Jornal Mundo Espírita

Setembro de 2019 Número 1622 Ano 87

Eleições! Como agir?

outubro/2010

Na transparência dos ensinamentos espíritas, fica bem claro que a nossa política é a do Evangelho restaurado pela nossa Doutrina.

Permitir a intromissão de interesses eleitoreiros em nosso Movimento é confundir o certo com o duvidoso, o eterno com o transitório, o Bem supremo com o comprometido por conveniências pessoais.

A política partidária é atividade típica e imprescindível aos países democráticos. Nenhuma nação erguer-se-á ao sólio bendito da paz social sem a livre e responsável manifestação do pensamento e dos desejos de seus filhos.

A vontade consensual e consciente do povo é o mais forte dispositivo de formação de líderes honestos e preparados para a administração dos recursos públicos com proficiência e austeridade, consagrando-os aos fins mais adequados do processo de harmonização da Sociedade.

Esses mecanismos, de aceitação geral, evitam a irrupção de sistemas oligárquicos e ditatoriais, nefastos por levarem à comunidade revoltas e perturbações, corrompendo as reservas morais de uma nação.

Desnecessário alongar-se para entender que a política partidária aos políticos pertence, da mesma forma que as religiões devem ser conduzidas por religiosos. Assim, seria esdrúxulo admitir um engenheiro operando corpos ou médicos construindo pontes.

Impõe-se o “dar a César o que é de César e a Deus o que é de Deus”, sentenciado pelo imáculo Instrutor de nossos corações, como diretriz para todos os tempos.

É sabido que o conhecido benfeitor Bezerra de Menezes abandonou os cargos políticos após converter-se ao Espiritismo, testemunhando, com esse ato de consciência cristã, que o objetivo maior dos que amam a Doutrina Espírita é a vivência que se compatibiliza com os ensinamentos do Cristo.

Ele sabia que as lutas por conquistas de poder estão enxameadas de vícios e armadilhas produzidos por mentes astutas e frias, quando não corruptas e caluniadoras.

O cidadão honesto pode ser político, desde que não conheça proposta melhor para a melhoria de sua comunidade.

A recomendação de André Luiz, em “Conduta Espírita”, é irrefutável, quando adverte: “Impedir palestras e discussões de ordem política nas sedes das instituições doutrinárias, não olvidando que o serviço de evangelização é tarefa essencial.” “A rigor, não há representantes oficiais do Espiritismo em setor algum da política humana.”

Devemos entender que a crença pura e sincera jamais poderá ser veículo de especulação na arena das ambições humanas.

Assine a versão impressa
Leia também