Jornal Mundo Espírita

Maio de 2019 Número 1618 Ano 87

Grandes Educadores

Sócrates - o mais sábio dos homens

junho/2008

Sócrates nasceu em Atenas por volta de 469 a.C. Aprendeu na escola, música, ginástica e gramática. Lutou na guerra contra Esparta e Tebas. Conviveu com intelectuais, artistas, aristocratas e políticos.

Querafonte, seu amigo, convenceu-o que tinha a missão de educador e pensador, após ter ouvido do oráculo, no templo de Delfos, que “Sócrates, era o mais sábio dos homens”. A partir daí, com 38 anos, passou a dialogar com as pessoas que se dispusessem a procurar a verdade e o bem.

E esta era a preocupação de Sócrates, levar as pessoas, por meio do autoconhecimento, à sabedoria e à prática do bem.

Utilizava da didática do diálogo, como método de educação. Por isso mesmo, não deixou nada escrito de seus pensamentos, Platão um de seus discípulos, eternizou as palavras de seu mestre na obra “Apologia de Sócrates”. Entre elas, que Sócrates considerava sua missão “andar por aí” (pelas ruas e praças), aconselhando jovens e velhos a não se preocuparem tanto com o corpo ou a fortuna, mas antes com a perfeição da alma, já que concebia o homem como um composto de dois princípios, alma e corpo.

Considerava que o caminho da perfeição passava inicialmente pela busca do saber, que conduz à prática da virtude.

Neste contexto, o papel do verdadeiro educador não é o de provedor de conhecimentos, mas sim, aquele que ajuda o discípulo a caminhar para despertamento de si próprio para iluminar sua inteligência e sua consciência.

A troca de ideias, consequência natural do diálogo, dá a ambos, educador e discípulo, a liberdade de pensamento que por sua vez conduz à ação, favorecendo o aperfeiçoamento do ser humano.

Sócrates foi acusado de desrespeito aos deuses e ao Estado e de corromper os jovens, por isso foi julgado e condenado a envenenar-se ingerindo cicuta em 393 a.C. Morreu rodeado por seus amigos.

 

Para pensar na evangelização:

Ao eleger o diálogo como método de investigação, Sócrates foi o primeiro filósofo a se preocupar não só com a verdade, mas com o modo como se pode chegar a ela. Eis por que ele é considerado por muitos o modelo clássico de professor. Quando você prepara suas aulas de evangelização, costuma levar em conta a necessidade de ajudar seus evangelizandos  a desenvolver procedimentos para que possam pensar por si mesmos?

Assine a versão impressa
Leia também