Jornal Mundo Espírita

Setembro de 2019 Número 1622 Ano 87

Herdeiros da Revelação Espírita

dezembro/2011 - Por Enrique Eliseo Baldovino

O Espírito Bezerra de Menezes, pela psicofonia de Divaldo P.
Franco, afirma com muita propriedade:
“[…] Nós somos herdeiros da Codificação edos primeiros heróis da Doutrina […].”
 

Escutando o excelente seminário Conflitos existenciais,(1) ministrado oportunamente pelo ilustre tribuno e educador espírita Divaldo Pereira Franco, após discorrer com sabedoria e grande oratória sobre os diversos conflitos da criatura humana, por mais de três horas, conclui com uma emocionante psicofonia, na qual o Espírito Bezerra de Menezes tece profundos comentários, que, após meditados no silêncio das reflexões, introduzem o nosso artigo, produto de longos anos de pesquisas doutrinárias na insuperável Obra Kardequiana.

A Mensagem de Bezerra

Enquanto o médium baiano concluía o tema referido, começaram a misturar-se os timbres das vozes de Divaldo e do inesquecível Médico dos Pobres: «Então é muito importante que nos cuidemos de nos libertarmos dos nossos conflitos existenciais, e, em cada um deles, nós coloquemos a presença dúlcida do Homem de Nazaré, deixando que Ele cante na nossa alma este Hino da Imortalidade do Sermão da Montanha, porque vivemos um momento crucial; mas é neste momento crucial que se revelam os heróis; é na batalha que se destaca o lutador. É, portanto, neste momento que nós vamos criar uma outra ordem de valores, e o perdão que a Divindade nos deu, ENSEJANDO-NOS O ESPIRITISMO DE VOLTA, vai preparar-nos para o grande encontro com a nossa consciência… Iremos lentamente abandonando as facécias e as ilusões, integrando-nos no Espírito de Cristo, que nos deve tomar todas as fibras da emotividade, e cobrindo-Lhe as pegadas na grande vereda que nos leva ao triunfo da Imortalidade.

“Avançai, meus filhos, sem temor. Dois mil anos de Cristianismo e uma colheita muito escassa de bênçãos; dois mil anos de Psicoterapia de Amor, e pandemia de ódio no mundo. Um dia Ele disse: Até quando eu vos suportarei?, até quando eu estarei convosco?, ante os fariseus que O perseguiam. Será agora a nossa oportunidade de interrogar: “Até quando temerei entregar-me?” Um dia, o Pobrezinho de Assis fazia uma análise de si mesmo, não tinha mais nada, vestido numa indumentária que tirara da lata de lixo, com uma corda atada aos rins, Francisco perguntava: – O QUE É QUE QUERES DE MIM? eu já não tenho nada para dar-Te; então ele ouviu a Voz do Amigo daqueles que não têm amigos dizer: – Francisco: dá-me Francisco!… Demo-nos a Jesus. Na grande transição, a Misericórdia Divina proporciona que se alarguem os HORIZONTES DA REVELAÇÃO ESPÍRITA. Jamais como hoje O ESPIRITISMO ESTEVE NO AR, comentado no Novo Mundo e anotado no Mundo Velho. Mas é necessário que nos interroguemos como é que nós nos vamos conduzir diante daqueles que estão chegando.

“Nós somos HERDEIROS DA CODIFICAÇÃO e dos primeiros heróis da Doutrina. Vós outros sois herdeiros dos pioneiros que vos anteciparam. Os que agora chegarem serão vossos herdeiros. Meditai em torno do que legareis à nova geração. Então não olvidemos de amar, de dar-nos uma chance a nós mesmos, de nos perdoarmos equívocos e lamentáveis comportamentos, e perdoarmos o nosso próximo nas suas atitudes infelizes para conosco. Filhos da Alma: estamos de pé, aqueles que atravessamos o Estiges da morte, estamos de volta para dizer-vos: Ninguém morre; cada qual atravessa a Barca de Caronte com as moedas acumuladas durante a vilegiatura carnal; cada qual desperta no Além conforme adormeceu na indumentária corporal.

“Meditai e SEDE VÓS OS LUMINARES DO AMANHÃ; deixai pegadas luminosas para que aqueles que venham após vós outros, vendo as estrelas fulgurantes do chão, possam dizer: Por aqui passou um anjo que deixou setas apontando rumos, e sede felizes, olvidando um pouco as amarguras e reflexionando muito nas dádivas do Senhor. Bem-aventurados aqueles que creem, felizes os que amam. Em nome dos Espíritos-espíritas, que se movimentam na Pátria do Evangelho, pela instalação do Mundo Novo, o nosso carinho, a nossa ternura, e os votos de muita paz com Jesus. São os votos do servidor humílimo e paternal de sempre, Bezerra. Muita paz, meus filhos.» (Destaques nossos.)

O luminífero Legado Kardequiano

Todos nós, principalmente os espiritistas, temos nas mãos um TESOURO muito valioso, uma herança preciosíssima chamada Codificação Espírita. Ela é a base fundamental, composta por 5 Obras Básicas, conhecidas também com o nome de Pentateuco Kardequiano (O Livro dos Espíritos; O Livro dos Médiuns; O Evangelho segundo o Espiritismo; O Céu e o Inferno, e A Gênese). Este monumental alicerce se desdobra e complementa nos 12 excelentes volumes da Revue Spirite (1858-1869), que, em nossa visão, são – continuando com a imagem arquitetônica – como as colunas de um Edifício, o qual encontra o seu acabamento em 13 Livros Complementares ou Subsidiários, dentre opúsculos, brochuras, separatas, publicações e uma reprografia, que também são de uma elevada qualidade doutrinária (Instruções Práticas sobre as Manifestações Espíritas; O Que é o Espiritismo; Carta sobre o Espiritismo; O Espiritismo na sua expressão mais simples; Resposta dirigida aos espíritas lioneses por ocasião do Ano Novo; Viagem Espírita em 1862; Resumo da Lei dos Fenômenos Espíritas; Reprografia do Auto de fé de Barcelona; A Prece; Estudo sobre a Poesia Mediúnica; Caracteres da Revelação Espírita; Catálogo Racional de obras para se fundar uma Biblioteca Espírita, e Obras Póstumas).

Allan Kardec (1804-1869), o mestre de Lyon, teve um trabalho missionário realmente ingente e brilhante nas edições e publicações, tarefa que foi supervisionada pelos Espíritos Superiores em todos os Livros citados, que somam nada menos que 30 Obras Completas, se contarmos em separado cada um dos 12 volumes da Revista Espírita (4.409 páginas no original francês, o que representa 57 % de todo o Legado Kardequiano); mais as 5 Obras fundamentais da Codificação (2.413 páginas, que são um 31 % do total), e mais os 13 Livros Complementares (958 pp., que representam 12 %), o que dá um total extraordinário de 7.780 páginas no original gaulês (100 %), escritas pelo incansável Codificador entre os anos 1857 e 1869 e supervisionadas todas pelos Numes Superiores da Codificação, sob a segura tutela do Espírito de Verdade, que é nada menos que Jesus.

Para fins didáticos, contamos cada um dos 12 volumes da Revista Espírita separado,(2)devido ao fato de que cada um deles possui um contexto histórico, político e social bem diferente a cada ano (1858-1869),(3)como já o temos analisado e registrado em vários artigos doutrinários escritos para este prestigioso Jornal Mundo Espírita.(4)A título de informação e para ilustrar os diferentes contextos, temos pesquisado que o Ano de 1859 teve como fundo histórico a 2ª Guerra de independência da Itália, e também a publicação da rara sonata mediúnica ditada pelo Espírito Mozart na Société Spirite de Paris.(5)No Ano de 1860, o Magnetismo entrou na Academia Francesa de Medicina com o nome de Hipnotismo. Em 1861 aconteceu o tristemente célebre Auto de fé de Barcelona, cujo Sesquicentenário acabamos de lembrar. No Ano de 1864, as Obras Kardequianas foram colocadas no Índex Librorum Prohibitorum etc., merecendo, cada um desses anos – e também todos os outros – vários artigos especiais da Revue Spirite, nos contextos acima referidos.

As 30 Obras Completas de Kardec e dos Espíritos, supervisionadas pelos Numes Superiores

A seguir, detalhamos cada uma das 30 Obras Kardequianas, no original francês, por ordem cronológica de edição e publicação,(6)colocando ao lado delas a data e o local de lançamento, e outras informações paralelas de grande importância histórica, que registram magnos eventos doutrinários (assinalados com asteriscos *), como a fundação da Société Parisienne des Études Spirites, as várias Viagens Espíritas feitas pela insigne Codificador em diferentes anos, as edições definitivas de alguns Livros etc. Eis a Revelação Espírita, o tesouro de que somos HERDEIROS os espiritistas:

1) Le Livre des Esprits (O Livro dos Espíritos), 1ère édition. Paris: Dentu (Obra lançada no sábado, 18/04/1857);

2) Revue Spirite: Journal d’Études Psychologiques – Année 1858 (Revista Espírita: Jornal de Estudos Psicológicos – Ano 1858). Paris: bureau [escritório] da Revue Spirite: Rue des Martyrs, 8 (sexta-feira, 01/01/1858);

Société Parisienne des Études Spirites (Sociedade Parisiense de Estudos Espíritas), fundada por Allan Kardec (na quinta-feira, 01/04/1858);

3) Instruction Pratique sur les Manifestations Spirites (Instruções Práticas sobre as Manifestações Espíritas), édition unique. Paris: escritório da Revista Espírita, Dentu e Ledoyen (junho de 1858);

4) Revue Spirite: Journal d’Études Psychologiques – Année 1859 (Revista Espírita: Jornal de Estudos Psicológicos – Ano 1859). Paris: novo bureau da Revue Spirite: Rue et Passage Sainte-Anne, 59 (01/1859);

5) Qu’est-ce que le Spiritisme (O Que é o Espiritismo). Paris: escritório da Revista Espírita, Dentu e Ledoyen (junho de 1859);

* Bulletin da Société Parisienne des Études Spirites (Boletim da SPEE – Sociedade Parisiense de Estudos Espíritas), publicado por Kardec de 08/1859 a 02/1861. Paris: 105 páginas, como suplemento da Revue Spirite, sendo 16 números no total, nos quais eram publicados os resumos das atas da SPEE;

6) Revue Spirite: Journal d’Études Psychologiques – Année 1860 (Revista Espírita: Jornal de Estudos Psicológicos – Ano 1860). Paris: bureau da Revue Spirite: Rue et Passage Sainte-Anne, 59 (01/1860);

* Primeira Viagem Espírita, de Allan Kardec (1860);

** Le Livre des Esprits (O Livro dos Espíritos), 2e édition définitive. Paris: Didier et Cie., et Ledoyen (publicado na terça-feira, 20/03/1860);(7)

7) Lettre sur le Spiritisme (Carta sobre o Espiritismo), brochura publicada pelo Sr. Allan Kardec em Resposta à Gazeta de Lião de 02/08/1860 (Réponse de M. Allan Kardec à la Gazette de Lyon) [16 de setembro de 1860], conforme a Revue Spirite de outubro de 1860. Lyon: typographie de Chanoine, 57 páginas (09/1860);

8) Revue Spirite: Journal d’Études Psychologiques – Année 1861 (Revista Espírita: Jornal de Estudos Psicológicos – Ano 1861). Paris: bureau da Revue Spirite: Rue et Passage Sainte-Anne, 59 (01/1861);

9) Le Livre des Médiums (O Livro dos Médiuns). Paris: Didier et Cie., e Ledoyen (lançado na terça-feira, 15/01/1861);

* Segunda Viagem Espírita (1861);

10) Revue Spirite: Journal d’Études Psychologiques – Année 1862 (Revista Espírita: Jornal de Estudos Psicológicos – Ano 1862). Paris: escritório da Revue Spirite: Rue et Passage Sainte-Anne, 59 (01/1862);

11) Le Spiritisme a sa plus simple expression (O Espiritismo na sua expressão mais simples). Paris: Ledoyen e bureau da Revue Spirite (quarta-feira, 15/01/1862);

12) Réponse à l’adresse des Spirites Lyonnais à l’occasion de la nouvelle année (Resposta dirigida aos Espíritas Lyoneses por ocasião do Ano Novo), brochura publicada por Kardec, conforme a Revue Spirite de fevereiro de 1862. Lyon: typographie de Chanoine (02/1862);

13) Voyage Spirite en 1862 (Viagem Espírita em 1862), opúsculo publicado por Kardec (* Terceira Viagem Espírita, a mais longa). Paris: Ledoyen e bureau da Revue Spirite (12/1862);

14) Revue Spirite: Journal d’Études Psychologiques – Année 1863 (Revista Espírita: Jornal de Estudos Psicológicos – Ano 1863). Paris: escritório da Revue Spirite: Rue et Passage Sainte-Anne, 59 (01/1863);

15) Revue Spirite: Journal d’Études Psychologiques – Année 1864 (Revista Espírita: Jornal de Estudos Psicológicos – Ano 1864). Paris: bureau da Revue Spirite: Rue et Passage Sainte-Anne, 59 (01/1864);

* Quarta Viagem Espírita (1864);

16) Imitation de L’Évangile selon le Spiritisme (Imitação de O Evangelho segundo o Espiritismo) [veja-se o asterisco do item 22]. Paris: Didier et Cie., Ledoyen, Fréd.-Henri Dentu e bureau da Revue Spirite (quarta-feira, 06/04/1864);

17) Résumé de la Loi des Phénomènes Spirites (Resumo da Lei dos Fenômenos Espíritas), opúsculo publicado por Kardec. Paris: Didier et Cie., Ledoyen e escritório da Revue Spirite (04/1864);

18) Auto-da-fé de Barcelone (Auto-de-fé de Barcelona), reprografia [conjunto de técnicas que permitem reproduzir um documento], editada por Kardec (ilustração de artista anônimo, cuja aquarela lhe foi enviada da Espanha), Paris: bureau da Revue Spirite: Rue et Passage Sainte-Anne, 59 (12/1864);

19) Revue Spirite: Journal d’Études Psychologiques – Année 1865 (Revista Espírita: Jornal de Estudos Psicológicos – Ano 1865). Paris: escritório da Revue Spirite: Rue et Passage Sainte-Anne, 59 (01/1865);

* Recueil de piéces inédites (Coleção de textos [composições] inéditos), extraites de L’Évangile selon le Spiritisme (extraídos de O Evangelho segundo o Espiritismo), de Kardec, obra citada por Zêus Wantuil e Francisco Thiesen em nossa tradução da bibliografia Allan Kardec: el Educador y el Codificador, volume II, página 209.(8) Apud J. M. Quérard in “Les Supercheries Littéraires”, p. 268). (Paris: 1865);

* Quinta Viagem Espírita (1865);

20) Le Ciel et l’Enfer ou La Justice Divine selon le Spiritisme (O Céu e o Inferno ou A Justiça Divina segundo o Espiritismo). Paris: Didier et Cie., Ledoyen e Dentu (terça-feira, 01/08/1865);

21) Revue Spirite: Journal d’Études Psychologiques – Année 1866 (Revista Espírita: Jornal de Estudos Psicológicos – Ano 1866). Paris: bureau da Revue Spirite: Rue et Passage Sainte-Anne, 59 (01/1866);

* Sexta Viagem Espírita (1866);

22) Recueil de prières spirites (Coleção de Preces Espíritas), extraites de  L’Évangile selon le Spiritisme (extraídas de O Evangelho segundo o Espiritismo), chez l’Auteur (com o Autor). Paris: escritório da Revue Spirite, separata publicada por Kardec em 1866, extraída da 2ª edição (1865) de L’Évangile selon le Spiritisme, texto anterior à 3ª edição definitiva de 1866 (capítulos XXVII [partes] e XXVIII) (1866);

L’Évangile selon le Spiritisme (O Evangelho segundo o Espiritismo), 3ème édition définitive [com nome modificado: veja-se o item 16]. Paris: Fréd.-Henri Dentu e escritório da Revue Spirite (1866);

23) Revue Spirite: Journal d’Études Psychologiques – Année 1867 (Revista Espírita: Jornal de Estudos Psicológicos – Ano 1867). Paris: bureau da Revue Spirite: Rue et Passage Sainte-Anne, 59 (01/1867);

* Sétima Viagem Espírita (1867);

24) Étude sur la Poésie Médianimique (Estudo sobre a Poesia Medianímica), por Allan Kardec, publicado na Introdução do livro Échos Poétiques d’Outre-Tombe, de Louis Vavasseur. Paris: Librairie Centrale, 24 e no escritório da Revue Spirite, 16 páginas (01/1867);

25) Revue Spirite: Journal d’Études Psychologiques – Année 1868 (Revista Espírita: Jornal de Estudos Psicológicos – Ano 1868). Paris: bureau da Revue Spirite: Rue et Passage Sainte-Anne, 59 (01/1868);

26) La Genèse, les Miracles et les Prédictions selon le Spiritisme (A Gênese, os Milagres e as Predições segundo o Espiritismo). Paris: Librairie Internationale (segunda-feira, 06/01/1868);

27) Caractère de la Révelation Spirite (Caracteres da Revelação Espírita), separata publicada por Kardec e extraída do capítulo I de La Genèse). Paris: escritório da Revue Spirite (02/1868);

28) Revue Spirite: Journal d’Études Psychologiques – Année 1869 (Revista Espírita: Jornal de Estudos Psicológicos – Ano 1869). Paris, bureaux: Rue de Lille, 7 e Librairie Spirite et des Sciences Psychologiques (01/1869);

29) Catalogue Raisonné des ouvrages pouvant servir à fonder une Bibliothèque Spirite (Catálogo Racional de obras para se fundar uma Biblioteca Espírita), opúsculo publicado por Kardec, anexo à Revue Spirite de abril de 1869. Paris: Librairie Spirite et des Sciences Psychologiques (03/1869);

30) Œuvres Posthumes (Obras Póstumas), compilação de Textos Kardequianos inéditos, reunidos por Pierre-Gaëtan Leymarie. Paris: Société de la Librairie Spirite (1890).

Amélie-Gabrielle Boudet

Kardec cumpriu fielmente a sua missão com a primorosa ajuda da sua esposa e também missionária, Madame Amélie-Gabrielle Boudet (1795-1883), emérita Professora de Letras e de Belas Artes, a doce Gaby, como Hippolyte-Léon-Denizard Rivail a chamava. Rivail foi também pedagogo de renome nacional e internacional (publicou aproximadamente 25 obras pedagógicas), tomando o nome de Allan Kardec a partir do dia 18 de Abril de 1857, que é a inesquecível data magna do lançamento de O Livro dos Espíritos, com o qual se inicia no mundo o Espiritismo, herança que deveremos PRESERVAR qual tesouro para as novas gerações.

Conclusão

Todos os livros, opúsculos, brochuras, separatas e a reprografia acima, foram publicados por Kardec em vida, com exceção de Obras Póstumas, que, como o próprio título indica, foi editada após a desencarnação do Codificador, sendo uma compilação de textos inéditos kardequianos. Parafraseando os notáveis conceitos superiores do Benfeitor Bezerra de Menezes, nesta GRANDE TRANSIÇÃO pela qual passa o nosso planeta Terra, a Misericórdia de Deus permite que se alarguem os horizontes da Revelação Espírita, a fim de que possamos superar todos os conflitos existenciais e escutar, no imo das nossas almas, a resposta do Cristo à grande pergunta de Francisco: O que é que queres de mim?, que, em outras palavras, é a mesma interrogação de Paulo de Tarso: Senhor, o que queres que eu faça?

As respostas atuais de Jesus estão todas na Doutrina Espírita, exatamente como Kardec já afirmava com sabedoria na Revista Espírita de novembro de 1861, quando escreveu com a sua habitual presciência: o Espiritismo está no ar. Os Espíritos estão de pé, e a Divindade nos enseja o Espiritismo de volta. Até quando temeremos entregar-nos à vivência e ao estudo da Grande Doutrina? Já não temos mais escusas, nem podemos pretextar ignorância. Portanto, honremos a Revelação Espírita, vivendo e estudando todo o luminífero Legado Kardequiano, para que sejamos dignos herdeiros da Codificação e dos primeiros heróis da Doutrina, tornando-nos assim os luminares do amanhã.

———————–

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS:

(1) FRANCO, Divaldo Pereira. Conflitos existenciais. Seminário espírita em 3 CDs (com três horas e dezoito minutos de duração). Mensagem final do Espírito Bezerra de Menezes, na faixa 8 (7min 51seg). EBM, 2011.

(2) JORNAL MUNDO ESPÍRITA. Tributo à Revista Espírita – 150 Anos. Artigo comemorativo de Enrique Eliseo Baldovino. Ano 75, nº 1484. Março de 2008, pp. 6-7. Curitiba: FEP, 2008.

(3) ________. 1859 – 2009: Sesquicentenário do 2º Volume da Revista Espírita, de Allan Kardec. Artigo comemorativo de Enrique Baldovino. Ano 77, nº 1503. Outubro de 2009, pp. 6-7. FEP, 2009.

(4) ________. 1860 – 2010: Sesquicentenário do 3º Volume da Revista Espírita, de Allan Kardec. Artigo comemorativo de E. E. B. Ano 79, nº 1516. Novembro de 2010, pp. 8-9. FEP, 2010.

(5) REVISTA PRESENÇA ESPÍRITA. Rara sonata mediúnica de Mozart é tocada em Congresso Espírita Mundial após 150 anos. Artigo de Regina Baldovino. Ano XXXVII, nº 283. Bimestre março/abril de 2011, pp. 40-44. Salvador: LEAL, 2011.

(6) THE SPIRITIST MAGAZINE. Chronology: 30 complete works of Kardec, supervised by the Superior Spirits. Artigo de Jussara Korngold, MBA. Estados Unidos. English edition nº 13. October – December, pp. 28 a 31. EDICEI, 2010.

(7) TEIXEIRA, Raul. Desafios da vida familiar. Pelo Espírito Camilo. Prefácio comemorativo: Alevantamento familiar, p. 13. Data de publicação da 2ª edição definitiva de O Livro dos Espíritos: 20 de março de 1860. FRÁTER, 2003.

(8) WANTUIL, Zêus. THIESEN, Francisco. Allan Kardec: el Educador y el Codificador. Las Obras Espíritas de Allan Kardec. Volume II, p. 209, com nota do tradutor nº 82 (p. 210). Edição especial em 2 volumes (900 páginas). Tradução do português e do francês para o espanhol de Enrique Eliseo Baldovino. Brasília: CEI, 2007.

Assine a versão impressa
Leia também