Jornal Mundo Espírita

Novembro de 2020 Número 1636 Ano 88

Departamento de Unificação e Expansão do Movimento Espírita – DUEME

novembro/2020

Dia 5 de outubro comemorou-se importante data para o Movimento Espírita Nacional. Há 71 anos, em 5 de outubro de 1949, foi assinado, no Rio de Janeiro, na sede da Federação Espírita Brasileira – FEB, à Avenida Passos, 30, o Pacto Áureo¹.

Esse acordo modificou o rumo do Movimento Espírita no Brasil. Foi o passo decisivo para o trabalho da Unificação, considerando que, até então, existia uma certa dificuldade, para a orientação do Movimento Espírita, entre a FEB e as Estaduais existentes.

Em 1º de janeiro de 1950, foi constituído o Conselho Federativo Nacional – CFN, órgão representativo das Federativas (na oportunidade, somente onze) do país juntamente com a FEB.

Sob a liderança de irmãos abnegados,² movidos pelo sentimento de união e motivados pela certeza de que um feixe de varas é mais forte do que uma vara isolada, a Caravana da Fraternidade percorreu os Estados do Norte e Nordeste, mostrando a importância do pacto firmado para a agregação dos Espíritas do Brasil, junto ao CFN, representados por suas Federativas Estaduais.

Na década de 60, foram inúmeros os eventos, visando consolidar metas e planos de trabalho para a divulgação da Unificação e a Expansão do Movimento Espírita Nacional, em bases doutrinárias seguras e o sentimento de pertencimento da comunidade espírita, no estabelecimento dessas diretrizes.

Na década de 70, foram criados os Conselhos Zonais (atuais Comissões Regionais) com a finalidade de integração regional, dadas as dimensões continentais do nosso país, com diversidade de realidades específicas em cada uma delas: Centro, Nordeste, Norte e Sul.

De maneira simples e superficial apresentamos o desenvolvimento da estruturação do Movimento Espírita em nível nacional, que não difere do Movimento Espírita Paranaense, em relação à organização e consolidação.

Criamos Unidades Regionais – UREs, que congregam as Casas Espíritas de uma região e, posteriormente, as Inter-Regionais, que congregam as UREs: Centro, Leste, Metropolitana, Noroeste, Norte e Oeste.

Tudo para melhor trabalharmos as questões regionais, sob o lema : Dividir para Multiplicar, que se mostrou eficiente e eficaz pois, em todas as regiões em que foram feitas subdivisões, pela questão das distâncias entre as cidades e a sede da URE,  houve um revigoramento do Movimento Espírita.

Nesse contexto, o Departamento atua, tendo como meta principal a União e Unificação dos Espíritas em torno da FEP, visando a divulgação e a expansão da nossa Doutrina para todos os corações necessitados de consolo e esclarecimento.

Unificação no sentido de preservarmos a fidelidade aos postulados codificados por Allan Kardec e a União dos espíritas pois não se faz Unificação sem União.

Neste ano, o DUEME busca a consolidação da sua equipe de trabalhadores nas diversas UREs, baseado no princípio: Unificação sim. União também. Imprescindível que nos unifiquemos no ideal espírita, mas que, acima de tudo, nos unamos como irmãos.³

…E, se possível, estabeleçamos em cada lugar, onde o nome do Espiritismo apareça por legenda de luz, um grupo de estudo, ainda que reduzido, da Obra Kardequiana, à luz do Cristo de Deus.4

Essa equipe é formada pelos trabalhadores que se juntaram ao DUEME, nas reuniões das Inter-Regionais, no ano em curso, trabalhando em duas frentes. A primeira, é o domínio dos documentos norteadores utilizados na Unificação: Estatuto da FEP, Diretrizes ao Movimento Espírita Estadual, Orientação aos Órgãos de Unificação e o Regimento Interno do Conselho Federativo Estadual.

A segunda está focada na obtenção de informações sobre Centros e Grupos Espíritas, nas diversas regiões do Estado para que possamos ter um quadro completo do Movimento Espírita Estadual.

Esse grupo também se aprofundará nos dados estatísticos do Paraná Espírita e as consequentes reflexões, considerando que, dos 399 municípios do nosso Estado apenas 38% possuem Centros Espíritas e 62% não os têm.

Certo que esses 38% são os municípios mais populosos (80% da população do Estado possui Centro Espírita à sua disposição). Os 62% dos municípios restantes congregam uma população média de 8.000 habitantes. Isso demonstra o imenso potencial de trabalho que a equipe do DUEME tem pela frente.

Em Curitiba, a situação também se mostra desvantajosa, uma vez que dos 75 bairros da capital, somente 37 possuem Casas Espíritas (49%) e 38 não as têm (51%).

Ao analisarmos a distribuição das datas de fundações das Casas Espíritas verificamos grandes espaços entre a criação de uma e outra. E, infelizmente, muitas vezes, essa criação se dá por dissenções entre os companheiros. De um ponto de vista, surge uma nova Casa, que atenderá outra parcela da população. De outro, permitiu-se que a divergência se transformasse em dissenção.

Estes são alguns dos desafios do DUEME, aos quais podemos adicionar ainda a preparação das Lideranças Espíritas, Administração de Casas Espíritas, dentre muitos outros.

Departamento de Unificação e Expansão do Movimento Espírita/FEP
Fotos: Miriam Feuerharmel

Referências:

¹ 70 ANOS do Pacto Áureo. Jornal Mundo Espírita, Curitiba, FEP, ano 87, n. 1623, out. 2019.

² PACTO Áureo: a vitória da fraternidade. Curitiba: FEP, 2009.  Caravana da Fraternidade composta por Arthur Lins de Vasconcellos Lopes, Ary Casadio, Carlos Jordão da Silva, Leopoldo Machado, Luiz Burgos e Francisco Spinelli.

³ MENEZES, Bezerra de. Psicofonia de Divaldo Pereira Franco. Unificação paulatina, união imediata, trabalho incessante…  Reformador, Rio de Janeiro, FEB, fev. 1976.

4 __________. Psicografia de Francisco Cândido Xavier. Unificação… Reformador, Rio de Janeiro, FEB, dez. 1975.

 

Assine a versão impressa
Leia também