Jornal Mundo Espírita

Maio de 2019 Número 1618 Ano 87

Glândula Pineal ou Epífise

maio/2019 - Por Cleber Fabre

A Glândula Pineal, também conhecida como Epífise ou Conarium, muitas vezes confundida com a Glândula Hipófise ou Pituitária, é a Glândula da relação que temos com o Mundo Espiritual ou com outra Dimensão. A Ciência muito tem estudado essa glândula, na última década, com ênfase no seu principal hormônio, a Melatonina, que é produzida em maior quantidade durante a noite, estimulando os Fatores de Liberação Hormonal, na região do Hipotálamo, Sistema Límbico e na Glândula Hipófise. As concentrações de Melatonina na Glândula Pineal apresentam variações circadianas, que acompanham as variações na atividade da enzima N-acetiltransferase, aumentando durante a noite e diminuindo durante o dia. A Melatonina exerce papel regulador sobre eventos fisiológicos, metabólicos e comportamentais, importantes na regulação de fenômenos endócrinos independentes do eixo hipotálamo-hipófise-gonadal, termorregulação, regulação do sistema cardiovascular, ciclos de atividade-repouso e vigília-sono, sistema imunológico, crescimento e envelhecimento.

Tendo em vista que a Melatonina apresenta notável poder antioxidante e os seus níveis diminuem com a idade, vários pesquisadores sugerem que esse hormônio exerce papel crucial na gênese de doenças neurodegenerativas. Constatando assim, que se estivermos em equilíbrio com a nossa Pineal, estaremos dando um grande passo para a nossa Saúde Mental e Física, desde que a Pineal exerce uma influência direta sobre todas as nossas glândulas (Sistema Endócrino), estabilizando e equilibrando o nosso aparelho endócrino, com repercussão no nosso Sistema Nervoso. Dessa forma, nasceu a Psiconeuroendocrinoimunologia, comprovando cientificamente que uma alteração psicológica pode desencadear, como um efeito dominó, repercussões no Sistema neurológico e endócrino, alterando nosso Sistema Imunológico e predispondo ações dos microrganismos, como infecções generalizadas e surgimento de doenças crônicas, como a fibromialgia e até mesmo o câncer.

A Pineal é considerada um órgão Cronobiológico, um relógio interno, obedecendo aos chamados Zeitgeber (do alemão, manipuladores do tempo), chamados orientadores do ciclo do tempo, que influenciam e determinam o funcionamento de nossas células e órgãos. Essa glândula é responsável pelos nossos mecanismos de orientação no tempo e no espaço, dia e noite, as migrações dos animais, de acordo com as estações do ano, estados de hibernação, tempo de gestação, entre outros. O sol é um Zeitgeber do ciclo do sono e vigília a cada doze horas, enquanto a lua influencia no ciclo gestacional. Por exemplo, uma gestação humana dura dez meses lunares e um ciclo menstrual dura um mês lunar, assim, nossas células também obedecem a um ciclo, se renovando periodicamente (as células do sangue se renovam a cada sete dias).

Por estar relacionada com a noção de Espaço – Tempo, a Pineal é considerada o órgão que permite o contato com a quarta dimensão, que compõe a dimensão espiritual ou etérica, chamada de Espaço Tempo Negativo, pelo Dr. Willian Tiller, da Universidade de Stanford. Assim, a Glândula consegue captar os sinais de onda das frequências de partículas com velocidades acima da velocidade da luz; para a matéria com velocidades inferiores à da luz, as matérias do universo físico, o Dr. Tiller chamou de Espaço Tempo Positivo. O Modelo de Tiller utiliza a fórmula de Einstein (E=m.c2), acrescida de uma constante de proporcionalidade de Lorentz (/√(1-v2/c2),  formando assim, a equação de Einstein-Lorentz: E = m.c2/√(1-v2/c2 ), para explicar sua teoria.

A Pineal é o único órgão capaz de transformar estímulos eletromagnéticos em estímulos neuroquímicos, captando inclusive os estímulos magnéticos produzidos pelo nosso cérebro, por exemplo, uma emoção desencadeada no sistema límbico com repercussões instantâneas no nosso corpo físico e biológico.

Pineal: A Glândula da Mediunidade

Segundo a obra de André Luiz, Missionários da Luz (1945)5,  a Pineal é a glândula da vida mental. Ela acorda no organismo do homem, na puberdade, as forças criadoras e, em seguida, continua a funcionar, como o mais avançado laboratório de elementos psíquicos da criatura terrestre. O neurologista comum não a conhece bem. De acordo com André Luiz, a Glândula Pineal segrega “hormônios psíquicos” ou “unidadesforça” que vão atuar, de maneira positiva, nas energias geradoras, sugerindo o papel de um hormônio produzido pela Glândula Pineal, em torno de treze anos antes do isolamento da Melatonina por Lerner, em 1958.

A glândula minúscula transformara-se em núcleo radiante e, em redor, seus raios formavam um lótus de pétalas sublimes. Essa é a descrição de André Luiz diante da observação que fez da Glândula Pineal em um médium, que psicografava uma mensagem em sessão mediúnica, mostrando o grande fluxo de energias que trafegavam por essa via e apontando a estrutura como sendo muito importante nas comunicações do plano espiritual.

A calcificação que se observa com a idade, não seria por inatividade e degeneração, mas sim por aumento na sua atividade energética, funcionando como um cristal condutor de energias sutis para nossa receptividade psíquica, pois se encontra em conexão com a Quarta Dimensão, a Dimensão Espaço-Tempo. Considerada na atualidade, por alguns estudiosos, como um órgão Astrofísico que nos mantém em comunicação contínua com o Planeta Terra, a Quarta Dimensão e nosso Cérebro: estimulando nossas células pela captação de ondas eletromagnéticas externas e as geradas por nossas emoções e sentimentos.

 

Referências:

1.GERBER, R. Medicina vibracional. 8. ed. São Paulo: Cultrix, 2004.

2.GUYTON, A. C.; HALL, J. E. Fisiologia humana. 11. ed. Rio de Janeiro: Saunders, 2006.

3.IANDOLI, D. Fisiologia transdimensional. São Paulo: FE Editora Jornalística Ltda, 2001.

4.LUCCHETTI, A. L. G. et al. Aspectos históricos e culturais da glândula pineal: comparação entre teorias fornecidas pelo Espiritismo na década de 1940 e a evidência científica atual. NeuroendocrinolLett. São Paulo, v. 34, n. 8, 745-755, 2013. Disponível em: <https://www.febnet.org.br/wp-content/uploads/2012/06/Artigo-Cient%C3%ADfico-Aspectos-historicos-Pineal.pdf>. Acesso em: 06 mar. 2019.

5.XAVIER, Francisco Cândido. Missionários da luz. Pelo Espírito André Luiz. 9. ed. Rio de Janeiro: FEB, 1973.

6.______. Os Mensageiros. Pelo Espírito André Luiz. 30. ed. Rio de Janeiro: FEB, 1997.

7.______; VIEIRA, Waldo. Evolução em dois mundos. Pelo Espírito André Luiz. 4. ed. Rio de Janeiro: FEB, 1977.

8.Palestras do Dr. Sergio Felipe de Oliveira: Pineal Mind Instituto de Saúde (disponíveis no Youtube).

Assine a versão impressa
Leia também