Jornal Mundo Espírita

Maio de 2019 Número 1618 Ano 87
Sugestão de Leitura Envie para um amigo Imprimir

Como fazer

março/2013 - Por Equipe Editorial

No ano de 1999, a Federação Espírita do Paraná – FEP, pretendendo dar ao interessado no conhecimento e na prática espírita, acesso a material orientativo que lhe permitisse se inteirar de determinadas tarefas da Casa Espírita, em poucas palavras, numa linguagem simples, concisa e prática, contando com o apoio de um pugilo de confrades, das mais variadas regiões do Estado, que se reunia periodicamente na sua sede com o intuito de pensar ações federativas que incrementassem a difusão doutrinária no Paraná, em bases doutrinariamente sólidas, que se deliberou chamá-lo de Grupo de Planejamento de Ação Doutrinária da FEP, editou o primeiro programa de trabalho do Projeto: Como Fazer.

Para a capa foi escolhido o João-de-Barro, conhecido por seu característico ninho de barro, em forma de forno e sua engenhosidade na construção. Frise-se que essa ave constrói um novo ninho a cada ano, o que atesta da sua capacidade de trabalho e criatividade. Eventualmente, pode reformar o ninho do ano anterior. Isso nos remete a possibilidades de rever o antigo, renovando. Nada mais significativo para representar o Projeto Como Fazer.

O primeiro opúsculo versou sobre o ATENDIMENTO FRATERNO, englobando desde a tarefa da recepção ao atendimento fraterno, através do diálogo, aos que chegam pela primeira vez na Casa Espírita, orientando-lhes os primeiros passos dentro da Instituição, na busca do conhecimento espírita e do consolo que ali esse propicia, em nome do Espiritismo.

Naturalmente, o opúsculo de vinte e três páginas não pretende esgotar o assunto, mas alinhava apontamentos tidos como fundamentais na tarefa aludida.

No ano seguinte, 2000, foi lançado a público o segundo volume, com enfoque para A ORGANIZAÇÃO DA CASA ESPÍRITA, com itens como a estrutura organizacional do movimento espírita mundial, as responsabilidades comuns a todos perante o movimento espírita, as questões doutrinárias, legais e fiscais de um Centro Espírita.

O terceiro volume, em 2001, enfocou o ESTUDO SISTEMATIZADO, onde se apresentam as várias atividades que o compõem, desde as palestras públicas, que recebem preliminarmente os interessados, aos grupos de estudo da infância, juventude e adultos, as dinâmicas, adequação dos programas e funcionamento dos grupos.

Quem desejar saber Como Fazer o estudo, encontrará nesse singelo e prático roteiro oportunas e qualificadas orientações, estabelecendo que o estudo do Espiritismo na Casa Espírita deve ter caráter prioritário e de urgência, destinando-se a todos, nas suas variadas idades.

Em 2004, o enfoque foi EVENTOS DOUTRINÁRIOS, com ampla abordagem sobre Como Fazer encontro de jovens, palestras públicas, simpósios, conferências. As orientações abrangem as etapas anteriores (planejamento), durante o evento (execução) e após o evento (compromissos, avaliação). Desce a detalhes como os cuidados com os convidados, a captação de recursos e a utilização da arte nos eventos espíritas.

TRABALHO EM EQUIPE é o quinto volume, lançado em 2005. Não se trata de um manual, nem, tampouco, abrange todas as áreas de conhecimento acerca do tema, mas de um roteiro sintético sobre o trabalho em equipe.

Quem o assimile, encontrará ensejo de bem estruturar sua equipe, aperfeiçoando-se e crescendo qualitativamente no intento de melhor servir. Nesse volume, apresentam-se as obrigações relativas aos membros, as questões da liderança, pontos que emperram as engrenagens da equipe, que a desmotivam ou que a motivam, bem assim as exigências básicas para o bom desempenho do trabalho: planejamento, criatividade, treinamento e aprimoramento.

Considerando que o bom relacionamento entre as pessoas no Centro Espírita é ponto fundamental para o bom desempenho das suas tarefas, o sexto volume, editado em 2006, abordou as RELAÇÕES FRATERNAS NO CENTRO ESPÍRITA.

No dizer de Emmanuel, psicografia de Francisco Cândido Xavier , na mensagem O centro Espírita (Revista Reformador, janeiro 1951,ed. FEB) nos encontramos no Centro Espírita para aprender e ensinar, plantar o bem e recolher-lhe as graças, aprimorar-nos e aperfeiçoar os outros, na senda eterna.

Nesses termos, o relacionamento entre as pessoas deve estar sustentado por união, fraternidade, trabalho, solidariedade e tolerância e  a união deve ser o resultado de labor continuado na sua construção.

Com reflexões a respeito do Homem de Bem e O dever, textos extraídos de O Evangelho segundo o Espiritismo, esse documento é mais conceitual do que prescritivo, e propõe que os Centros Espíritas lhes dediquem aprofundado estudo e reflexão, a fim de extrair conclusões que mais se identifiquem com as particularidades que lhes são próprias.

O volume traz, ao final, ainda, como acréscimo, oportuno Glossário.

Em 2007, surgiu Como Fazer SERVIÇO DE ASSISTÊNCIA E PROMOÇÃO SOCIAL ESPÍRITA (SAPSE). Os textos, colhidos das obras kardequianas, formalizam as disposições doutrinárias quanto à magna importância das atividades pessoais e dos espíritas em nome da Caridade.

O espírita assimilou esta máxima com tamanha ânsia de realizações no Bem, que deu ao Movimento Espírita destaque e respeitabilidade pelo serviço social que presta, em cada comunidade que se faz presente.

No entanto, há os que estão começando tanto no conhecimento do Espiritismo, como nas tarefas do SAPSE. É para esses que o presente opúsculo se destina.

Esse material pretende servir de roteiro simples para as tarefas iniciais, deixando o crescimento e aperfeiçoamento por conta do tempo e de cada grupo, diante de suas experiências, que darão características muito específicas às suas ações.

Não são enfocadas as obras assistenciais como creche, hospital, albergue e outros de mesma grandeza, pois que exigiriam detalhamentos muito específicos e próprios de cada um. Os itens, a partir das palavras de Paulo de Tarso a respeito da Necessidade da caridade (1ª Epístola aos Coríntios, XIII, vv. 1 a 7 e 13) e das exortações kardequianas em seu discurso de dezembro de 1868, enfocam um passo a passo, desde o levantamento de necessidades e oportunidades, capacidade e vocação do centro Espírita, identificação de público à delimitação do trabalho e modo de ação.

Eis aí sete opúsculos. Estão à disposição há alguns anos, prosseguindo atuais e oportunos, exatamente pela forma como o Grupo de Planejamento de Ação Doutrinária os pensou e produziu.

Todos estão disponíveis na Livraria Mundo Espírita (www.livrariamundoespirita.com.br)

Assine a versão impressa
Leia também