades na região, promovidas pela nova URE. A vice presidente, Marinei, enfatizou que essa composição da URE só trouxe fortalecimento para o Movimento na região.

A palavra foi franqueada para os presidentes dos Centros Espíritas. Teresinha Demartino, de Londrina, aproveitou para destacar o trabalho da FEP, parabenizando a sua Diretoria pelas ações de Unificação, pelas oportunidades que estão sendo ofertadas ao Norte do Paraná. Marcelo Seneda também usa a palavra para agradecer o respaldo que a FEP tem dado, sobretudo na área da ação social, nas escolas de profissionalização ligadas ao C. E. Meimei. Os representantes da 5ª. URE aproveitam para parabenizar a Direx e o CFE pelo desmembramento desta URE em relação à Londrina. Isso foi fundamental para facilitar a aproximação e a dinamização do trabalho. Rudolf aproveitou para falar da sua visita feita a Curitiba, a fim de conhecer o trabalho da FEP em sua sede, visitando as obras sociais administradas em Curitiba; ele destacou que foi recebido com muito calor humano pelos diretores e assessores da FEP. Allan Kardec destaca que a FEP somos todos nós, lembrando que os Conselhos Regionais formam, de fato, legitimamente, o Movimento Estadual. Ainda procura lembrar os dirigentes que a FEP dá apoio financeiro e que precisa contar com a fidelização das livrarias dos Centros Espíritas em relação à Livraria da FEP (41-3223-2579). Daniel demonstra em que se traduz a ação da FEP, no que tange às responsabilidades da DIREX, no sentido da geração de receitas: incremento de 30% nas vendas da Livraria em 2010 (120% somente na comparação entre janeiro de 2011 e janeiro de 2010), além da austeridade no gerenciamento do patrimônio e dos negócios da Federativa.

Francisco finaliza apresentando as ações na área editorial (Conselho Editorial, minipalestras, vídeos do youtube, Jornal Mundo Espírita, entre outra publicações). Joaquim Camargo sugere reedição do livro ABC do Espiritismo, com rediagramação da capa. O secretário Paulo Fernando fala da necessidade de bem administrarmos nossas Casas, pois há grande demanda e isso exige ações administrativas. Enfatiza o apoio que todos devemos dar, adquirindo obras da livraria da FEP. Marcio da Cruz, aproveitando o espaço pede que todos estejam mobilizados para o fortalecimento da Editora da FEP, notadamente em face da verdadeira “enxurrada” de obras ditas espíritas, que, nada obstante, não guardam relação com o Espiritismo. São rotuladas como mediúnicas, não raro, apenas para chamar a atenção dos consumidores, gerando um grande desperdício de energias e evasão de receitas do Movimento. Para resumir… o que a FEP vende, reinveste no Estado, nas Casas, nos eventos, nos encontros, em suma, na dinamização do Movimento do Paraná.

DOMINGO 20/02

Com o tema central “Espiritismo e Unificação”, em um dos auditórios da Universidade Estadual de Londrina, reuniram-se cerca de 280 espíritas, trabalhadores dos cerca de 60 Centros Espíritas que compõem a inter-regional Norte (4ª, 5ª, 6ª URE e URE Metropolitana de Londrina).

A grande novidade, desta feita, foi o acolhimento das crianças, com recepção, salas e atividades especialmente preparadas para valorizar suas presenças na IR Norte, tanto quanto facultar tranquilidade aos seus pais, colaboradores do Movimento Espírita local. Está de parabéns a equipe que trabalhou segundo a coordenação geral do secretário Paulo Fernando.

Na composição da mesa diretiva: Paulo Fernando de Oliveira (secretário da Inter); Cidinha (5ª URE); Maria Aparecida (6ª URE); Daniel Dallagnol; Francisco Ferraz; Luiz Henrique (Direx); Maria de Lourdes (4ª. URE).

Francisco Ferraz, presidente da FEP, começa a sua fala inventariando os objetivos da inter-regional, que estão calcados na proposta de Unificação, de confraternização entre os espíritas do Paraná. Nesse sentido, exaltou a atitude do confrade Astolfo Olegário, que tratava da criação da URE Metropolitana de Londrina. Uma vez apreciada pelo Conselho Federativo Estadual, o projeto foi aprovado, em 2010, e, ato contínuo, implantado pelas lideranças da região.

Focado no tema da Unificação, Francisco, durante 30 minutos, aproximadamente, trouxe algumas reflexões a respeito do tema, sustentadas pela opinião sempre lúcida de Allan Kardec.

“O Espiritismo teve, como todas as coisas, o seu período de gestação. Enquanto todos as questões, principais e acessórias, que dele derivam não se acharem resolvidas, somente pode dar resultados incompletos. Entreviu-se lhe a finalidade, pressentiram-se lhe as consequências, mas apenas de modo vago. Da incerteza sobre pontos ainda não determinados haviam forçosamente de nascer divergências sobre a maneira de os considerar; a unificação tinha que ser obra do tempo e se efetuou gradualmente à medida que os princípios se foram elucidando. A Doutrina é, sem dúvida, imperecível, porque repousa nas leis da Natureza e porque, melhor do que qualquer outra, corresponde às legítimas aspirações dos homens. Entretanto, a sua difusão e a sua instalação definitiva podem ser adiantadas ou retardadas por circunstâncias várias, algumas das quais subordinadas à marcha geral das coisas, outras inerentes à própria Doutrina, à sua constituição e à sua organização.”

(Obras Póstumas, segunda parte, Constituição do Espiritismo, item I, Allan Kardec, FEB, 26ª. edição)

 

“Os que nenhuma autoridade admitem não compreendem os verdadeiros interesses da Doutrina. Se alguns pensam poder dispensar toda direção, a maioria, os que não se creem infalíveis e não depositam confiança absoluta em suas próprias luzes, se sentem necessitados de um ponto de apoio, de um guia, ainda que apenas para ajudá-los a caminhar com segurança.” (Revista Espírita, abril de 1866 – “O Espiritismo independente” – Allan Kardec).”

“As maiores dificuldades talvez sejam de mentalidade, de entendimento do espírito de Unificação. Há opções em nome da Unificação que contemplam certas aberrações; criam áreas de atrito e de distanciamento entre os espíritas. É indispensável a colaboração dos dirigentes. Há necessidade de um esforço coletivo, conforme pondera Allan Kardec, ao traçar o Projeto 1868, quando adianta ele, de início: ‘um dos maiores obstáculos capaz de retardar a propagação da Doutrina Espírita seria a falta de UNIDADE’ .” (Obras Póstumas)

“O Espiritismo, que apenas acaba de nascer, ainda é diversamente apreciado e muito pouco compreendido na sua essência, por grande número de adeptos, de modo a oferecer um laço forte que prenda, entre si, os membros do que se possa…

Impossível é que semelhante laço exista, a não ser entre os que lhe percebem o objetivo moral, o compreendem e o aplicam a si mesmos.”  (Obras Póstumas)

“Organizado o Espiritismo – dizia Kardec – os espíritas de toda parte terão princípios comuns, que ligarão a grande família…. antiespírita.” (Obras Póstumas, cap. VI)

“A ação federativa far-se-á sempre no sentido da aproximação fraterna das Instituições Espíritas, que mantenham atividades doutrinárias em conformidade com a Codificação do Espiritismo, objetivando a troca de experiências e, acima de tudo, o fortalecimento do Movimento Espírita.”

Para concluir, o presidente trouxe alguns apontamentos de ex-presidentes da FEP, trazidos pela lavra mediúnica de Chico Xavier e Divaldo Franco:

 

Lins de Vasconcellos (por Divaldo Franco)

“Deixemos de lado posições pessoais, opiniões particulares e modos individualistas de ser…

“Que ninguém subestime a tarefa alheia, nem procure engrandecer-se…”

“Vede com alegria o que já conseguistes realizar, mas não vos acomodeis porque há muito o que fazer…”

 

Lopes Netto (há 60 anos, por Chico Xavier)

“Continuemos na tarefa de Unificação, embora os percalços com que somos afrontados…”

“Antes de tudo, é indispensável harmonizar, no entendimento da fraternidade legítima…”

 

“Em Unificação, estamos garantindo a preservação do Movimento Espírita aos desafios do futuro.” (Bezerra de Menezes)

 

Francisco finaliza citando os nomes dos responsáveis por tantos anos de esforços dedicados à Unificação das Instituições regionais, que culminaram na criação da URE Metropolitana de Londrina.

Depois dessa introdução, todos se dividiram pelos setores de Estudo da Doutrina Espírita, sob a coordenação de Marcelo Garcia e Marcio da Cruz, contando com 55 participantes , Mediunidade, coordenado por Danilo Arruda e César Kloss, com 70 pessoas , Comunicação Social, na responsabilidade de Maria H. Marcon e Mary Ishiyama, com 9 pessoas, Serviço de Promoção Social Espírita, coordenado por Marco Negrão, com 26 pessoas, Unificação, com José V. Góes e 6 participantes , Administrativa e Institucional, com Francisco Ferraz e Luiz Henrique com 17 pessoas, Infância e Juventude, dirigida por Tatyanna, Elisangela e Beth Choinski, com 43 participantes, Atendimento Espiritual (Maria da Graça e Valdecir Rozetti, com 27 participantes.

A FEP ainda ofereceu os serviços da Livraria Mundo Espírita sob a responsabilidade das voluntárias Eleonor C. Batista e Marize C. da Silva.

Uma grande novidade, digna de registro, foi a participação das crianças, num encontro que foi denominado pelos organizadores de mini Inter-Regional.

Retornamos todos, depois, para, por volta de 13h, encerrar as atividades, com agradecimentos e um almoço de confraternização, corando um final de semana exitoso e altamente produtivo.

Assine a versão impressa
Leia também