Jornal Mundo Espírita

Outubro de 2020 Número 1635 Ano 88

Importância do hábito da leitura

março/2020

Muitos são os benefícios que o hábito da leitura proporciona ao desenvolvimento humano, para o corpo e para a mente. Melhorar o funcionamento do cérebro, aprimorar as habilidades de comunicação, auxiliar na construção do senso crítico, ampliar o conhecimento e enriquecer o vocabulário são algumas das vantagens oferecidas pela leitura, além de ser uma excelente opção de entretenimento ao levar o leitor a viajar no mundo da imaginação.

Quanto mais cedo se introduz o hábito na vida das crianças, maiores são as chances de torná-las ávidos leitores. Ponto importante nesse processo é apresentar a leitura como algo prazeroso, buscando estabelecer uma relação de afeto entre o livro e o pequeno leitor. Dessa forma, o gosto pela leitura pode se estender por toda a sua vida.

As recomendações quanto à importância da leitura na vida das pessoas são inúmeras. Dentre elas, destaca-se a mensagem do Espírito de Verdade, em O Evangelho Segundo o Espiritismo, direcionada a todos os espíritas: Espíritas! Amai-vos, este é o primeiro ensinamento; instrui-vos, este o segundo1, declarando o amor e o estudo como preceitos básicos da Doutrina codificada por Allan Kardec.

A Federação Espírita Brasileira – FEB, em seu Plano de Trabalho para o Movimento Espírita Brasileiro 2018-2022, em consonância com as orientações do plano espiritual superior, traz como uma de suas diretrizes a Promoção do livro espírita como elemento essencial ao cumprimento da missão do Espiritismo.2

Seguindo essas diretrizes, a Área de Infância e Juventude da FEB lançou, em 2018, o Passaporte do Pequeno Leitor, parte de um projeto que visa potencializar a formação de jovens leitores espíritas. Como ação estadual, o Departamento de Orientação à Infância e Juventude da Federação Espírita do Paraná – DIJ/FEP distribuiu cinco mil exemplares às Casas Espíritas, através dos DIJs das Uniões Regionais Espíritas – UREs, para serem trabalhados com os evangelizandos. A ideia é que cada um preencha seu passaporte com as informações das viagens realizadas através dos livros. Isso incentiva a imaginação e, de forma lúdica, vai introduzindo o gosto pela leitura.

Nessa perspectiva, o DIJ tem um papel fundamental no trabalho de formação de um leitor crítico, que aprecia a leitura e se instrui em livros de qualidade, buscando em fontes seguras e confiáveis as informações que possibilitarão o seu desenvolvimento intelectual e moral.

A literatura espírita infantojuvenil oferece ampla gama de opções, com  histórias que trazem ensinamentos morais e doutrinários para cada faixa etária.

 

Dentro dessa proposta de formação de leitores espíritas, são várias as ações que podem ser desenvolvidas pelo DIJ:

  1. Leitura/Contação de histórias: enriquece a evangelização, trazendo de forma lúdica ensinamentos, conceitos doutrinários, lições para o dia a dia. A atividade pode ser realizada através da leitura da história diretamente do próprio livro, apresentando as imagens nele contidas, ou através da contação, utilizando fantoches, fantasias, maquiagem, poemas, músicas, entre várias outras opções.
  2. Biblioteca infantil/espaços de leitura: criação de espaços de leitura ou da biblioteca infantil dentro do Centro Espírita. A proposta é que seja um lugar alegre e acolhedor, onde os livros fiquem expostos e acessíveis para manuseio e leitura, como forma de atrair as crianças, também pais e familiares a conhecerem as obras, despertar a curiosidade e a vontade de ler cada vez mais.
  3. Empréstimo de livros: permitir que as crianças, juntamente com seus pais ou responsáveis levem o livro para casa, leiam juntos e troquem ideias sobre seu conteúdo é uma forma louvável de proporcionar a aproximação de pais e filhos, assim como uma maneira eficaz de auxiliar na educação. Nos encontros da evangelização, as crianças também podem ser estimuladas a apresentar resenhas, desenhos ou outras formas que permitam socializar o aprendizado. Nesse caso, o Passaporte do Pequeno Leitor é um recurso para o registro e incentivo à leitura.
  4. Estudo com as obras espíritas: especialmente para os ciclos finais da infância e os grupos de juventude, o uso das obras básicas e subsidiárias da Doutrina Espírita dentro de sala é fundamental para que sejam conhecidas, lhes permitindo desenvolver seus estudos e suas reflexões. Essa também é uma forma especial de estimular o gosto pela leitura dessas obras.

Importante ressaltar que o evangelizador, no papel de mediador, é peça fundamental no processo de desenvolvimento do gosto pela leitura na criança e no jovem.

 

Referências:

1 KARDEC, Allan. O Evangelho segundo o Espiritismo. 131. ed. Brasília: FEB, 2013. cap. VI, item 5.

2 FEB/CFN. Plano de Trabalho para o Movimento Espírita Brasileiro 2018-2022. Brasília: FEB. Diretriz 8.

Assine a versão impressa
Leia também