Jornal Mundo Espírita

Agosto de 2019 Número 1621 Ano 87

Como estrelas na Terra: toda criança é especial

julho/2012 - Por Maria Helena Marcon

Bollywood, a maior indústria indiana de cinema, em termos de lucro e popularidade, em nível nacional e internacional, produz filmes desde o ano de 1913. O primeiro filme era mudo, surgindo em 1931 o primeiro filme sonoro.

Na década de 1930, essa indústria produzia cerca de duzentos filmes por ano e em 1950, já lançava alguns filmes a cores.

O nome Bollywood surge da fusão de Bombaim, antigo nome da cidade onde se concentra essa indústria, Mumbai, e Hollywood, a indústria cinematográfica americana.

A partir do ano 2000, Bollywood viu  aumentar a sua popularidade no mundo, o que a levou a atingir o máximo em termos de qualidade técnica e inovação.

Pois é de lá que nos vem uma preciosa pérola: Taare Zameen Par, traduzido para o português para Como estrelas na Terra – Toda criança é especial.

Conta a história de um menino, Ishaan Awasthi, de nove anos, incompreendido pelos pais e pelas demais crianças da mesma idade. Na escola, ele é um desastre. Já repetiu o terceiro período (no sistema educacional indiano) e corre o risco de tornar a repetir.

Ele não consegue acompanhar as aulas, nem focar sua atenção. Quando começa a ler, as letras dançam à sua frente e, nesses momentos, ele entra em outro mundo, o seu mundo, onde se sucedem aventuras com dragões, foguetes no espaço sideral, águas-vivas.

Mas a sua fantasia, onde ele demonstra a criatividade que lhe toma a mente, é bruscamente interrompida pela mãe porque ele tem deveres a fazer, horários a cumprir. Ou, então, pela rigidez tradicionalista do sistema escolar no qual deve se enquadrar.

O pai leva tudo à conta de indisciplina e trata o filho de forma rude. O menino é preguiçoso, é um tonto, nem um pouco parecido com o filho mais velho, um exemplo.

Ishaan não tem amigos. É esquisito. As pessoas não o entendem. Para piorar ainda mais, quando é acusado de fazer algo errado, não o deixam se explicar. A mãe não tem voz ativa na casa e tudo é decidido pelo pai.

Por isso, ao serem chamados pai e mãe na escola para falar com a diretora, o pai do garoto decide levá-lo para um internato. O menino chora, implora, sem êxito. Sua vontade não interessa. Ele precisa de disciplina e isso ele deverá receber, longe da família, no internato.

Ishaan interpreta, portanto, aquela escola em sistema de internato, longe de casa, como uma penalidade e reage, num esquema de regressão à vontade de aprender, de ser criança.

Sentindo falta da mãe, do irmão mais velho, da vida que tinha, ele entra em depressão. A filosofia do internato é a de disciplinar cavalos selvagens, e tudo vai caminhando para o caos. Ordem, disciplina, trabalho. Ordens e mais ordens.

Um único amigo ele consegue ter ali. Alguém que o entende e, de forma simples, vai lhe dizendo que estar ali não é um castigo, mas também lhe segreda que ele deve se esmerar para dar as respostas certas, isto é, aquilo que os professores desejam ouvir, não o que ele pensa e idealiza.

Esse amigo, portador de deficiência física, é a única pessoa com quem Ishaan se comunica, e se tornam quase inseparáveis.

Inesperadamente, um professor substituto de Artes entra em cena. Ele é professor em outra escola, uma especial para crianças com deficiências mentais. Sensível, logo percebe que algo de errado estava pairando sobre Ishaan. Não demorou para que o diagnóstico de dislexia ficasse claro para ele, o que o leva a pôr em prática um ambicioso plano de resgatar aquele garoto que havia perdido sua réstia de luz e vontade de viver.

Na aula de Artes, ele começa a contar a história de pessoas famosas da História: Albert Einstein, que foi Prêmio Nobel em 1921; a famosa escritora Agatha Christie; Thomas Alva Edison, que acendeu o mundo com a eletricidade; Leonardo da Vinci, o extraordinário pintor e inventor que criou o helicóptero, no século XV. O que todas elas tinham em comum: a dificuldade com as letras, com o alfabeto. Einstein, em criança, afirmava que o alfabeto dançava à sua frente. Leonardo da Vinci escrevia de forma especular, tipo de escrita que somente pode ser lida com o auxílio de um espelho. E já se imaginou uma célebre escritora ter tido problemas com as letras? Lembrou de Neil Diamond que, perturbado com as letras, se dedicou às canções.

Tudo isso para mostrar que entre nós existem essas pedras preciosas que desafiaram os caminhos do mundo pois podiam olhá-los com olhos diferentes.

Seu pensamento era distinto e nem todos o entendiam. Eles enfrentaram oposição e, ainda assim, venceram, e o mundo ficou maravilhado.

Com a ajuda direta desse dedicado professor, Ishaan voltará a ter vontade de pintar, expressando a sua criatividade. Voltará a demonstrar a sua capacidade inventiva.

O filme, de quase três horas, é uma obra-prima do ator e produtor Aamir Khan. Impressiona pela beleza da fotografia; pela sensibilidade ao tratar do mundo interior do pequeno aluno; pela qualidade do roteiro.

A par da excelente interpretação, a trilha musical comporta várias canções de subido valor e expressiva mensagem, como a que procura demonstrar a intimidade do menino no internato: Você sabe que eu tenho medo do escuro, você sabe, mãe?

Ou então, aquela que fala da beleza da Natureza: Será uma árvore ou um homem sob uma capa… e  anuncia que o Criador deve ser um artista, porque vive a pintar.

O final é desafiador e demonstra que a sensibilidade de um educador pode fazer a grande diferença para uma vida e até para muitas vidas. Mesmo que esse educador deva lutar contra regras rígidas de uma escola, de um sistema educacional e as cabeças bitoladas de colegas de profissão.

Uma grande reflexão para pais e educadores. Um alerta para que tenhamos olhos de ver, sensibilidade de perceber essas criaturas que se encontram pela Terra, algumas em nossos lares, e que apresentam dificuldades para se enquadrarem na rigidez de certas normas, de certos conceitos que definem o que seja normalidade.

Crianças, seres humanos que, verdadeiramente, somente desejam se expressar, demonstrando sua riqueza interior. Desejam amar e ser amados, integrar-se à sociedade e ser felizes.

 

Ficha Técnica:

Título Original: Taare Zameen Par – Every child is special

Título Traduzido: Como estrelas na Terra -Toda criança é especial

Gênero: drama

Duração: 2h42min

Diretor: Aamir Khan

Ano de  lançamento: 2007

Produção de Bollywood.

 

Obs.: Até o presente, o filme não veio para o Brasil, podendo ser encontrado somente na Internet.

Assine a versão impressa
Leia também