Jornal Mundo Espírita

Setembro de 2019 Número 1622 Ano 87

Chaplin e o Esperanto

outubro/2015

O esperantista espírita Fabiano Henrique, de Niterói, RJ noticiou um fato curioso, envolvendo Charles Chaplin e o Esperanto.

Conforme destacado na revista virtual Esperanto Ilustrado, o ator e cineasta inglês utilizou o Esperanto no seu primeiro longa falado, O grande ditador, no qual Chaplin interpreta dois papéis: o de um barbeiro judeu atrapalhado e o do grande ditador Hynkel, numa sátira bem-humorada a Adolph Hitler.

Nas cenas que se passam no bairro judeu, os letreiros das casas comerciais foram escritos no idioma criado por Lázaro Zamenhof. Numa delas, pode-se ler “Vestajoj Malnovaj”, que significa roupas velhas.

Noutra aparece a palavra Cambroj, que quer dizer quartos.

Alguns estudiosos afirmam que o cineasta utilizou o idioma porque procurava uma língua neutra e que parecesse estrangeira, para representar a diversidade cultural do gueto judeu.

Chaplin, no entanto, sempre se dizia um cidadão do mundo, e considerava o nacionalismo perigoso. Este pode ser um indício de que o Esperanto pudesse ser um fato social que lhe despertasse o interesse.

Boletim SEI, edição 2249, de junho 2015.

Ilustrar com gravura do filme. Tentei encontrar exatamente as duas mencionadas mas não consegui e no Boletim, de onde extraí a nota, a resolução é muito ruim.

Assine a versão impressa
Leia também