Jornal Mundo Espírita

Setembro de 2019 Número 1622 Ano 87

Entre a mansidão e a prudência

junho/2018 - Por Cristiane Maria Lenzi Beira

Um dos discursos de Zaratustra, personagem criado pelo filósofo Nietzsche, refere-se, de forma muito interessante, às transformações experimentadas pelo ser humano, durante sua trajetória de vida.

Esse texto, inclusive, serviu de inspiração para Carl Gustav Jung ao desenvolver seu conceito de individuação, entendido como o processo pelo qual o ser humano busca desenvolver a consciência de si mesmo, integrando seus aspectos sombrios, diferenciando-se do coletivo e tornando-se, então, o ser que é.

Nietzsche sugere que o espírito humano comumente vivencia, ao longo de sua vida, três diferentes etapas de transformação, nas quais desenvolverá o autoconhecimento, além de se apropriar de sua força, para, ao final, tornar-se quem realmente é. Como símbolos das três metamorfoses, o filósofo utilizou:

  • o camelo, para representar o ser que desenvolve o papel de carregar o peso do mundo, dispondo-se a servir, de forma submissa, por ainda não ter vontade própria e consciência para tomar decisões. Ao carregar o peso das cobranças, dos problemas alheios, aprende que sofre justamente por tentar carregar o que não deveria, o que não lhe pertence. Nessa fase, tem a oportunidade de desenvolver humildade, caso aproveite o aprendizado. Mas pode, igualmente, manter-se na acomodação e na subserviência, adotando postura escrava e de vítima, indefinidamente;
  • o leão, para exemplificar o momento em que a consciência desperta, tornando-se crítica e permitindo ao indivíduo discernir e fazer escolhas por si mesmo. A pessoa assume, então, a responsabildiade pela própria existência, e experimenta uma nova forma de relação com o mundo, considerando, agora, suas próprias concepções e valores. Ao leão é dada a chance de experimentar o Sim, sim; Não, não do Evangelho1. Ao se posicionar de acordo com seus valores, deixa de carregar valores alheios, que não lhe fazem sentido. Torna-se corajoso e leal aos seus princípios, mas precisa cuidar para não exagerar nessa postura, desenvolvendo arrogância, orgulho e acreditando-se dono da verdade, superior e distante dos outros;
  • a criança, para simbolizar o renascimento, o recomeço, como se a vida, de fato, iniciasse a partir desse ponto, ou seja, somente depois de haver desenvolvido a humildade de servir do camelo e a coragem de ser livre do leão, numa sociedade prisioneira de valores passageiros, é que o ser humano está pronto para viver realmente. É o momento em que podemos afirmar: Vivemos no mundo conscientes de que não somos do mundo.2

Interessante notar que o filósofo, crítico da religião, acabou utilizando a criança como representação de verdadeira sabedoria, de evolução, emprestando, de forma inconsciente, provavelmente, o símbolo empregado por Jesus:

Quem é o maior no reino dos céus? – Jesus, chamando a si um menino, o colocou no meio deles e respondeu: “Digo-vos, em verdade, que, se não vos converterdes e tornardes quais crianças, não entrareis no reino dos céus. – Aquele, portanto, que se humilhar e se tornar pequeno como esta criança será o maior no reino dos céus3.

O Espiritismo explica que a finalidade da vida na Terra é o progresso espiritual e, para isso, conforme vivemos, é natural que passemos realmente por transformações, provenientes da reforma íntima que nos cabe.

Nietzsche chama a atenção, na voz de Zaratustra, para algumas faces que devemos desenvolver em nossas metamorfoses durante a vida: a de sermos servidores, humildes suficientes para nos envolvermos com as histórias dos outros, propondo-nos a ajudá-los a carregar seus fardos, sem, no entanto, tornarmo-nos subservientes; a de sermos firmes e corajosos, a ponto de não nos deixarmos levar pelos modismos ou valores predominantes, mas capazes de seguir os próprios princípios, cuidando, porém, de não cairmos na armadilha de nos sentirmos superiores, tornando-nos arrogantes e, por fim, a de sermos alegres, espontâneos e confiantes, como são as crianças, esperançosas do futuro, livres de preconceitos e com energia para viver, aprender, crescer.

Mas observamos que Jesus novamente antecipou o filósofo, quando nos recomendou que, ao viver entre lobos, que podem, atualmente, simbolizar os valores distorcidos predominantes, nos conservássemos mansos como as pombas, mas prudentes como as serpentes4. A recomendação do Mestre de Nazaré é a de buscarmos internalizar esses dois aspectos que parecem paradoxais, sendo, no entanto, complementares: a humildade e mansidão da pomba e a prudência e firmeza da serpente.

Ao observarmos as normas, culturas e comportamentos predominantes nas sociedades modernas, verificamos o quanto esse ensinamento – de preservarmos o aspecto pacífico, aliando-o à coragem – proposto por Jesus e relembrado por Zaratustra, é atual e de grande relevância. Observamos em nossa vida social, que poucas pessoas são capazes de transitar por esses dois caminhos de forma saudável. A maioria tomba na vitimização, deixando-se explorar ou na prepotência, colocando os outros a serviço de si.

É preciso, então, plena atenção para a conquista desse caminho do meio, da medida certa, entre a humildade/mansidão e a firmeza/prudência. Ao nos propormos a essas transformações, que nos preparam para a vivência pacífica, mas, ao mesmo tempo, resoluta, certamente nos encontraremos, ao final, mais próximos da pureza de alma, simbolizada pela criança.

Referências:

1 BÍBLIA, N. T. Mateus. Português. O novo testamento. Tradução de João Ferreira de Almeida. Campinas: Os Gideões Internacionais no Brasil, 1988. cap. 5, vers. 37.

2 Op. cit. João. cap. 17, vers. 16.

3 Op. cit. Mateus. cap. 18, vers. 1-5.

4 Op. cit. Mateus. cap. 10, vers. 16.

 

Assine a versão impressa
Leia também