Jornal Mundo Espírita

Julho de 2019 Número 1620 Ano 87

Centenário de nascimento de Maurice Lachâtre

março/2015

O editor Maurice Lachâtre (1814 – 1900), amigo e colaborador de Allan Kardec, recebeu da Escola Normal Superior de Paris, especial homenagem no Congresso O bicentenário de um desconhecido, nos dias 12 e 13 de dezembro de 2014.

O Congresso foi promovido pelo professor François Gaudin, da Universidade de Rouen. Gaudin é um lexicólogo mundialmente conhecido e, com apoio de diversas instituições acadêmicas francesas, homenageou Lachâtre, considerado por ele como uma das figuras mais luminosas e corajosas da França, no século XIX.

Renomados doutores de várias partes do mundo, em suas exposições, abordaram as diversas facetas da atuação e influência de Lachâtre na França, na Europa e no mundo, como editor, escritor, livreiro, empreendedor, socialista, banqueiro, livre-pensador anticlerical, enciclopedista, republicano e estudioso do magnetismo e do Espiritismo.

Dentre as conferências, destacaram-se para nós [os espíritas], as referentes ao Lachâtre espírita, diante de uma plateia, em sua maioria, composta por acadêmicos sem qualquer envolvimento com o movimento espírita.

Essas conferências foram proferidas pela professora e escritora Nicole Edelman, da Universidade de Nanterre, com o tema O editor de “O Mundo Invisível” e por Alexandre Rocha, editor brasileiro e fundador das Publicações Lachâtre, que falou sobre Maurice Lachâtre – de editor francês a editor brasileiro.

Importante ressaltar a presença, no evento, de quatro descendentes de Maurice Lachâtre e da senhora Irene Gootjes, tradutora de livros espíritas para o idioma francês e também do francês para o português.

Lachâtre teve grande relacionamento com Allan Kardec e importante participação na história inicial do Espiritismo, além do Auto de Fé de Barcelona.

Primeiro, como sócios num empreendimento comercial de 1839 a 1842 (esta sociedade teve por objetivo a criação de um “banco de intercâmbio”, destinado a “facilitar as transações comerciais, proporcionar novas oportunidades para o comércio e a indústria, suprir a falta de recursos monetários através da troca de qualquer tipo de produto”); depois, ao publicar, de 1865 a 1870, o primeiro dicionário do mundo com verbetes espíritas, escritos pelo próprio Kardec, no qual aparece, também, sua sucinta biografia, escrita por Maurice (Nouveau Dictionnaire Universel (Novo Dicionário Universal); e a seguir, por editar uma revista espírita, em 1867(Le Monde Invisible (O Mundo Invisível), dedicada ao Espiritismo, sendo Allan Kardec, um dos seus redato­res; e, em 1870, uma enciclopédia com artigos sobre o Espiritismo (Encyclopédie Nationale (Enciclopédia Nacional).

www.correioespirita.org.br.

Assine a versão impressa
Leia também