Jornal Mundo Espírita

Janeiro de 2020 Número 1626 Ano 87

CONMEL – Confraternização das Mocidades Espíritas de Londrina – 2010

março/2010

Dos dias 13 a 16 de fevereiro de 2010, numa pousada bucólica, na cidade de Londrina, aconteceu a 16ª edição da CONMEL.

O evento foi promovido pelo Departamento de Infância e Juventude (DIJ) da 5ª URE e teve participação e apoio das 4ª e 6ª UREs. Participaram 70 jovens, ao todo, sendo 60% meninas, todos com idade entre 14 a 21 anos, frequentadores dos grupos de juventudes das Casas Espíritas dae 6ª URE, além de outros 12, com faixa etária entre 22 e 26 anos, que formaram um grupo especial, capacitados para tornarem-se futuros trabalhadores de encontros.

Estiveram representadas as mocidades de: Londrina, Cambé, Ibiporã, Apucarana, Arapongas Faxinal, Lidianopolis, Ponta Grossa, Cornélio Procópio e Rolândia.

A equipe de trabalhadores foi formada por 16 integrantes: 11 da região e 05 que vieram especialmente de Curitiba, da SELF (Sociedade Espírita Laços Fraternos), inclusive o coordenador geral: Marcio da Cruz; além da presença da Diretora do DIJ da FEP, Tatyanna Braga de Moraes.

Aproveitando o feriado para abordar o tema “Brilhe a vossa luz” (Mateus 5: 16), várias atividades foram desenvolvidas nos diversos momentos, ensejando reflexões importantes: as atividades foram propostas para que os jovens pudessem vivenciar, no grupo menor, situações que os desafiam, diariamente, nas relações sociais, dentro do lar, no ambiente da escola, do trabalho, entre outros. Desta forma, os grupos passaram por momento de inclusão, controle e abertura/afeto segundo a teoria específica que explica dinâmica das relações interpessoais. O cronograma do evento também contou com atividades com tikung, yoga, sarau e apresentação da Banda Self de Curitiba, entre os intervalos dos estudos. Os dias transcorreram dessa forma:

O evento começou no sábado, 13/02. Na abertura, a apresentação da equipe de trabalho, tanto da região como a que veio de Curitiba; a discussão do contrato social entre o coordenador de estudos, Marcio da Cruz, e os jovens do evento, momento feito em plenária, a fim de que se consolidassem o regimento interno da Conmel e os ajustes necessários de acordo com o consenso.  Após este momento, lanche e formação dos grupos de estudo. Foi utilizada a técnica de grupos de encontros e neste momento as atividades propostas foram de inclusão (momento em que o jovem conhece o grupo e se vê diante do convite para se incluir). Assim, foram utilizadas atividades de inclusão. Após a atividade em grupo, com o término por volta das dezoito horas, havia um espaço para o relaxamento e revitalização através da yoga. No período da noite, um momento musical com a Banda Self de Curitiba.

No domingo, 14/02, as atividades começaram com o despertar dos jovens. Às oito horas, para quem quisesse participar, houve uma atividade de tikung (movimentos corporais leves e revitalizadores). Após o café da manhã os jovens se direcionaram para o plenário para cantar e realizar a prece da manhã. Logo após, todos se direcionaram para seus grupos de estudo, onde puderam continuar o trabalho do dia anterior com as atividades de inclusão durante o período matutino. Vale mencionar que a proposta de “educação de laboratório” para análise e desenvolvimento da inteligência interpessoal sempre conta, ao final de cada módulo ou encontro de grupo, com uma análise de um texto, a fim de que os participantes tenham contato com a riqueza teórica da Doutrina Espírita. Assim, utilizaram-se várias obras diferentes da série psicológica do Espírito Joanna de Ângelis.

No período da tarde após o almoço, as atividades trabalhadas foram as de controle, oportunizando ao jovem a percepção de como age diante aos embates da vida; qual postura ocupa diante discussões e nos momentos de escolha. Neste dia, no período da noite, a maioria participou do sarau (os jovens puderam apresentar as músicas cantadas em suas mocidades) e mostrar seu talento. A Banda Self também participou, prestando apoio a todos.

Na segunda, 15/02, as atividades da manhã começaram com tikung e, nos grupos, a proposta foi conduzida com exercícios de controle, o que perdurou até antes do almoço. Depois de reabastecidos, partíamos para os últimos momentos, para a última fase do desenvolvimento das relações grupais, a fase de afeto/abertura (é neste momento que decidimos o quão perto ou o quão distante pretendemos ficar das pessoas do grupo; é aí que verificamos os processos de coesão, de união, de rupturas, de dificuldades em expressar ou receber o amor que a todos nos alimenta e sustenta o equilíbrio geral, segundo Espírito André Luiz, na segunda parte da obra “Evolução em Dois Mundos). Os exercícios trabalhados estimulam a aproximação através dos momentos afetivos no grupo. No período da tarde/noite, continuamos com as vivências e reflexões em torno da fase de afeto. O dia foi encerrado com o evangelho e oração nos dormitórios.

Na terça, 16/02 as atividades foram: despertar/café da manhã, tikung, integração/música, vivências na etapa de afeto/abertura; conclusão final coordenação Curitiba, momento de microfone aberto para todos manifestarem livremente as suas percepções e avaliações, CONMEL & AVEIA. Após o plenário, demarcamos o final desta exitosa edição da CONMEL 2010 com um almoço de despedidas… de sonhos, de profundas reflexões.

Merece especial destaque o grupo formado com jovens entre 21 e 25 anos. Eles foram convidados especialmente para o evento. A proposta é a de que eles formem, na URE, um grupo de trabalho, compondo departamentos.

E a boa notícia é que a maioria aceitou e, a partir dessa experiência inusitada, foram formadas duas comissões na 5ª URE: a que se responsabilizará pelo Setor de Estudos da Doutrina Espírita e a que atuará na área de promoção de eventos. A primeira experiência já está agendada para outubro de 2010, com o 1º Festival Espírita da Canção de Londrina.

Como alguns participantes perceberam o encontro 

Deuzeli Dias de Toledo 22 anos, de Apucarana, participou do grupo dos jovens entre 21 e 25 anos, com o intuito de se tornar futura trabalhadora do evento para ela: “Esta CONMEL foi muito importante para mim, principalmente o grupo de estudo, pois, através dele, pude expressar meus sentimentos e observar meus erros. Esses dias que passei na CONMEL pude trocar experiência com outras pessoas e perceber que nós jovens temos muito que aprender e passar o que sabemos para jovens nos dias de hoje para procurar mudar o mundo através de nossas atitudes!

Ana Cristina Dias de Toledo, 17 anos diz que:
Encontros espíritas para mim são um sonho ao vivo e em cores. O amor que eu recebi na CONMEL é totalmente inexplicável! Amor esse que faz deste um encontro perfeito e inesquecível! Só tenho é que agradecer a todos que lutaram para realizar, pela dedicação total para mim, para nós jovens!

(…) a característica desse encontro foi bem diferente baseado na… que os nossos facilitadores que fizeram a gente nos experimentar diante de diversas situações, coisa que a gente não havia tendo nas outras CONMEL e… então  foi um verdadeiro laboratório… e os resultados foram magníficos prá cada um . Vitor Fiates – Londrina)

(…) a proposta de ensino, uma proposta nova. Porque eu conheço e vocês me conhecem de várias outras CONMEL, e nós vimos que mudou totalmente a proposta. Realmente esta proposta nova de ensino é totalmente diferente… Ela trouxe prá dentro, realmente. Nós conseguimos descobrir; pelo menos o objetivo nosso era de descobrir nossa verdade interior, para conscientizarmo-nos sobre o que precisamos mudar… para poder brilhar a nossa luz. (Wagner Fiates – Londrina)

“(…) uma coisa maravilhosa, gente. Fiquei muito feliz… a gente aprendeu bastante, e o grupo espera, no ano que vem, estar aqui… não mais como participantes, mas… como trabalhadores, passando pra vocês tudo que  a gente aprendeu.” (Marília Hamati – Ponta Grossa)

Assine a versão impressa
Leia também