Jornal Mundo Espírita

Setembro de 2019 Número 1622 Ano 87

Desencarnação de Nestor João Masotti

outubro/2014 - Por Antonio Cesar Perri de Carvalho.

Desencarnou no Hospital Santa Lúcia, em Brasília, no dia 3 de setembro, ocorrendo o sepultamento na tarde do dia seguinte, no Cemitério Campo da Esperança.

Nestor João Masotti foi o 15º presidente da Federação Espírita Brasileira – FEB. Nasceu em Pindorama, São Paulo, em 21 de junho de 1937, filho de Damiano Henrique Venâncio Masotti e Eloyda G. Masotti, ambos espíritas.

Graduou-se em Odontologia, em Araraquara, e exerceu a profissão por menos de um ano em Tupã. Atuou profissionalmente como funcionário público fazendário em Fernandópolis e São Paulo.

Sempre foi muito ativo no Movimento Espírita nas cidades citadas, integrando desde a mocidade espírita até a direção de centro espírita. Atuou em eventos regionais, interestaduais e nacional de juventudes espíritas. Foi presidente (1974-1982) e vice-presidente (1982-1986) da União das Sociedades Espíritas do Estado de São Paulo, integrando o Conselho Federativo Nacional – CFN da FEB. A convite do presidente Francisco Thiesen, na Sede da FEB, em Brasília, exerceu cargos de diretor (1986-1990) e secretário geral do CFN, vindo depois a assumir a vice-presidência (1990-2001) e a presidência da FEB. Participou ativamente da implantação das Comissões Regionais do CFN da FEB.

Exerceu o 21º mandato de presidente da FEB: 2001-2013, licenciando-se, para tratamento de saúde, em maio de 2012 e, em definitivo em março de 2013.

No início de sua gestão como presidente procedeu à reforma e atualização da gráfica da FEB, a modernização das capas e formato dos livros. Durante seu mandato, foram realizados dois Congressos Espíritas Brasileiros (2007 e 2010); comemorações do Bicentenário de nascimento de Allan Kardec, com emissão de selo comemorativo pelos Correios (2004); Sesquicentenário de O Livro dos Espíritos com emissão de selo comemorativo pelos Correios (2017) e o Projeto Centenário de Chico Xavier (2010). Foram cunhadas medalhas pela Casa da Moeda em homenagem a Chico Xavier (2010); Sesquicentenário de O livro dos médiuns (2011); Centenário da Sede Histórica do Rio (2011). Durante sua gestão, o CFN da FEB aprovou: Atividade de Preparação de Trabalhadores Espíritas (2002), que gerou o curso Capacitação Administrativa da Casa Espírita; Campanha Construamos a Paz Promovendo o Bem! (2002); Plano de Trabalho para o Movimento Espírita Brasileiro (2007-2012); Campanha O Evangelho no Lar e no Coração (2008); Orientação aos Órgãos de Unificação (2009); Regimento Interno do CFN (2011).

Simultaneamente aos seus encargos junto à FEB, juntamente com os ex-presidentes Francisco Thiesen e Juvanir Borges de Souza, trabalhou intensamente pela fundação do Conselho Espírita Internacional – CEI, o que se efetivou em 1992.  Exerceu também o cargo de 1º. secretário e secretário-geral do CEI. Nesse último cargo, criou a TVCEI, a EDICEI, com livros traduzidos para vários idiomas, o Centro Administrativo do CEI em Brasília e promoveu Congressos Mundiais trienais na Guatemala (2001), em Paris (2004), em Cartagena de Índias (2007) e Valencia (2010). Participou de dois eventos na ONU, em New York: o Millennium World Peace Summit  (2000) e da homenagem pelo Centenário de Chico Xavier (2010). Atuou em palestras, seminários e eventos em países das três Américas, Europa e África.

Ao retornar para Brasília, em agosto de 2013, depois de mais de um ano em tratamento em São Paulo, participou de algumas reuniões mediúnicas e fez palestras na FEB.  

Foi homenageado, em vários momentos, pela presidência da FEB: embora à distância, na reunião do CFN, em 2012, com coleta de assinaturas em livro e placa de prata; em sua primeira aparição pública, após o início do tratamento de saúde, na passagem do Museu Espírita de São Paulo para a FEB (abril de 2013), inauguração de sua foto na Galeria dos Ex-Presidentes, no Espaço Cultural da FEB (novembro de 2013) e na abertura da Reunião Extraordinária do CFN – dia 23 de agosto de 2014, na FEB, oportunidade em que proferiu a prece de abertura. Foi sua última aparição pública.

 

Nestor abriu muitos caminhos e contribuiu enormemente para a difusão da mensagem espírita.

Foto: Acervo FEB

Assine a versão impressa
Leia também